5 sítios para criação de conteúdos multimédia na sala de aula

São muitas e variadas as ferramentas disponíveis para a criação de conteúdos e posterior partilha. Selecionei 5 sítios de aplicações online que poderão ser úteis tanto a professores como alunos. Todos eles têm em comum, a exemplo de outras aplicações de que aqui já falámos, recolher, criar e partilhar.

Floost

Floost é um sítio com informação própria onde podemos incorporar informações de interesse que podemos encontrar na internet. Pode-se criar um sítio, semelhante a um blogue, onde podemos incorporar entradas de texto, áudio, vídeo, imagens, ligações, assim como procurar temas na própria plataforma que nos interessem e incorporá-los no nosso blogue. A apresentação visual é semelhante a uma revista com artigos diferentes.

Endereço: http://floost.com/

Tackk

Tackk é uma aplicação web que permite a criação fácil e rápida de conteúdo multimédia na web. Tem diferentes écrãs com temas específicos em função do que queremos transmitir. Podemos adicionar fotografias, texto, áudio, vídeo, mapas …
Podemos ainda integrar outros elementos multimédia através da conexão com serviços como o Youtube, Vimeo, Instagram, Soundcloud ou Spotify.

Endereço: http://tackk.com/

Nota

Nota é mais uma ferramenta que se pode utilizar em aula para criação de conteúdos. De forma fácil e intuitiva, o sítio funciona no conceito de arrastar e largar os elementos multimédia num painel tipo poster.

Endereço: http://notaland.com/

Storify

Storify é uma ferramenta de utilização muito fácil. Trata-se de criar conteúdo na web tendo como base diferentes fontes, tipo Twitter, Facebook, Flickr, Google, RSS, blogues ou páginas web.
À primeira vista poderemos perguntar, para quer serve isso, se já está tudo nos outros lugares? Bem, o que o Storify faz é agregar no mesmo espaço diferentes fontes sobre um determinado tema, simplificando a busca. Num trabalho de turma, as suas vantagens são óbvias, já que as potenciais perdas de tempo à procura de diferentes fontes é anulada com a concentração num único lugar daquilo que queremos estudar.

Endereço: http://storify.com/

Spaaze

Spaaze é mais um serviço web 2.0 com grandes potencialidades na educação. A ideia é reunir, organizar e partilhar conteúdo. O Spaaze pode ser utilizado para guardar marcadores e recortes web, colecionar ideias sobre um tema, realizar chuva de ideias, gerir projetos e, não menos interessante, criar uma página web.

Endereço: http://www.spaaze.com/

Weduc: rede social portuguesa para pais e professores

Weduc é uma rede social, de raiz portuguesa, que tem como público alvo pais, professores, alunos e escolas. Segundo os seus promotores, trata-se de uma “rede social exclusiva para agentes de educação, completamente segura, grátis e desenhada para tornar a educação numa atividade participativa e a tempo inteiro”.
Esta rede, com versões em português e inglês, foi idealizada e desenvolvida pela empresa portuguesa Lusoeduc, SA, especializada em novas tecnologias de informação e comunicação, que criou o conceito de uma comunicação social exclusivamente para a área educativa.

weduc

Comunicação multiplataforma

Através da plataforma disponibilizada, a Weduc permite às escolas e professores comunicar com os encarregados de educação utilizando diferentes meios, seja através de mensagens, fotografias, vídeos, ficheiros e avaliações, mostrando o que vai acontecendo ao longo do dia escolar em total privacidade e segurança.

A Weduc destina-se a ser usada por escolas curriculares, do berçário ao ensino superior, escolas de atividades e explicadores na comunicação com alunos e encarregados de educação.
O acesso à Weduc é multiplataforma, podendo ser efetuado através de computador, tablet ou telémovel smartphone.

Aceder ao site Weduc: http://weduc.com/

Guia Facebook para professores

Com mais de mil milhões de utilizadores em todo o mundo no início de Outubro, o Facebook é uma presença cada vez mais forte na vida social de todos, em especial dos jovens e, por isso mesmo, há que estar preparado para saber responder aos seus desafios.
O sítio Mashable, um dos mais esclarecidos sobre tecnologias de informação, publicou um artigo muito interessante sobre o tema, intitulado “The Teacher’s Guide to Facebook” que recomendamos vivamente.
Artigo está em inglês, mas à falta de melhor, o Google Translator trata de nos dar uma ideia do que está em jogo.


Sobre este assunto há que destacar ainda o guia Facebook para professores da responsabilidade da própria rede social, que pode ser descarregado no Centro de Segurança do Facebook.

Outros links recomendados:

 

 

Learnist: Ensinar e aprender em rede

O Learnist é uma plataforma de aprendizagem social que segue uma linha muito semelhante à rede Pinterest, de que já aqui falamos. Especialmente pensada para professores e alunos, a proposta da empresa tecnológica Grockit é a de que os utilizadores compartilhem tudo aquilo que sabem, em diferentes áreas, passo a passo.

Ainda em fase beta, o acesso à rede é feito apenas por convite. No entanto, qualquer pessoa, utilizando o seu perfil no Facebook, pode pedir um convite, que, em pouco tempo, lhe é enviado.
A aplicação permite aos utilizadores partilhar todo tipo de conteúdos educativos, mostrando passo a passo o que se deve fazer para aprender, passo a passo, sobre os mais diversos temas, desde história, tecnologia, comidas e bebidas, física, viagens, arte e design, educação, matemática, entre outros temas.

Os utilizadores podem partilhar os seus conteúdos, ou o de outros, através do facebook, twitter, pinterest, linkedin, google +, entre outros, consultar os dos seus amigos e partilhar opiniões sobre os temas que assim desejarem. O mais importante dentro dessa nova rede social é conseguir organizar o material dentro de uma sequência lógica e por etapas, para facilitar a aprendizagem dos interessados.

O Learnist tem como objectivos principais:

  • Partilhar o que se sabe em diferentes áreas;
  • Tornar o acesso aos conteúdos educacionais mais simples e centralizados;
  • Promover uma rede social de aprendizes;
  • Tornar a experiência de partilha, uma tarefa com raízes assentes na partilha de aprendizagens.

O Learnist visa reorganizar e reconfigurar conteúdos de pesquisa como vídeos no YouTube, artigos na Wikipédia entre outros, para tornar o acesso aos conteúdos educacionais mais simples e centralizados.
A experimentar!

10 ferramentas para captação e gestão de conteúdos

Todos os dias o volume de informação presente na internet cresce exponencialmente. Por isso, à medida que a web é inundada de blogues, vídeos, tweets, notícias, artigos, atualizações e inúmeras formas de conteúdo, é cada vez mais difícil digerir esta sobrecarga de informação. Um mal que nos afeta a todos.
A internet está transformada num imenso campo de plantações onde é cada vez mais difícil separar as plantas sadias das ervas daninhas e, além disso, mesmo entre as boas colheitas, escolher as que mais nos convêm, as que mais nos motivam, que nos interessam. Todavia se esse é um problema cada vez mais premente, há já algumas ferramentas que nos ajudam a separar o trigo do joio e há que enfrentá-lo. O Google, assim como os outros motores de busca, tem definitivamente as suas deficiências quando se trata de seleccionar conteúdos que nos interessam, além de que, ao tentar atender a todos os públicos, menos útil se torna.
Este facto gerou o nascimento de um novo conceito na internet, a que os ingleses chamam “content curation”, ou seja, curadoria de conteúdos, que é uma das áreas de gestão de conteúdos de maior crescimento na web, e considerada uma função-chave do webmarketing e da web social, essencial na cadeia de criação e distribuição de conteúdos online.
De acordo com o professor Carlos Pinheiro, “um curador de conteúdo «content curator» pode ser definido como alguém que continuamente encontra, reúne, avalia, organiza e partilha o melhor e mais relevante conteúdo de um tema online específico. Alguém cuja função não é criar mais conteúdo, mas sim dar sentido ao conteúdo criado por outros. O curador de conteúdos presta assim um serviço extremamente valioso para aqueles que procuram informação online de qualidade: uma seleção pessoal de conteúdo da melhor qualidade e recursos sobre um tópico muito específico.”
As ferramentas que se seguem, todas gratuitas ou com planos gratuitos, pertencem a essa família de gestores de informação, que cada um poderá utilizar como simples recetor do que outros selecionam, ou como autor, cativando seguidores para as suas curadorias.
Cada uma tem qualidades únicas e nenhuma é exatamente igual à outra. Por isso, é mais do que provável que um utilizador não necessite de todas elas. Uma tarefa impossível. No entanto, é razoável pensar que alguma delas poderá ser útil. Cada um terá de encontrar a sua. Uma breve descrição poderá ajudar cada um a fazer uma primeira seleção.

1- Storify

StorifyStorify é uma forma de contar histórias usando “social media” que é o mesmo que dizer redes sociais, ou, em português do Brasil, “mídia social”. A Storify, criada em 2010 para uso privado e em versão beta pública desde abril de 2011, ajuda escritores a coletar informações do Twitter, Flickr, Facebook, YouTube e outros sites sociais. Os utilizadores podem adicionar texto a histórias e depois incorporá-las em qualquer site.

2 – Scoop.it

ScoopitO Scoop.it é um serviço de content curation baseado na web (não precisa de se instalar qualquer tipo de software de no computador). Apesar de ter versões pagas, a versão gratuita do serviço é inteiramente funcional para o objetivo de selecionar e distribuir conteúdos.
O Scoop.it permite criar tópicos sobre qualquer tema, receber sugestões automáticas baseadas nas tags definidas aquando da criação, seguir outros tópicos e ainda receber sugestões de conteúdos dos outros utilizadores. Toda a informação adicionada nos tópicos pode ser partilhada nas redes sociais Twitter, Facebook, e LinkedIn, e também em blogues WordPress e Tumblr.

3 – Redux

ReduxO Redux está especialmente vocacionado para vídeos. O sistema ajuda a descobrir os melhores vídeos, organizando-os por tópicos. Cada pessoa pode criar o seu próprio canal.

4 – Evri

Evri“Descobrir, seguir, curar e partilhar” são as palavras de ordem do Evri, que capta as últimas histórias, ajuda a controlar o mais importante e permite ao utilizador ter os seus próprios canais.

5 – Blekko

BlekkoBlekko – “Slash na Web!” Blekko é mais parecido com um motor de busca, que utiliza filtros, denominados “slashtags” para filtrar os resultados de busca. Ao invés de procurar na web inteira, um slashtag permite pesquisar apenas os sites que o utilizador quer, eliminando o spam.

6 – BagTheWeb

BagthewebO BagTheWeb ajuda os utilizadores a selecionar o conteúdo da Web. Para qualquer assunto, o utilizador cria o seu próprio “saco” para coletar, publicar e compartilhar qualquer conteúdo da web. Além disso, o BagTheWeb permite aos utilizadores construir redes de sacos. Desta forma, os “sacos” de informação podem ser ligados entre si para fornecer informações ricas e completas sobre qualquer assunto.

7 – BlogBridge

BlogbridgeBlog Bridge é uma ferramenta para todos os consumidores exigentes de boa informação, organizando-a de uma forma muito pratica. Fácil de usar e de gerir, é como um coador por onde se esvai o que não interessa e se retém o que é relevante.

8 – Paper.li

Paper liO Paper.li permite transformar o Twitter, Faceook e feeds RSS numa espécie de jornal online em apenas alguns cliques.
Requer uma conta no Twitter ou Facebook para se inscrever e começar a publicar os seus próprios jornais com conteúdos recolhidos de várias fontes.

9 – Pearltrees

PearltreesPearltrees é uma ferramenta extremamente poderosa que auxilia na descoberta de conteúdo novo, relevante, apresentando-o em uma maneira muito visual. A interface constrói um e diagrama de árvore dos conteúdo a procurar, descobrir e recolher. Um lugar para recolher, organizar e partilhar tudo o que lhe interessa na web.

10 – Instapaper

InstapaperO Instapater é uma daquelas ferramentas enganosamente simples que, depois de usar durante algum tempo, não podemos passar sem ela. Quando nos deparamos com um conteúdo interessante na web, mas não há tempo para lê-lo, basta pressionar “Read Later” para enviá-lo para o nosso Instapaper. Depois, quando a disponibilidade o permitir, basta aceder à conta, gratuita, e consultar tudo o que deixamos ara mais tarde. simples.

10 redes sociais para professores

As redes sociais desempenham cada vez mais um papel de primordial importância na educação. Todavia, em especial quando se fala em termos profissionais, há quer procurar alternativas que fujam aos facebooks onde cabe toda a gente e onde a conversa acaba por fugir ao essencial.
Dois sites americanos Chronicle of Higher Education e Education Dive, elaboraram dois estudos, o segundo complementar ao primeiro, em que foram selecionadas 10 opções de redes sociais para educadores e estudantes de pós-gradução em ciências ou humanidades.
A lista final ficou assim ordenada:

1. RESEARCHGATE: http://www.researchgate.net
Para quem é: Cientistas, estudiosos e qualquer outra pessoa com um trabalho para publicar e áreas de estudo. Engenharia, medicina e biologia são as áreas mais comuns dos membros desta rede.
Objetivo: fornecer uma plataforma para os académicos compartilharem os seus trabalhos, obter críticas e conhecer os colegas.
Custo: Gratuito.

2. EPERNICUS: https://www.epernicus.com/
Para quem é: Cientistas e investigadores que procuram respostas de especialistas.
Objetivo: Uma espécie Quora (uma base de dados de conhecimento criada pela sua comunidade e para a comunidade, sobre qualquer assunto) da comunidade científica. Os membros têm perfis mostrando as suas origens e conhecimentos. Esta rede pretende acelerar encontros entre os seus membros e fomentar a discussão.
Custo: Gratuito, mas a empresa oferece serviços adicionais para as instituições.

3. LINKEDIN: http://www.linkedin.com/
Quem é para: professores, gestores e profissionais, independentemente da vocação.
Objetivo: ser o grande ponto de encontro dos profisisonais. O site está aberto a toda a gente.
Custo: Gratuito com benefícios premium pagos disponíveis aos candidatos a emprego.

4. ACADEMIA.EDU: http://academia.edu/
Para quem é: Académicos que desejam compartilhar as suas pesquisas e fornecer feedback aos colegas.
Objetivo: tornar mais fácil para os pesquisadores rastrear documentos e manter-se atualizado sobre o que os outros estão trabalhando.
Custo: Gratuito.

5. FACULTYROW: http://www.facultyrow.com/
Para quem é: Rede social de topo especialmente criada para os académicos das universidades, entre os quais um grupo de “superprofessores”.
Objetivo: permitir que os académicos compartilhem os seus perfis e fiquem em contacto através de fóruns de mensagens e vídeo.
Custo: Gratuito.

6. LORE: http://lore.com/
Para quem é: Professores, educadores e instrutores que procuram uma plataforma baseada em rede para ensinar e interagir com os alunos.
Objetivo: facilitar a aprendizagem através de uma rede básica e opções de partilha.
Custo: Gratuito.

7. MENDELEY: http://www.mendeley.com/
Para quem é: Investigadores em áreas científicas de estudo, principalmente estudantes de doutoramento que trabalham em projetos de longo prazo e em equipas.
Objetivo: Colaboração e partilha de recursos em especial na gestão de documentos e referências.
Custo: gratuito com armazenamento adicional e outras opções premium disponíveis em taxas mensais.

8. LULOOT: http://luloot.com/
Para quem é: Estudiosos que procuram promover e partilhar o seu trabalho.
Objetivo: oferecer uma rede mais tradicional social com compartilhamento de multimídia e discussão.
Custo: 99 cêntimos de dólar/ano.

9. ZOTERO: http://www.zotero.org/
Para quem é: investigadores multidisciplinares com grandes bibliotecas de notas de recursos para acompanhar.
Objetivo: fornecer ferramentas para a organização, citações e compartilhamento de informações acerca os cursos dos projectos em desenvovimento.
Custo: Gratuito.

10. GOINGON: http://www.goingon.com/
Para quem é: Campus, estudantes e professores.
Objetivo: dar aos colegas uma plataforma para a criação de redes sociais privadas que encorajam a exploração interdisciplinar e a socialização.
Custo: Variável.

Fonte: Dive Education

Cartão virtual de apresentação

A cada dia que passa a nossa presença na rede aumenta. Muitos de nós, inclusive, temos blogues pessoais, blogues especializados além de contas no Facebook, Twitter, Youtube, etc. Por causa de toda esta diversidade, pode ser interessante criar um cartão virtual que reúne toda esta informação, que pode ser utilizada como um cartão de apresentação virtual na internet.
A imaginação é o limite, mas para que a coisa não se complique muito, propomos duas ferramentas simples que nos ajudam a construir o nosso cartão de apresentação virtual.

About.me

About.me é um site mais antigo mas nem por isso menos atrativo e pode funcionar como ponto de partida para a nossa apresentação no mundo virtual, seja em termos pessoais, seja em termos profissionais, já que podemos agregar todas as nossas páginas e subscrições em todos os locais em que temos algum interesse ou atividade.

Veja o Video de presentação

All about about.me from about.me on Vimeo.

Dooid.me

Dooid.me, mais recente, é uma boa alternativa, com o vantagem de inserir algumas condicionantes em termos de privacidade.

Entramos na página e registamo-nos. Uma vez dentro, vemos um cartão que mostra as alterações que vamos fazendo. Na parte esquerda estão as opções para elaborar e desenhar os elementos do cartão.

cartão virtual

Para criar um cartão, podemos seguir a ordem dos elementos apresentados: Profile, Links, my style, share e feedback.
Ativar o botão Profile e juntamos o título e uma descrição na caixa de texto. Também podemos substituir a foto que é apresentada por defeito por uma pessoal.
Continuamos a configurar os links do cartão. A partir do botão “add service of link” adicionamos os endereços de internet que nos interessam ou procuramos o ícone correspondente ao perfil (do Facebook, por exemplo) que queremos juntar até completar a lista de ligações

Uma vez configurados todos os elementos do cartão, publicamo-lo a partir da opção “Share“. Obtemos a direcção (URL) e o código embebido, além das outras opções de partilha nas redes sociais.
Exemplo do cartão elaborado para o Professor TIC: Clique na imagem para aceder à informação.

Pinterest – organizar, partilhar e comentar imagens

Uma nova estrela parece estar a nascer na net. Só no mês de Janeiro conseguiu quase 12 milhões de utilizadores nos Estados Unidos, ultrapassando a marca dos 10 milhões de visitantes únicos por mês, tornando-se no mais rápido site da história a conseguir essa meta.
O fenómeno chama-se Pinterest [pin+interest/pregar (no quadro) + interesses] e tem um aplicativo para iPhone.
Descrito pelo site de tecnologia Techcruch como “maravilhoso e viciante”, o Pinterest tem como caraterísticas principais a organização e partilha de imagens. Basicamente, a ferramenta ajuda as pessoas a planear as suas coisas. Seja o que for. O casamento, a decoração do quarto, a organizar as receitas favoritas, uma viagem …


O conceito de partilha e comentários é semelhante ao Facebook, já que, ao se adicionar uma imagem, as pessoas podem comentar, fazer sugestões, sugerir outra imagem alternativa, etc. Se uma noiva coloca no seu mural uma foto das flores que pretende ter na festa de casamento, por exemplo, a mãe e as amigas podem comentar e outras pessoas que gostam de flores podem também adicionar a imagem às suas pastas particulares. Essa dinâmica funciona com qualquer imagem.
Para participar da rede, é necessário um registo. Neste momento, devido ao sucesso espantoso da iniciativa, é preciso pedir um convite. É-lhe solicitado o email e, depois o site envia-lhe a autorização de acesso. Se já tiver um amigo(a) que possua convite, peça-lhe para lhe enviar um. Essa parece ser a forma mais rápida para ter uma conta neste momento
Numa primeira fase, o Pinterest sugere uma lista de interesses (arte, arquitetura, carros, design, etc.) e sugere pessoas com as mesmas preferências. Depois disso, é começar a construir o seu mural.

50 aplicações online e sites a ter em conta

O mundo das aplicações é, realisticamente, infinito. Por mais que pensemos que já vimos tudo, há sempre novas e velhas aplicações, umas que nos passaram ao lado, outras a que não demos a devida importância e ainda outras que vão aparecendo constantemente.
A lista que se segue é só mais uma lista de onde poderemos tirar boas ideias para aplicarmos conforme as nossas necessidades.

Blogues

  1. Blogger – Para blogues, grátis..
  2. Movable Type – software pago, precisa de um servidor.
  3. TypePad – software pago, precisa de um servidor.
  4. WordPress.com – Para blogues, grátis.
  5. WordPress.org – software gratuito, precisa de um servidor.
  6. Tumblr– Para blogues, grátis.

    Microblogues

  7. BrightKite – telemóveis (celulares), localização..
  8. FriendFeed –  agregador.
  9. Identi.ca – código aberto.
  10. Jaiku – telemóveis (celulares).
  11. Posterous – microblogue e envio para outros sites.
  12. Pownce – microblogue e partilha de ficheiros.
  13. Plurk – microblogue e conversas banais.
  14. Seesmic – video microblogue.
  15. Twitter – microblogue e telemóveis (celulares).
  16. Utterz– microblogue e telemóveis (celulares) e  video.

    Partilha de marcadores (bookmarking)

  17. Delicious – bookmarking.
  18. Diigo– bookmarking.
  19. Sphinn – bookmarking/votações.
  20. StumbleUpon– bookmarking e navegação.

    Sites com notícias de carácter social

  21. Digg – notícias.
  22. Mixx – notícias.
  23. Reddit– notícias.

    Redes Sociais

  24. Facebook – geral.
  25. Flickr – partilha de fotos e video.
  26. Last.fm – partilha de música.
  27. LibraryThing – livraria.
  28. LinkedIn – rede social e profissional.
  29. MySpace – geral.
  30. Ning – rede social aberta.
  31. Pandora – partilha de música.
  32. Yelp– classificação de restaurantes e negócios.

    Úteis e diversas

  33. Twitter Search (antigo Summize) – pesquisa o que interessa.
  34. Picnik – edição gratuita de fotos online. Bom para criar avatars.
  35. Evernote – Ambiente de trabalho online e sincronização de dados guardados.
  36. Upcoming.org – site de partilha de Eventos. (bom para encontrar boas conferências).
  37. Netvibes – página inicial da web.
  38. Twingly – pesquisa de blogues.
  39. Compete – análise de sites.
  40. AideRSS – classificador de posts dos bloguesrates your blog posts.
  41. Skitch– captura de ecrã (mac).

    Plataformas de Video

  42. Blip.tv – alojamento de video, partilha.
  43. Google Video – alojamento de video, partilha.
  44. Viddler – alojamento de video, partilha.
  45. Vimeo – alojamento de video, partilha.
  46. YouTube – alojamento de video, partilha.
  47. Mogulus – alojamento de video, partilha.
  48. uStream.tv – alojamento de video, partilha.
  49. BlogTV – alojamento de video, partilha.
  50. ooVoo – chat com video direto.

Como proteger os filhos contra as ameaças sociais no Facebook

Proteger os filhos contra as ameaças sociais no Facebook é, a cada dia que passa, uma das principais preocupações de pais, encarregados de educação e outros educadores. A pensar no problema, a Check Point ® Software Technologies Ltd , líder mundial em segurança na Internet, anunciou um novo produto destinado segurança nas redes sociais, denominado ZoneAlarm ® SocialGuard. O novo software foi projetado para os pais que querem proteger os seus filhos contra as ameaças sociais no Facebook, como os predadores online, intimidadores, cortado contas e ligações maliciosas. O SocialGuard permite aos pais monitorizar as contas Facebook dos seus filhos prevenindo-os contra conteúdo ilícito, atualizações de status, lançamentos de mensagens no mural, mensagens e pedidos de amizade, dando-lhes, em tempo real, alertas quando a atividade suspeita é detetada. O ZoneAlarm SocialGuard já está disponível e pode ser comprado no site da ZoneAlarm:

“Temos visto exemplos, do mundo real, as consequências das ameaças sociais, incluindo o cyberbullying. De facto, muitas pesquisas indicam que uma em cada cinco crianças de hoje tem sido vítima de ameaças sociais online “, disse Bari Abdul, vice-presidente de vendas da Check Point. ” Com o SocialGuard, estamos a oferecer aos utilizadores do Facebook uma maneira simples de abraçar as redes sociais de forma segura. Para os pais, é sobre como proteger os seus filhos das ameaças sociais lá fora, respeitando a sua privacidade e promovendo a comunicação aberta.”

O ZoneAlarm SocialGuard permite aos pais monitorizar todas as atividades na conta Facebook do filho onde quer que eles a utilizem, incluindo PCs, Macs, iPads e outros dispositivos móveis. Com o mapeamento do perfil de comunicação, pedidos de amizade dentro da conta monitorizada e usando algoritmos único para identificar ameaças, o SocialGuard vai enviar alertas em tempo real aos pais por e-mail ou através da interface SocialGuard quando uma atividade suspeita é detetada. O programa é executado silenciosamente em segundo plano, apenas alertando os pais para os perigos específicos com base nas suas configurações de segurança personalizados, palavras-chave ou categorias pré-definidas. O ZoneAlarm SocialGuard permite aos pais de proteger os seus filhos contra as ameaças sociais, respeitando a privacidade de seu filho, já que não podem ver ou comentar os posts no mural ou juntar-se às suas conversas.

As principais ameaças

SocialGuard pode monitorizar as contas Facebook das crianças para uma variedade de ameaças sociais, incluindo:

Cyberbullying – Identifica ou conteúdo impróprio ou ameaças enviados para uma conta no Facebook através de mensagens privadas, atualizações de status e mensagens no mural – alertando os pais quando a criança pode ser exposta a conteúdos ilícitos, tais como violência, sexo, drogas e suicídio.

Idade Falsa – Deteta relatórios falsos de idades através de pesquisa avançada e digitalização, garantindo que as crianças não são assediadas por adultos fora de suas redes ou aparecendo como crianças ou adolescentes.

Solicitações de Amizade – Calcula o grau de separação social, identificando e alertando os pais para estranhos fora da rede da criança.

Conta roubada – Acompanha de perto os sinais de que a conta da criança não foi invadida por estranhos, sinalizando atualizações de status não autorizadas, alterações no perfil suspeitos ou outros conteúdos explícitos na conta do utilizador.

Ligações Seguras – Deteta mensagens ofensivas ou ligações perigosas enviados em mensagens privadas, atualizações de status e mensagens no mural de forma a evitar ataques de malwares e o acesso a conteúdos inadequados.

Ver o video de apresentação