Anatronica: O corpo humano online em 3D, gratuito

Anatronica é uma ferramenta genial que nos permite estudar o corpo humano de forma interativa e em três dimensões, online. Para poder aceder a esta interessante ferramenta, apenas temos que abrir a página e clicar no botão “Start”. Temos então acesso ao corpo humano pronto a ser explorado de vários ângulos.


Esta versão funciona online, a partir de qualquer navegador, mas também existe uma extensão para utilizar com o Chrome, com a qual podemos aceder de forma mais simples e cómoda ao serviço.
O serviço está disponível em várias plataformas, Windows, Mac, Tablets Android e iPad.

Ligação: Anatronica

A tabela periódica em vídeo

The Period Table of Videos é um website que mostra 118 vídeos, um por cada elemento da tabela periódica. Os vídeos incluem uma informação introdutória, bem como algumas experiências interessantes, orientadas por uma equipa de especialistas da universidade de Nottingham, em colaboração com a BBC.
Apesar de estar já disponível uma tabela completa com os vídeos, a equipa responsável por este programa continua a atualizá-los, a fim de manter a precisão com o progresso do conhecimento científico.
Além desses vídeos de “ciência fundamental”, o sítio também mostra um conjunto de vídeos sobre moléculas, em que se explicam fenómenos como a penicilina, concreto, DDT, cafeína, morfina, ou… viagra. Diga-se de passagem que o “ar” do apresentador diz tudo sobre todos estes fenómenos. É só ver.

É de salientar que algumas das experiências, ao mesmo tempo que pretendem envolver os alunos na experimentação da química moderna, são potencialmente perigosas, pelo que todos os cuidados são poucos, e os professores têm o dever de assegurar todas as condições de segurança se as quiserem replicar.

Ligação: http://www.periodicvideos.com/

Ciência 2.0 – conhecimento em rede

O Ciência 2.0, projeto de comunicação de ciência multiplataforma, desenvolvido na Universidade do Porto, tem como objetivo fundamental promover um maior diálogo entre ciência e sociedade, abrindo ao público a possibilidade de participar com conteúdos de divulgação científica.
Astronomia, Ciência e Arte, Ciência Forense, Geologia, Física, História, Psicologia Química Saúde e Tecnologia constituem os temas do portal que pretende “comunicar a ciência em diferentes formatos e suportes”, tendo para tal estabelecido um conjunto de parcerias com órgãos de informação nacionais, para alcançar públicos mais vastos e diversificados.


Esta sinergia entre diferentes «media», afirmam os seus responsáveis, “permite trabalhar os conteúdos com níveis variados de profundidade e de forma complementar” e, assim, “com esta estratégia multimeios, tornar a ciência próxima do público e aumentar a continuidade dos conteúdos que são produzidos”.

Conhecimento em rede

A comunidade em geral é convidada a participar neste projeto através da submissão de trabalhos, sugestão de temas e ideias, colocação de questões e discussão de conteúdos.
Desta forma, pretende-se fomentar o espírito colaborativo do público assim como promover um verdadeiro “Conhecimento em rede”.
Uma viagem breve pelo portal permite-nos perceber rapidamente o alcance de algumas iniciativas, como sejam as respostas científicas a algumas questões do dia a dia, nas suas categorias de dossiês, reportagens, entrevistas, perguntas e respostas, e mitos ou verdades.
Do mesmo modo, são disponibilizados recursos educativos e alguns desafios, em espec ial na área da Matemática.
Todos os meses, é publicada uma Newsletter digital, que pode ser consultada diretamente.
Em parceria com a editora “Gradiva Publicações, S.A.”, o Ciência 2.0 está a organizar um conjunto de seis concursos subordinados ao tema “Uma ideia para ler”, que terão lugar nas redes sociais (Facebook e Google +) do projeto. Neste ano de 2013, será lançado um concurso de dois em dois meses atribuindo aos vencedores de cada passatempo um livro da coleção “Ciência Aberta”.
O projeto é co-financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) e do Programa Operacional Fatores de Competitividade (COMPETE) e por fundos nacionais através da Ciência Viva.

Ligações:

Estudante de 17 anos cria “cérebro artificial” para detectar cancro da mama

Brittany Wenger, estudante americana de 17 anos, ganhou o primeiro lugar na Feira de Ciência do Google 2012. A jovem inventou um “cérebro artificial” para detectar cancro da mama, que ataca todos os anos mais de um milhão de mulheres em todo o mundo (em Portugal são detetados todos os dias 11 novos casos, numa população de cerca de 5 milhões de mulheres). Batizada de aspiração com agulha fina”, a técnica criada por Brittany tem 99,1% de sensibilidade a um cancro.

Outra vantagem da técnica criada pela estudante é que ela é menos invasiva do que outros métodos de detecção da doença. Brittany ressalta a importância da deteção precoce do cancro da mama e diz que sua a “rede neural” – programas de computador codificados para pensarem como um cérebro – pode ajudar nessa tarefa. Esses programas observam padrões complexos e conseguem “aprender” com a observação de dados. Brittany acredita que o seu sistema será em breve utilizado nos hospitais como método de deteção da doença.
Esta ideia da jovem teve início quando ela tinha apenas 13 anos de idade, para um projeto da escola, e a encantou com a área de inteligência artificial.


Para desenvolver o trabalho premiado pela Google, Brittany Wenger usou a plataforma Java e depois armazenou os dados na “nuvem” – ou seja, armazenou na Internet de forma que eles possam ser acessados de qualquer lugar do mundo.
A dedicação e criatividade da jovem etudante tiveram os seguintes prémios:

  • Uma expedição, patrocinada pela National Geographic Expedition, às ilhas Galápagos. O vencedor do Grande Prémio, acompanhado pelos pais ou responsáveis, vai viajar a bordo do National Geographic Endeavour, durante 10 dias. O Google paga o valor do voo do vencedor e a um dos pais ou responsáveis para as Ilhas Galápagos. O prémio é válido por um ano a partir da data da concessão;
  • 50 mil dólares, oferecidos pelo Google, para ser usado em formação e estudo;
  • Uma experiência prática numa das três organizações parceiras do concurso: LEGO, CERN ou GOOGLE.
  • Um mosaico de cores pessoal LEGO;
  • Acesso digital aos arquivos de Scientific American para a escola a que pertence o aluno durante um ano.

Visitar a aplicação Cloud4Cancer Breast Cancer Detection para ver como funciona.

Ver lista dos finalistas e vencedores da Feira de Ciências Google 2012

Feira de Ciências Google desafia jovens e professores

A Feira de Ciências Google entrou na sua reta final. Os trabalhos foram recebidos até ao passado dia 1 de abril. A 21 de maio, um júri especialmente constituído, vai anunciar os 90 finalistas regionais e, algumas semanas depois, os 15 finalistas e o vencedor do prémio especial Ciência em Ação.
No dia 23 de Julho, os finalistas, originários de todo o mundo, vão viajar para a Califórnia, Estados Unidos, onde vão competir e saber quem será o grande vencedor da competição deste ano.
A Feira de Ciências Google é destinada a alunos com idades entre 13 e 18 anos para realizar investigação científica sobre uma questão ou um problema real que lhes interesse. Para participar no concurso devem enviar uma experiência, alguns registos e conclusões rigorosas.
Os estudantes competem com outros alunos da sua faixa etária, (13-14) (15-16) (17-18), de qualquer parte do mundo, para obter bolsas de estudo, estágios e experiências únicas. Também será atribuído um prémio especial denominado Ciência em Ação, patrocinado pela revista Scientific American. Este prémio será atribuído ao projeto que ofereça as melhores oportunidades de mudança viável na via dos membros de um grupo ou de uma comunidade.
Fechada que está a participação na edição deste ano, o convite está feito já para a participação na feira do próximo ano, cujo calendário será revelado no início de 2013.

Se a participação num concurso deste género é por si só aliciante, os seus prémios são um motivador inquestionável.
O vencedor do grande prémio tem à sua espera uma vasta lista de prémios, em que se destacam:

  • Uma expedição, patrocinada pela National Geographic Expedition, às ilhas Galápagos. O vencedor do Grande Prémio, acompanhado pelos pais ou responsáveis, ​​vai viajar a bordo do National Geographic Endeavour, durante 10 dias.  O Google paga o valor do voo do vencedor e a um dos pais ou responsáveis ​​para as Ilhas Galápagos. O prémio é válido por um ano a partir da data da concessão.
  • 50 mil dólares, oferecidos pelo Google, para ser usado em formação e estudo.
  • Uma experiência prática numa das três organizações parceiras do concurso:
    LEGO, CERN ou GOOGLE.
  • Um mosaico de cores pessoal LEGO
  • Acesso digital aos arquivos de Scientific American para a escola a que pertence o aluno durante um ano.

Os 15 finalistas também terão prémiso verdadeiramente fantásticos, entre os quais se conta uma uma bolsa de estudo no valor de 25 mil dólares, da Google, para cada um.

O prémio “Ciência em Ação” da Scientific American é constituído pelo financiamento de 50 mil dólares e um ano de acompanhamento do projecto do vencedor. A finalidade deste prémio é ajudar o vencedor a prosseguir a sua investigação e, se possível, desenvolver o projeto. O vencedor, assim como os pais, acompanhará os 15 finalistas na viagem à Califórnia para apresentar os projetos ao júri e receber o seu prémio.
2012 já foi. Quem se atreve para 2013?

6 sítios de Ciência para alunos e professores

Os computadores são a ferramenta perfeita para experiências científicas. Sabemos que apenas através deles é possível simular algumas que, de outro modo, poderiam ser perigosas. Os sítios que escolhemos possuem um vasto leque de informações e experiências científicas que poderão ser feitas online ou offline. A trabalhar com os alunos num ambiente à escolha. É só tentar.

1. Try Science

Try Science é um sítio que disponibiliza dezenas de experiências em áreas como química, biologia, matemática e engenharia. Podemos realizar uma excursão virtual num museu ou até mesmo ver alguns animais via webcam ao vivo. Os adultos podem apreciar os recursos para pais e professores. Além disso, há também jogos educativos.

Try science

2. How Stuff Works

O sítio How Stuff Works cobre todos os tipos de temas interessantes, nomeadamente Espaço, Ciências da Terra, Ciências da Vida e até as Ciências paranormais.
Explore tornados, a coloração do cabelo, OVNIS, radares e alunagens. O site está mais direccionado para o público mais velho – as explicações podem ser demasiado complexo para os mais jovens -, mas é um grande recurso para as famílias.

Hotstuffworks

3. The Exploratorium

The Exploratorium é um museu de ciência e arte localizado em São Francisco, Califórnia. Se a visita real é dio
fícil, através do seu sítio é possível uma visita virtual muito rica Trata-se de um recurso fabuloso e divertido para aprender ciência e experimentação. Uma das secções mais interessantes é a “Accidental Scientist”.

Exploratiorim

4. Science Toys

O Science Toys tem instruções para a elaboração de todos os tipos de maquinetas, desde uma torradeira alimentada a energia solar um rádio ou um motor eléctrico. Exigindo sempre alguma supervisão dos adultos, o sítio propõe actividades utilizando materiais baratos, recicláveis, abrindo caminho à criatividade e à experimentação.

Scitoys

5. Bill Nye

Bill Nye é um cientista, engenheiro, comediante, autor e inventor que possui um programa de televisão dedicado a divulgação científica. O seu sítio ajuda a reforçar as sugestões que experiências que realiza nos seus programas, com doses certas de bom humor.

[vsw id=”uBqohRu2RRk” source=”youtube” width=”550″ height=”400″ autoplay=”no”]

6. Science News for Kids

Science News for Kids ajuda as crianças a manterem-se atualizadas sobre as tendências científicas. Escritos de forma acessível, os artigos podem ajudar as crianças a compreender temas como o declínio da população de abelhas e como a polícia forense usa a ciência para resolver crimes. O sítio é mais apropriado para o ensino médio e superior, já que os temas são complexos demais para crianças pequenas. Todavia, pode ser uma ótima maneira para os pais aprenderem e depois poderem tirar dúvidas aos seus filhos.

Science kids

WikiCiências – Enciclopédia online em língua portuguesa

WikicienciasA primeira enciclopédia científica online em língua portuguesa (WikiCiências) dirigida a professores e alunos dos ensinos básico e secundário já está online. A iniciativa é da Casa das Ciências, um projeto da Fundação Calouste Gulbenkian para promoção da aprendizagem das ciências nos ensinos básico e secundário.

A WikiCiências, segundo o editor-chefe da publicação e professor da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, José Ferreira Gomes, contém o “léxico básico das disciplinas científicas do ensino básico e secundário, como a Matemática, a Biologia ou a Física”.

Depois de identificado o número de termos a recolher, entre 200 e 600 por cada disciplina, começaram a ser preparados textos com a colaboração de professores e investigadores do Ensino Superior.

Modelo colaborativo

A exemplo de outros projetos wiki, a WikiCiências assenta no princípio colaborativo. Os artigos ficam com indicação do autor e do editor, quem aprovou, o que funciona como certificação do texto que é apresentado. Neste momento, há 400 termos já publicados e 500 em processo de avaliação e melhoria.
O objetivo, de acordo com os responsáveis é, até ao final de 2011, disponibilizar informação sobre um milhar de termos científicos e caminhar lentamente com a introdução de milhares de entradas.

A WikiCiências é uma enciclopédia em linha com os conceitos de ciência elementar. Primariamente, é dirigida aos alunos e professores do ensino básico e secundário pelo que houve a preocupação de coligir os termos que fazem parte do glossário básico dos programas das áreas científicas. A WikiCiências tem acesso livre e todos os artigos publicados são sujeitos a uma avaliação prévia por pares sob a responsabilidade de um editor sectorial. Na fase inicial, os autores foram convidados mas o princípio da avaliação por pares foi respeitado. A partir do lançamento público, todos os artigos ficam abertos à crítica e à melhoria na perspetiva colaborativa típica da Internet.

Ciência em Língua Portuguesa

A WikiCiências pretende servir todos os interessados em ciência que pretendam usar a língua portuguesa e conta com a colaboração de investigadores, professores e estudantes para crescer, alargando o seu âmbito a temas mais avançados sendo desejável que possa abarcar, a prazo, o essencial da ciência elementar que possa servir os estudantes dos primeiros anos do ensino superior.
Os professores e especialistas são convidados a registar-se como colaboradores da WikiCiências. O registo ficará pendente até à verificação da identidade por um dos editores em exercício.

Todos os artigos alguma vez publicados na WikiCiências ficarão sempre disponíveis através da referência completa que remete para a revista homónima com ISSN já pedido. Nesta referência constarão sempre o nome ou nomes dos autores e do editor que aprovou a publicação na WikiCIências.

Portal das Ciências

O Portal das Ciências, uma iniciativa da Fundação Calouste Gulbenkian, destina-se aos professores de Ciência e surgiu na sequência da aposta da fundação de apoio à qualidade da educação em Portugal que tem envolvido quer a elaboração de conteúdos em áreas selecionadas, quer o apoio à docência ao nível da formação. Dentro desta lógica, o Portal é um veículo integrador e amplificador dos esforços atuais na utilização das tecnologias da Informação no processo de Ensino/Aprendizagem feitos por agentes muito diversos cujos resultados se encontram dispersos.
Este portal vai dar visibilidade e utilidade aos esforços de muitos docentes, reconhecendo-lhes o mérito que efetivamente têm, transformando-se num sítio web de referência para todos os professores de Ciência em língua portuguesa.
A responsabilidade da manutenção do portal, bem como a coordenação global do projeto, está cometida a um ”Gabinete Coordenador” constituído por um pequeno núcleo que também será responsável pela coordenação de toda a atividade que se gera em torno dos diferentes componentes do portal.

Recolha de materiais

O Portal das Ciências está a recolher materiais para servir os professores de ciências no ensino básico e secundário. Aos professores e investigadores que tenham desenvolvido materiais, é oferecida esta plataforma de divulgação do seu trabalho, depois desses trabalhos serem passarmos por uma avaliação científica e didática. Todos os utilizadores registados poderão:

  • Utilizar os materiais depositados, sabendo que todos foram previamente avaliados sob o ponto de vista científico e didático;
  • Encontrar endereços de outros portais relevantes, depois de analisados, escolhidos e comentados;
  • Depositar os materiais que desenvolveram, para as suas aulas, para poderem partilhar a sua utilização com outros professores;
  • Debater problemas educativos específicos;
  • Verter as suas experiências num debate alargado;
  • Procurar instrumentos de auto formação.

6 Sites gratuitos de Aprendizagem e Ensino das Ciências

Da robótica à investigação do espaço, da física à ciência da computação, a internet possui um vasto acervo de informações sobre as ciências. Recursos como a Wikipedia e o vídeo online permitem que o processo de aprender e ensinar as disciplinas de ciências seja hoje muito mais fácil do que nunca.

Ao invés de recorrer a livros didáticos em calhamaços de centenas de páginas, da próxima vez que estiver em dificuldades para compreender ou inspirar-se dê “um passeio” por estes seis sites que oferecem informações sobre as ciências.

1. Scitable

Se a genética e a evolução são de seu interesse, Scitable é o recurso que procura. Esta biblioteca científica é gratuita (paga por patrocínios de marcas) é um recurso para a aulas assim como para a aprendizagem individual.
O site é originário da Nature Publishing Group, uma respeitável editora de matérias relacionadas com a ciência.
Os utilizadores podem pesquisar temas em caminhos de aprendizagem ou construir eles próprios salas de aula online. O site tem um “pergunte ao especialista”, um equipa composta por quatro doutores que ajudam os alunos a responder às perguntas, com um tempo de retorno inferior a 48 horas.
Mais importante ainda, os artigos e informações deste site são analisados a fim de ser aferida a sua qualidade.
A não perder: Vozes Estudantis , um blog sobre ciência pelos estudantes, para estudantes.

2 – iTunes U

Mais de 600 universidades – incluindo Stanford, Yale e MIT – distribuem palestras, apresentações, PDFs, filmes, exposições e passeios audiobooks através da iTunes Store.  O U inclui também o conteúdo de estabelecimentos públicos de radiodifusão e bibliotecas públicas.

Para os educadores, o iTunes U pode ser útil para a distribuição de currículos, notas, agendas e outros documentos importantes. A secção de Ciência contém conteúdos multimédia sobre temas como agricultura, astronomia, biologia, química, física, ecologia e geografia.

A não perder: Uma série de palestras sobre entomologia, o estudo dos insectos.

3 – Space.com

Se o espaço é a sua paixão, o Space.com é o seu lugar de eleição. Este site é um repositório enorme de informações sobre os corpos celestes, incluindo as missões dos voos espaciais e tecnologias relacionadas com o espaço. Recursos multimédia permitem aos utilizadores assistir aos vídeos das erupções solares ou galerias de exibição das fotografias dos anéis de Saturno. Uma equipa de veteranos de notícias espaço também apresenta a série de vídeo semanal, “This Week in Space”.

A não perder: Calendário de eventos celestes que terão lugar em 2010.

4 – Scientific American

Com subtópicos nas categorias de ciência básica, espaço, medicina, energia, evolução e outros, o site da Scientific American é um dos recursos mais completo disponível online de aprendizagem e ensino de ciências. O site também hospeda um conjunto de blogs e podcasts de 60 segundos – complementos perfeitos para a lista de reportagens e recursos oferecidos. Não menos importante, site é a sua ligação para o conteúdo de revista Scientific American.

A não perder: Expedições

5 — PhysicsCentral

A Física é um tema de fascínio para muitos espíritos curiosos, jovens e velhos. Este site, um produto da American Physical Society, oferece recursos que ajudam os investigadores comunicar a sua paixão pela física com os alunos de todas as idades. O site Physics Central oferece um centro de informações explicando, de modo amigável, os principais “mistérios” da física no mundo que nos rodeia.

A não perder: Physics in Pictures

6 – Saber mais sobre Robôs

Para quem gosta de pôr asa máquinas a ter vida, este é o sítio ideal. Osite disponibiliza secções sobre vários tipos de robôs (aéreos, submarinos, militares, nucleares …) oferecendo noções básicas sobre o modo de funcionamento dos robôs e de quem os constrói.

A não perder: Empregos em Robótica