Google Story Builder: Criar histórias de vídeo em minutos

A Google lançou recentemente uma nova plataforma que permite a qualquer pessoa criar vídeos curtos com muita qualidade. Com a Google Story Builder é possível ajustar os personagens, o enredo, e até mesmo personalizar a música. O exemplo dado pela Goggle mostra as potencialidades da nova plataforma.

O processo de criação de um vídeo por este sistema é simples:
  1. Adicionar dar nomes aos personagens (até 10)
  2. Adicionar e editar mudanças entre personagens (até 10)
  3. Titular o documento.
  4. Adicionar música.
  5. Dar nome ao vídeo e adicionar nome do autor.
  6. Publicar e partilhar o link.

Para não haver enganos basta lembrar que as histórias estão limitadas a 10 personagens e 10 mudanças, ter trechos rápidos e não longas descrições. Estas limitações não condicionam, pelo contrário, facilitam a forma como os alunos devem utilizar esta ferramenta para criar as suas próprias histórias dentro ou fora da sala de aula.
Esta pode ser uma excelente ferramenta interativa a utilizar pelos alunos, por exemplo, para resumir uma história. A brevidade do programa obriga os alunos a se envolverem com o essencial da informação e a serem criativos nas suas apresentações. Do mesmo modo, pode funcionar como “brain stroming” na discussão e debate livres, em formatos síncronos ou assíncronos.

Ligação: Google Story Builder

VideoNot.es: tirar notas enquanto se vê vídeo

VideoNot.es é uma ferramenta online que permite aos utilizadores fazerem anotações enquanto assistem a vídeos no mesmo ecrã, lado a lado, em integração com o Google Drive.

Introduzindo o URL no lado esquerdo do ecrã carregamos o vídeo. No lado direito, fica o espaço para tomar notas. Estas notas podem (e devem) ser sincronizadas com o filme e são automaticamente guardadas na conta Google Drive. O que significa que podemos compartilhar, colaborar e publicar as notas realizadas acerca de um vídeo exatamente da mesma forma que o fazemos com qualquer outro documento Google.
Por agora, os vídeos do Youtube são os únicos acessíveis através desta ferramenta, mas, acredita-se que, com o seu crescimento e banalização, será possível fazer o mesmo com vídeos de outras origens.

As vantagens de uma ferramenta como esta para um professor, seja para preparação de materiais, seja para utilização direta na sala de aula são, parece-me, óbvias.
Com ela, os alunos podem observar e/ou tomar notas sem terem que alterar as janelas de observação e escrita, fazendo pausas, abrindo e fechando janelas. A ferramenta simplifica o processo de observação e aprendizagem, ganhando tempo, evitando distrações, promovendo a concentração dos alunos em duas coisas: assistir ao vídeo e tomar notas.

Ligação: Video Notes

10 sítios para ver documentários online

Encontrar documentários educativos online nem sempre é uma tarefa fácil. Além do mais, em muitos casos, bons documentários exigem que se proceda ao seu carregamento para os nossos computadores, o que leva algum tempo, e acaba por não ser prático.
Há exceções, no entanto. Compilamos 10 sítios com documentários em vídeo de acesso gratuito.

1— Documentary Wire

Mais de 2000 documentários pesquisáveis por palavra-chave ou categoria, incluindo categorias como 9/11, biografia, religião ou política.

Ligação: http://www.documentarywire.com/

2 — Documentary Network

Coleção de um milhar de documentários organizados por categoria e duração.

Ligação: http://documentary.net/

3 — Movies Found Online

3 centenas de documentários organizados por categorias tais como Guerra, ciência, saúde…

Ligação: http://www.moviesfoundonline.com/documentaries.php

4 — Top Documentary Films

Mais de mil documentários organizados por categorias e segundo os comentários registados pelos seus visualizadores.

Ligação: http://topdocumentaryfilms.com/all/

5 — SnagFilms

Sítio popular onde é possível concontrar documentários e filmes independentes, incluindo filmes premiados da National Geographic.

Ligação: http://www.snagfilms.com/films/browse/category/

6 – Documentary Heaven

Coleção alargada de documentários pesquisáveis alfabeticamente, por classificação e categoria.

Ligação: http://documentaryheaven.com/

7 — Open Documentaries

Mais de oito centenas de documentários orgranizados por categoria e por série.

Ligação: http://www.opendocumentaries.com/

8 — Documentary Z

Dois milhares de documentários organizados por categoria.

Ligação: http://www.documentaryz.com/

9 — Documentary Storm

Comunidade de partilha de documentários organizados por categoria e pesquisáveis alfabeticamente.

Ligação: http://documentarystorm.com/

10 — Documentary Tube

Documentários organizados por categoria e pesquisáveis alfabeticamente.
Ligação: http://www.documentarytube.com/

A tabela periódica em vídeo

The Period Table of Videos é um website que mostra 118 vídeos, um por cada elemento da tabela periódica. Os vídeos incluem uma informação introdutória, bem como algumas experiências interessantes, orientadas por uma equipa de especialistas da universidade de Nottingham, em colaboração com a BBC.
Apesar de estar já disponível uma tabela completa com os vídeos, a equipa responsável por este programa continua a atualizá-los, a fim de manter a precisão com o progresso do conhecimento científico.
Além desses vídeos de “ciência fundamental”, o sítio também mostra um conjunto de vídeos sobre moléculas, em que se explicam fenómenos como a penicilina, concreto, DDT, cafeína, morfina, ou… viagra. Diga-se de passagem que o “ar” do apresentador diz tudo sobre todos estes fenómenos. É só ver.

É de salientar que algumas das experiências, ao mesmo tempo que pretendem envolver os alunos na experimentação da química moderna, são potencialmente perigosas, pelo que todos os cuidados são poucos, e os professores têm o dever de assegurar todas as condições de segurança se as quiserem replicar.

Ligação: http://www.periodicvideos.com/

10 programas para criar vídeo-tutorais

É vasto o número de ferramentas disponíveis para manipular imagens em movimento, em especial os vídeos. Tendo como referência principal os vídeos do Youtube, omnipresente quando se fala nestas coisas, há ferramentas que, além de nos permitirem facilmente capturar esses vídeos, dão a possibilidade de os manipular, cortando partes que nos interessam, excluindo outras.
Outra área interessante é a produção de vídeo-tutoriais onde podemos incluir vários tipos de imagens, paradas ou em movimento. Sugerimos um conjunto de 10 ferramentas que cumprem bem essa função de uma forma simples. Dependendo do objetivo que pretedemos alcançar, uma ou outra permite-nos capturar vídeos, captar a atividade do ecrã, inserir legendas, textos ou imagens.
Algums delas só funcionam online outras será preciso descarregar o programa para o nosso computador. Quase todas elas permitem a gravação do resultado final em diferentes formatos, dependendo da utilização que lhes queremos dar.

1 — Splicd

Splicd
No Splicd, é possível cortar vídeos do Youtube e partilhar os fragmentos selecionados.

2 — Screencast-o-Matic

Screencast o matic
Com programa Screencast-o-Matic, gravamos um vídeo com tudo o que acontece no nosso ecrã, de forma a poder ser utilizado posteriormente em tutoriais, por exemplo. O vídeo realizado pode ser guardado na própria web ou em formato Quicktime.

3 — Overstream

Overstream
Overstream é uma ferramenta para colocar subtítulos nos vídeos online.

4 — Extract YouTube

Extractyoutube

O Extract YouTube é uma ferramenta que permite extrair e descarregar vídeos do Youtube em formato flv.

5 — Shiki

Shiki
Shiki é uma ferramenta gratuita que permite a descarga de vídeos da internet e a sua conversão em diferentes formatos (MP3, MP4, AVI, WMV…).

6 — ConvertmyTube

Convertmytube
ConvertmyTube é um conversor gratuito, online, de vídeos do Youtube para outros formatos, a fim de os guardar em diferentes dispositivos, PC, tablet, iPod, Play Station, etc.

7 — Vixy

Vixy
Vixy é um programa, de descarga gratuita, que desempenha s mesmas funções da ferramenta anterior, que permite manipular e guardar vídeos em diferentes formatos.

8 — Zentation

Zentation
Zentation é uma ferramenta online que permite combinar e sincronizar vídeos com apresentações.

9 — Wink

Wink
Wink é um programa gratuito, especialmente pensado para a criação de vídeo-tutoriais. Permite capturar a atividade do ecrã do computador ou utilizar imagens em diversos formatos, juntar títulos, textos explicativos, botões, símbolos, etc. Permite vários formatos de saída.

10 — Jing

Jing
Jing é um programa, gratuito, de captura de atividade do ecrã, apropriado para o desenvolvimento de tutoriais. Cria imagens e vídeos do que visualizamos no ecrã, permitindo a sua partilha em vários formatos e edição com outros programas mais sofisticados, e pagos, como o seu irmão Camtasia.

Google Art Project: democratizar o acesso à arte

Google Art Project é um dos projetos mais impressionantes da Google: uma galeria virtual que permite conhecer mais de 30 mil obras de arte de 151 museus situados em 40 países diferentes. Por mais que não fosse, estes números dão-nos desde logo uma ideia da grandeza do projeto e das possibilidades didáticas que oferece.
A última versão do projeto, lançada há pouco mais de um mês, já tem algumas páginas em português ao mesmo tempo que permite uma visita ao Museu da Coleção Berardo.
Uma das caraterísticas mais interessantes do projeto é a possibilidade de os utilizadores registados criarem as suas próprias galerias e depois partilhá-las através das redes sociais, como o Google +, Facebook ou Twitter.
Quando acedemos à página Google Arte Project é-nos fornecida uma image aleatoriamente com informação sobre a mesma, sua localização e uma ligação às restantes obras da coleção assim como o acesso a uma visita virtual ao museu onde se encontra.

Desta página inicial também se acede a todo o conteúdo através das diferentes ligações:

  • Museus com Museum View ou visitas virtuais. Apenas 51 museus o permitem.
  • Coleções ou museus. Podem pesquisar-se por localização geográfica.
  • Artistas, ordenados alfabeticamente.
  • Obras de arte. Neste caso, os resultados podem ser filtrados por título, suporte, técnica e qualidade da imagem e também a coleção que pertence o criador da obra.
  • Galerias criadas pelos utilizadores registados. Neste caso, aparecem ordenadas pelo nome, as mais populares e as mais recentes.
  • As nossas galerias e um pesquisador do conteúdo do Google Arte Project.

Para poder ver as obras em detalhe, depois de selecionar a obra fazemos zoom sobre ela, explorando as partes que mais nos interessam.

Naturalmente que esta ideia pode ser aproveitada de várias formas em trabalho de sala de aula. O próprio site oferece várias propostas didáticas.

Look Like an expert propõe maneiras interessantes de estudar a história da arte, com variados e atrativos pontos de vista:

  • Criar galerias em que se cataloguem as obras por temas e/ou motivos que identifiquem uma determinada época histórica. Por exemplo, os temas mitológicos na arte grega e romana ou as paisagens urbanas no século XIX.
  • Jogo de pares: unir detalhes com as obras a que pertencem e analisá-los. Por exemplo, o calçado, outros adereços, utensílios domésticos…
  • Identificar obras de um determinado período artístico a partir das caraterísticas básicas do seu estilo, o ideal de beleza procurado ou a forma de representar objetos ou materiais. Por exemplo, os fundos dourados nas obras medievais ou os contrastes de luz e sombras do barroco.
  • Criar galerias de obras classificadas por um suporte ou material empregue para realizar a obras: pintura a óleo, aguarela, mármore, carvão, pastel… A qualidade das imagens do Google Arte Project ajuda a identificar claramente as diferentes técnicas, a aparência dos diversos materiais e a sua deterioração. Do mesmo modo, ao observar em detalhe as obras, pode-ser analisar o traço ou a pincelada caraterística de um determinado pintor.

DIY (Do it yourself). Um faça você mesmo que propõe várias atividades, em que se destaca:

  • Conservador de Museu: Converter-se num conservador de um museu e organizar uma exposição sobre um determinado tema. O tema pode ser simples ou complicado e ter múltiplos subtemas. Outra opção é organizar uma exposição, ou atividades sobre elementos presentes numa obra, escolher uma sala de um museu, realizar uma visita virtual, analisar a ordem das obras expostas e criar uma galeria com elas.
  • Remix: Criar um espaço que acompanhe uma obra de arte selecionada. O espaço pode decorar-se com mobiliário de desenho, ambientar-se com música, desenhar um guarda roupa, etc. As possibilidades são infinitas. A atividade pode-se realizar tridimensionalmente de forma virtual criando um diaporama ou com uma aplicação de desenho 3D como o Google SketchUp.
  • Montar uma exposição fotográfica. Utilizar a ampliação de imagens e realizar uma galeria de animais reais ou imaginários, plantas e árvores, jóias, etc.
  • Reinterpretar uma obra de arte presente nas coleções. O site sugere fazer uma cópia com o nosso estilo pessoal utilizando diversas técnicas.
  • Criar uma galeria que reúna as obras de arte em que predomine um determinado conjunto de cores: dores frias, quentes, harmonias, contrastes…

Finalmente, o projeto sugere um conjunto de espaços onde podemos aprender mais sobre arte e a sua história. Mais propostas didáticas podem ser vistas no Canal de Youtube do Google Art Project.

10 sítios para fazer animações online

Em várias áreas, a realização de animações pode ser uma grande ajuda no processo de ensino aprendizagem. Os alunos podem trabalhar em grupo ou individualmente. Quase todas as sugestões são de utilização gratuita.
Sugerimos 10 sítios em que tal é possível, sendo que os últimos estão especialmente vocacionados para fazer vídeos para colocar no Youtube.

1 – Dvolver Moviemaker

Fácil de utilizar, não requer registo.

2 – Myths and Legends

É um sítio inglês onde os estudantes poderão criar histórias sobre mitos e lendas, na área do fantástico, claro está. Os professores devem registar-se.

3 – The Zimmer Twins

Sítio bastante popular que permite importação de dados de outras aplicações.

4 – Kerpoof

Um sítio da Disney dedicado à criatividade, animações, pintura, desenho, etc. Necessita registo.

5 – Miivies

Depois de criar as animações, é possível embebê-las num site ou blogue.

6 – DoInk

Faz animações simples com grande facilidade.

7 – Xtranormal

O site oferece centenas de fundos, imagens e personagens aos quais podemos adicionar emoções, vozes e gestos. Quando falam os lábios correspondem ás palavras indicadas nos balões de fala.

8 – Stupeflix

Permite a mistura de fotos, vídeos e música criando vídeos em poucos minutos.

9- Go!Animate

GoAnimate é um aplicativo divertido que permite produzir vídeos animados, de graça, em apenas 10 minutos, sem ter que desenhar.

10- Fluxtime

Com meia dúzia de passos criamos um pequeno vídeo que depois podemos enviar por email ou embeber num blogue ou sítio.

Criar um vídeo e sequência de fotos com música

WIQET é uma ferramenta simples de criação de vídeos e sequências de fotos e música que pode ser inserido em qualquer página web ou num blogue.
O nome Wiqet joga com o significado da palavra widget, que se refere às pequenas aplicações que se usam para aceder a funções interativas na internet.
Sem qualquer necessidade de registo, ao aceder à página do sítio, desde a opção Create, que se encontra na página principal, acede-se ao ecrã que nos permite escolher entre criar um reprodutor de vídeo (Video & Webcam Widget) ou reprodutor de áudio e fotos (Voice & Photo Widget).

Feita a escolha, aparece um ecrã que nos pede para localizar no nosso computador os conteúdos que queremos trabalhar. Se escolhemos a opção de som e fotos, é-nos dada a possibilidade de optar entre carregar um ficheiro de áudio ou gravar o som através de um microfone. O número de imagens está limitado a um máximo de 49.
Se escolhermos a opção de vídeo, podemos, da mesma forma, carregar um vídeo já existente, ou utilizar a webcam.
Concluídas estas fases, é-nos fornecido um código HTML, endereço URL e código necessário para inserir o wiget criado em qualquer blogue ou sítio na internet.
Além disso, temos a opção de pré-visualizar o trabalho efectuado ou de enviá-lo por email para um amigo.
É possível integrar o trabalho realizado em blogues (wordpress, joomla, blogger…) e comunidades e redes sociais, como o Facebook. O próprio sítio tem acessos diretos para executar a aplicação, seja nos sites, seja nas redes sociais.

Usar o wordpress na sala de aula

Entre as plataformas de alojamento e publicação de blogues, o WordPress merece um lugar de relevo porque tem demonstrado qualidade, garantia e a estabilidade necessárias para merecer a confiança, não apenas dos blogueiros amadores mas até de grandes organizações. O seu crescimento exponencial nos últimos anos é fruto do trabalho partilhado a nível mundial envolvendo milhares de voluntários, programadores que, sob várias formas, têm contribuindo para que este script seja hoje uma referência incontornável na web.
Pelas suas caraterístcas, onde se destaca a simplicidade e usabilidade, o WordPress pode ser também uma ferramenta interessante que os professores podem utilizar com os seus alunos. O video que se segue, em espanhol, mostra de que forma os professores o podem utilizar. A não perder.

As melhores aulas do Youtube agora em português

A Fundação Lemann, em parceria com o Instituto Natura e o Instituto Península, está a levar para as escolas públicas brasileiras as ferramentas disponibilizadas pela Khan Academy. O projecto piloto abrange 6 turmas de 5º ano (antiga 4ª série) de escolas municipais de São Paulo. O objetivo é contribuir para a melhoria do desempenho dos alunos em Aritmética e experimentar a metodologia em sala de aula, com a contribuição dos professores. No segundo semestre, a experiência deve ser levada a mais 15 escolas, totalizando 1000 alunos beneficiados.
A Khan Academy tem como missão ser uma instituição sem fins lucrativos que proporcione ensino de classe mundial, gratuitamente, a qualquer pessoa, em qualquer lugar.
Se o seu criador grava os seus materiais em inglês, é seu objectivo replicar o modelo noutras línguas, de forma ser o mais abrangente possível.
“A diferença fundamental em relação ao ensino de hoje é que os alunos podem aprender no seu próprio ritmo. Eles não podem ser forçados a avançar numa matéria sem ter entendido perfeitamente o tema anterior”, afirma Salman Khan.
A Khan Academy é uma organização não governamental que tem como objetivo contribuir para a melhoria da educação por meio de vídeo-aulas online disponibilizadas gratuitamente. Além dos vídeos, o site conta com um módulo de exercícios e um painel que permite ao utilizador acompanhar o seu desempenho. Todo o conteúdo é aberto.
A Fundação Lemann é uma organização sem fins lucrativos, criada em 2002 pelo empresário brasileiro Jorge Paulo Lemann.
O canal Youtube da Khan Academy em Português já tem disponíveis 693 vídeos (dia 28 de Fevereiro de 2012) sobre Matemática, Biologia, Física e Química, que podem ser acedidos gratuitamente.
Recorde-se que, em Portugal, apesar de não haver qualquer instituição que tenha pegado na ideia, há uma equipa de professores que, a título individual, continua a produzir vídeos na mesma linha de Salman Khan, disponibilizando-os também na internet de forma gratuita. Os seus materiais podem ser acedidos nos seguintes sítios: