web 2.0 (2)

Todos os dias aparecem novas ferramentas no universo Web 2.0. Para quem não quer ficar atrás nestes domínios, o melhor mesmo é não deixar passar o comboio.
Aqui ficam três sítios para se cultivar sobre a matéria:
1 – A Wikipédia tem um excelente artigo sobre o assunto, que nos ajuda a perceber o alcance desta tecnologia. Vale a pena dar uma vista de olhos. Aqui.
2 – No directório Gotoweb2.0 podemos encontrar o que de mais significativo há. É experimentar e usar.
3 – Para quem quiser saber o que se produz em Portugal, pode ir ao Observatório Web 2.0 Portugal

Invenções e desafios

InventNow.org é um espaço em Flash especialmente elaborado para utilizadores criativos e que gostam de explorar ideias e desafios, criando as suas próprias invenções.
Áreas de interesse:
• Design: Para os utilizadores que gostam de desenhar e se interessam pela Arquitectura, Engenharia, Moda e Artes Plásticas;
• Desporto: Para os utilizadores interessados em conhecer tudo sobre os diferentes desportos e competições pelo mundo, recorrendo a jogos e desafios radicais;
• Investigação: Para utilizadores curiosos em questões científicas e que gostam de fazer novas descobertas e inventar novas soluções;
• Entretenimento: Para os utilizadores interessados em aprender tudo sobre televisão, rádio, teatro, jogos e muito mais;
• Espacial: Para os utilizadores fascinados pelo mundo das estrelas, os astronautas e os exploradores do universo, das galáxias, dos planetas e das estrelas;
• Meio Ambiente: Para os utilizadores empenhados em melhorar o nosso planeta, criando recursos e inventado novos métodos de proteger o meio ambiente.

Mapas Conceptuais (4)

Ferramentas úteis

Existem vários produtos que nos ajudam a estruturar as ideias. Entre o gratuito e altamente profissional, é uma questão de escolha e de capacidade financeira.
Para os professores recomendamos um software de código livre, gratuito, que poderá ser descarregado facilmente. Trata-se do CMAPS TOOLS.

É um software desenvolvido pelo Institute for Human Machine Cognition da University of West Florida e permite
ao utilizador construir, navegar, compartilhar e criticar modelos de conhecimento representados com Mapas Conceptuais. A ferramenta possui independência de plataforma e permite construir e colaborar de qualquer lugar na rede, internet e intranet, durante a elaboração dos Mapas Conceptuais com colegas, como também, compartilhar e navegar por outros modelos distribuídos em servidores pela Internet.
Através de uma arquitectura flexível, a ferramenta permite instalar somente as funcionalidades necessárias, adicionando mais módulos conforme a necessidade, ou na medida que novos módulos com novas funcionalidades sejam desenvolvidas. Existem versões para os vários sistemas operativos. Altamente recomendado.

Mapas Conceptuais (1)

Vamos introduzir uma ferramenta nova, pelo menos para alguns. Ao longo dos próximos posts, vamos explicar o que são, para que servem, onde podemos encontrar e trabalhar com os mapas conceptuais.

Os especialistas, quando falam de mapa de conceitos, que tiveram origem no movimento construtivista da aprendizagem, dizem que eles podem ser, simultaneamente, um recurso de auto-aprendizagem; um método para encontrar e explicitar significado para os materiais de estudo e, por fim, uma estratégia que estimula a organização do estudo.

Se os princípios são válidos para os alunos, são-nos mais para os professores, na medida em que permite aos docentes estruturar todo o seu trabalho de uma forma lógica, sequencial, organizada, não deixando pontas de fora, dando-lhes, ao mesmo tempo, uma visão global sobre toda a sua acção ao longo do ano escolar.

Os mapas conceptuais têm por objectivo representar relações significativas entre os conceitos na forma de proposições; ou seja, um mapa conceptual é um recurso de representação esquemática, através de uma estrutura bidimensional de proposições de significados conceptuais. Podem ser usados para sintetizar informação; consolidar informação a partir de diferentes fontes de pesquisa ou para “simplificar” a abordagem a problemas complexos. Podem, igualmente, ser utilizados para rever e refrescar a memória. A sua construção pode funcionar como uma interessante e eficaz estratégia de (auto) aprendizagem mas também pode ser utilizada como meio de avaliação.

Semelhante a um fluxograma, um mapa de conceitos é também uma forma de representação ou organização do conhecimento. Contudo, um mapa de conceitos vai além do esquema convencional: mostrando as relações entre os conceitos, incluindo relações bidireccionais, um mapa de conceitos é constituído por nós (normalmente círculos onde se inscrevem os conceitos) e ligações (linhas) que representam as relações entre os conceitos, através de proposições.

Uma vez concluído, um mapa de conceitos é uma representação visual gráfica de como o seu autor pensa acerca de qualquer assunto ou tópico. Ou seja, representa de forma bidimensional uma certa estrutura cognitiva mostrando hierarquias e conexões entre os conceitos envolvidos.