5 coisas que nunca devemos postar no Facebook

O Facebook está para as redes sociais como o Google para as pesquisas na Internet. Quando se utiliza a internet, de uma forma ou de outra, acabamos por divulgar dados pessoais, por vezes íntimos, e pensamos que, tendo a certeza de que as nossas configurações de privacidades estão corretamente definidas, a nossa privacidade está garantida.
O problema é que nunca sabemos quem está realmente a olhar para a nossa informação. Mil e um motivos podem fazer com que algum dos nossos amigos, por falta de cuidados de segurança, porque se esqueceu de sair do sistema, porque descarregou alguma aplicação “manhosa”, etc, tenha deixado uma porta aberta de acesso à nossa informação mais pessoal.
Por isso, por razões de segurança, sua e da sua família, há algumas informações que nunca deve colocar no Facebook.
Aqui estão 5 tipos de informação sobre a qual é preciso refletir antes de a disponibilizar online, em especial nas redes sociais:

1. Datas de nascimento

Todos nós gostamos de ser prendados, lembrados e saudados com um “Parabéns” ou um “Feliz Aniversário” pelos nossos amigos no muro do Facebook. Isso faz-nos sentir bem, sabendo que as pessoas se lembraram e importaram o suficiente para nos escreverem uma breve nota sobre o nosso dia especial. O problema é que, quando fornece essa data, está também a fornecer aos ladrões de identidade um dos 3 ou 4 pedaços de informação pessoal que é necessário para roubar a sua identidade. O melhor é não revelar nada, mas, se faz questão, deixe de fora o ano. Os seus verdadeiros amigos devem saber esta informação de qualquer maneira.

2. Relacionamentos

Se você está em um relacionamento ou não, pode ser melhor não torná-lo público.
Algum dos seus amigos podem adorar que você esteja novamente sozinho (a), que se tornou único (a). Que voltou a ser “single”.
Claro que isso pode dar a indicação que uma pessoa “voltou ao mercado” da conquista, despertando interesses adormecidos. Mas também pode indicar que uma pessoa está sozinha em casa
O melhor mesmo é deixar este campo em branco no seu perfil.

3. A sua localização atual

Há uma grande quantidade de pessoas que fazem questão de revelar onde estão em cada momento, 24 horas por dias, sete dias por semana.
O problema é que acaba de dizer a todos que está de férias (e não em sua casa). Se também adicionar quanto tempo vai estar em férias, os ladrões sabem quanto tempo têm para lhe assaltar a casa.
Por isso, a localização tem limites. Mais vale revelar o seu destino de férias à posteriori.

4. Estar sozinho em Casa

É extremamente importante que os pais se certifiquem de os que seus filhos nunca revelem o fato de que estão sozinhas em casa no seu perfil. Da mesma forma que não seria de bom senso anunciar num jornal que iria ficar sozinho (a) em casa, também não é razoável que o faça no Facebook.
Podemos pensar que só os nossos amigos têm acesso ao nosso estado, mas nós realmente não temos ideia de quem está a ler.
A melhor regra é não colocar nada no perfil ou estado que não gostaríamos que um estranho soubesse. Podemos ter as configurações de privacidade mais severas possíveis, mas se a conta do seu amigo não estiver, a sua também não estará.

5. Fotos dos filhos com nomes

Nós amamos os nossos filhos e faríamos qualquer coisa para mantê-los seguros. No entanto, hoje, mal acabam de nascer, as crianças são expostas na net com todos os pormenores, desde o nome à hora e data do nascimento. As suas fotografias viajam no mundo virtual, quando eles ainda estão no quarto da maternidade. Ora, como todos sabemos, este tipo de informação pode ser utilizada pelos predadores, de várias formas e feitios. Desde o nascimento até à adolescência, pelo menos.
Eles poderiam usar o nome do seu filho e os nomes de seus parentes e amigos para construir um clima desconfiança e convencê-los que eles não são realmente um estranho. Os predadores são especialistas em juntar “peças” e construir perfis completos a partir de dados dispersos.
Se mesmo assim entende que deve escrever o nome dos seus filhos, deve evitar escrever o nome completo, assim como outras informações pessoais como a data de nascimento, escola que frequenta, atividades que pratica e onde… etc.
Seria hipócrita se dissesse que eu próprio sigo à risca estas recomendações, (até porque, no caso dos filhos, eles já são grandinhos). Ainda mais porque, se é fácil colocar algo na rede, é muito difícil, se não impossível, eliminar por completo todos os dados que, com regularidade, vamos distribuindo na rede. Seja no Facebook, seja assinando newsletters, seja subscrevendo serviços.. etc.
É uma tarefa difícil mas, que a pouco e pouco, devemos dar a atenção devida para não sermos apanhados desprevenidos.
Por fim, pense duas vezes antes de marcar as fotos dos filhos de amigos e parentes. Eles podem não querer que você assinale os filhos pelos motivos acima mencionados. Pergunte primeiro. Ou então, para evitar quaisquer constrangimentos, envie aos seus amigos e familiares um link com as fotos onde eles estão, cabendo-lhes então a decisão de marcar, ou não, as fotos.
Mais vale prevenir do que remediar.

De qualquer maneira, vale aqui citar o ditado popular: “Faz como frei Tomás. Faz o que ele diz. Não faças o que ele faz.

Conceitos Básicos de Tecnologias de Informação e Comunicação

Conceitos Básicos de Tecnologias de Informação e Comunicação é um manual de livre acesso que mostra, com uma linguagem fácil, o essencial sobre as TIC. Atendendo ao seu interesse, aqui o disponibilizamos, na certeza de que é sempre uma ferramenta útil para os professores, na medida em que ajuda a consolidar conceitos e a entender a muitas vezes hermética linguagem das Tecnologias de Informação.

Pode ver o documento aqui: Conceitos Básicos de TIC

Elearning – Formar-se em casa

A formação online ganha cada dia mais adeptos e, em alguns países, boa parte do ensino superior é administrado por esta via.

Em termos gerais, o ensino à distância pode-se definir de acordo com as seguintes características:

– Normalmente, o professor e os alunos estão separados no espaço ou no tempo. O professor está separado dos alunos e, por sua vez, cada aluno também pode estar separado do restante grupo de aprendizagem.

– A distribuição da informação, a comunicação entre o professor e o aluno e entre os alunos é mediada por meios técnicos. Estando o professor e os alunos separados no espaço ou no tempo é necessário introduzir meios de comunicação artificiais, suportados nas tecnologias de comunicação e informação, que permitam distribuir a informação e que sustentem mecanismos de interacção entre os dois grupos de intervenientes.

– O controlo do itinerário da aprendizagem (conteúdo, tempo de estudo e ritmo) é decidido pelo aluno. A responsabilidade do controlo da aprendizagem é delegada ao aluno cabendo a este decidir os conteúdos a estudar, o tempo a dedicar ao estudo e o ritmo de aprendizagem.

– A maioria dos alunos são “adultos” com mais de 25 anos, emprego a tempo inteiro e com um elevado grau de motivação, que procuram alternativas de formação profissional.

Por esta e outras razões, o ensino à distância é cada vez mais uma opção viável, confiante que será, com certeza, o caminho mais utilizado na educação no futuro.

Num mundo em que o tempo é o bem mais precioso, o adaptar da formação às necessidades individuais, a possibilidade de estudar em qualquer lugar a qualquer hora, permite alargar os horizontes do ensino tradicional. Liberdade de estudo, flexibilidade de horários, custos reduzidos, e um fácil acesso a diversos conteúdos no país de origem ou no estrangeiro são algumas das maravilhas do e-Learning.

E Portugal, a principal instituição de ensino à distância é a Universidade Aberta. Há no entanto outras instituições onde é possível ter boa formação, nomeadamente ao nível da formação específica e contínua para professores.

A outro nível, temos o MIT (Massachusetts Institute of Technology) nos EUA, com a sua plataforma OCW (OpenCourseWare), ou as Universidades de Aveiro e Porto, em Portugal. Estas instituições fazem uso das suas plataformas de e-Learning como complemento dos seus cursos tradicionais. No caso do MIT a oferta recai sobre cursos de graduação e pós-graduação online e gratuitos, os quais, no entanto, não conferem qualquer certificado; já as duas universidades portuguesas mencionadas unem a sua oferta formativa à disponibilização online relacionada com a mesma, tendo até disciplinas leccionadas exclusivamente neste modelo de ensino.

Através de plataformas de e-Learning os alunos podem aceder a espaços específicos para cada disciplina. Nestes espaços, além dos conteúdos programáticos, têm acesso a actividades, orientação pedagógica, bem como fóruns onde podem ser discutidas diversas temáticas e ser esclarecidas dúvidas com professores e colegas.

Esta disposição global de recursos e informação, a apresentação de trabalhos em vídeo ou a criação de portfolios online, aliam-se às novas tecnologias, onde tudo se passa sem ser necessária simultaneidade de tempo e espaço entre os intervenientes, mas sem quebrar a interacção entre estudantes e entre docentes e estudantes.

No seu carácter prático, o e-Learning move-se num sentido diferente do ensino tradicional, e ainda que promova a partilha e interacção virtual não parece ser uma ameaça às universidades tradicionais. É, sim, um complemento, um novo recurso, que não substituirá de todo a relação mestre/discípulo, fundamental na aprendizagem e no crescimento pessoal.

Ver o video:

Desenhar e pintar online

Simples, gratuito, com muitas ferramentas, efeitos especiais, cores, etc. o SumoPaint é um programa disponível online que potencia as capacidades criativas de pequenos e graúdos.

O SUMOPAINT é desenvolvido em Flash, permitindo a criação e edição de imagens online. Com um ambiente de trabalho, apesar de mais simples, semelhante ao Photoshop, é bastante intuitivo com múltiplos recursos que podem fazer as delícias dos artistas.

Para ter acesso à plataforma online, que está em inglês, a primeira a coisa a fazer é registar-se. O nome e o email são suficientes. A partir daí, basta ir ao menu e clicar em “Open Sumo Paint”. Abre-se uma nova janela onde se pode desenhar e gravar os  trabalhos e, se referir, transferi-los para o seu computador. Em alternativa, pode importar uma imagem, modificá-la e voltar a gravá-la, deixando-a disponível no site, ou, em alternativa gravando-a no seu computador.

Uma comunidade permite a partilha de ficheiros, dando-nos acesso a muito bons trabalhos, realizados por utilizadores de todo o mundo.

Para os que quiserem o programa a correr no seu computador, é possível comprar o programa e instalá-lo: 19 euros. Um preço acessível para uma maior mobilidade.

Siga este link:

Sumo Paint

Elearning – ensino à distância

O ensino a distância é um modelo educacional que proporciona a aprendizagem sem os limites de espaço ou de tempo. O cenário educacional pressupõe a existência de uma separação geográfica ou temporal entre professor e alunos, a utilização da tecnologia como instrumento de distribuição e de comunicação educacional e o controlo da aprendizagem pelo aluno.

O ensino a distância tem como objectivo promover a educação nos locais e nos horários mais convenientes para o aluno, destinando-se essencialmente a “adultos” dotados de maturidade e motivação suficientes para imporem a si próprios um regime de auto-aprendizagem.

Não se pense, no entanto, que o ensino à distância é coisa recente. Hoje, as tecnologias dão-lhe outra dimensão. O conceito já tem muitos anos. Veja-se o video “Gerações do ensino a Distância

[vsw id=”Y5HGdARsbKQ” source=”youtube” width=”600″ height=”481″ autoplay=”no”]

Fonte: Evandro Morgado