10 maneiras de utilizar o Youtube na sala de aula

O YouTube acaba e lançar um canal dedicado aos professores. Intitulado YouTube Teachers, o canal tem como finalidade facilitar a partilha e o acesso dos professores a recursos multimedia que poderão ser utilizados nas suas aulas.
A inscrição no novo canal, é um processo muito simples onde se pede, além do nome e do email, o nível de ensino e a área de especialização.
Este novo serviço está ligado e vem complementar o espaço do Youtube dedicado às questões Educativas: YouTube EDU.

Além da disponibilização de espaço para colocação e partilha de videos, o Youtube teachers sugere aplicações, online ou baseadas no próprio PC ou Mac,  indispensáveis para a realização dos filmes, tipos de video que podem ser produzidos, assim como dicas preciosas para a produção.

A abrir a página deste novo espaço, está uma apresentação com “10 maneiras de utilizar o Youtube na sala de aula“.
A não perder.

 

50 aplicações online e sites a ter em conta

O mundo das aplicações é, realisticamente, infinito. Por mais que pensemos que já vimos tudo, há sempre novas e velhas aplicações, umas que nos passaram ao lado, outras a que não demos a devida importância e ainda outras que vão aparecendo constantemente.
A lista que se segue é só mais uma lista de onde poderemos tirar boas ideias para aplicarmos conforme as nossas necessidades.

Blogues

  1. Blogger – Para blogues, grátis..
  2. Movable Type – software pago, precisa de um servidor.
  3. TypePad – software pago, precisa de um servidor.
  4. WordPress.com – Para blogues, grátis.
  5. WordPress.org – software gratuito, precisa de um servidor.
  6. Tumblr– Para blogues, grátis.

    Microblogues

  7. BrightKite – telemóveis (celulares), localização..
  8. FriendFeed –  agregador.
  9. Identi.ca – código aberto.
  10. Jaiku – telemóveis (celulares).
  11. Posterous – microblogue e envio para outros sites.
  12. Pownce – microblogue e partilha de ficheiros.
  13. Plurk – microblogue e conversas banais.
  14. Seesmic – video microblogue.
  15. Twitter – microblogue e telemóveis (celulares).
  16. Utterz– microblogue e telemóveis (celulares) e  video.

    Partilha de marcadores (bookmarking)

  17. Delicious – bookmarking.
  18. Diigo– bookmarking.
  19. Sphinn – bookmarking/votações.
  20. StumbleUpon– bookmarking e navegação.

    Sites com notícias de carácter social

  21. Digg – notícias.
  22. Mixx – notícias.
  23. Reddit– notícias.

    Redes Sociais

  24. Facebook – geral.
  25. Flickr – partilha de fotos e video.
  26. Last.fm – partilha de música.
  27. LibraryThing – livraria.
  28. LinkedIn – rede social e profissional.
  29. MySpace – geral.
  30. Ning – rede social aberta.
  31. Pandora – partilha de música.
  32. Yelp– classificação de restaurantes e negócios.

    Úteis e diversas

  33. Twitter Search (antigo Summize) – pesquisa o que interessa.
  34. Picnik – edição gratuita de fotos online. Bom para criar avatars.
  35. Evernote – Ambiente de trabalho online e sincronização de dados guardados.
  36. Upcoming.org – site de partilha de Eventos. (bom para encontrar boas conferências).
  37. Netvibes – página inicial da web.
  38. Twingly – pesquisa de blogues.
  39. Compete – análise de sites.
  40. AideRSS – classificador de posts dos bloguesrates your blog posts.
  41. Skitch– captura de ecrã (mac).

    Plataformas de Video

  42. Blip.tv – alojamento de video, partilha.
  43. Google Video – alojamento de video, partilha.
  44. Viddler – alojamento de video, partilha.
  45. Vimeo – alojamento de video, partilha.
  46. YouTube – alojamento de video, partilha.
  47. Mogulus – alojamento de video, partilha.
  48. uStream.tv – alojamento de video, partilha.
  49. BlogTV – alojamento de video, partilha.
  50. ooVoo – chat com video direto.

As vantagens de trabalhar na nuvem

Tradicionalmente, para podermos trabalhar com um computador é sempre necessário instalar uma série de aplicações, proceder à suas atualizações e, pior do que isso, pagar. Por isso, trabalhar “na nuvem“, para usar o termo inglês que hoje mais força ganha na internet, é o destino provável dos computadores e toda a panóplia de equipamentos que, de uma forma ou de outra, nos ligam ao mundo virtual.

Para perceber bem o que é esta coisa de trabalhar na nuvem, sugerimos este video. Infelizmente está em inglês, mas … enfim.. como é que se pode navegar na net sem perceber alguma coisa da língua cada vez mais universal?

[vsw id=”ae_DKNwK_ms” source=”youtube” width=”425″ height=”344″ autoplay=”no”]

Versão portuguesa

[vsw id=”2t4W2drLqm4″ source=”youtube” width=”425″ height=”344″ autoplay=”no”]

E para que não nos fiquemos pelo palavreado, aqui vão alguns links para experimentar a nuvem. Umas mais claras, outras mais escuras, umas mais pesadas outras mais leves, umas mais fáceis outras mais difíceis, mas, com certeza inevitáveis. O nosso futuro há-de passar por elas.

 

CloudMe

Zoho

GoogleDocs

Office Web

Think Free Online

iCloud

 

10 sites fundamentais para qualquer professor

1o sites fundamentais para professores corresponde a uma escolha sobre o que de mais significativo existe em Portugal em matéria de recursos educativos online. Da Ministério da Educação às universidades, passando por algumas associações profissionais, as nossas 1o escolhas procuram fornecer um leque alargado de espaços virtuais onde os professores podem, de forma livre e gratuita, aceder a um vasto conjunto de conteúdos e espaços de discussão. A não perder.

1 — TIC na Educação

01tic educa

Equipa de Recursos e Tecnologias Educativas / Plano Tecnológico da Educação (ERTE/PTE) é uma equipa multidisciplinar, à qual compete genericamente conceber, desenvolver, concretizar e avaliar iniciativas mobilizadoras e integradoras no domínio do uso das tecnologias e dos recursos educativos digitais nas escolas e nos processos de ensino -aprendizagem, incluindo, designadamente, as seguintes áreas de intervenção:

  1. Desenvolvimento da integração curricular das Tecnologias de Informação e Comunicação nos ensinos básico e secundário;
  2. Promoção e dinamização do uso dos computadores, de redes e da Internet nas escolas;
  3. Concepção, produção e disponibilização dos recursos educativos digitais;
  4. Orientação e acompanhamento da actividade de apoio às escolas desenvolvida pelos Centros de Competências em Tecnologias Educativas e pelos Centros TIC de Apoio Regional.

2 — Biblioteca Digital do Ministério da Educação

02biblioteca digital
A Biblioteca Digital é composta essencialmente pelos recursos editados pela DGIDC – Direcção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular e pelas Direções-Gerais que a antecederam, e tem como principal objetivo a disponibilização de obras integrais, para leitura gratuita.

3 — Biblioteca Digital da Universidade do Minho

03Uminho bibli
A Biblioteca Digital engloba um relevante conjunto de recursos bibliográficos de suporte às actividades de ensino, investigação e aprendizagem:

  • Catálogo: permite efectuar pesquisas bibliográficas no fundo documental dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho. É possível saber no momento se o documento que procura está disponível na estante, efectuar online um pedido de reserva, em caso de indisponibilidade, e renovar o prazo dos empréstimos efectuados.
  • RepositóriUM: repositório institucional das publicações produzidas no âmbito da actividade científica e académica da Universidade do Minho. O objectivo do RepositóriUM é armazenar, preservar, divulgar e dar acesso à produção intelectual da Universidade do Minho em formato digital e maximizar a visibilidade, uso e impacto da sua investigação através do Acesso Livre.
  • Portal b-on: ferramenta de pesquisa de informação científica, que facilita a pesquisa simultânea em diversos recursos informativos assinados pelo consórcio nacional b-on.
  • Bases de dados: lista dos recursos bibliográficos pesquisáveis via Web, como bases de dados de referência bibliográfica, de texto integral, editoras de revistas, colecções de ebooks, obras de referência. Inclui recursos subscritos de acesso restrito à rede UMinho e recursos de acesso livre na web seleccionados pelos SDUM.
  • A-to-Z eRevistas/eBooks: lista dos títulos de livros e de revistas científicas acessíveis electronicamente em texto integral, total ou parcialmente, dependendo da cobertura temporal assinada.
  • Edições Digitais: edições em fac-símile e outras versões de monografias caídas em domínio público sobre a região do Minho e suas personalidades.

 

4 — Portal das Escolas

04portal escolas
O Portal das Escolas é o sítio de referência das escolas e constitui a maior rede colaborativa em linha da educação em Portugal.
O Portal das Escolas destina-se às comunidades educativas da Educação Pré-Escolar e dos ensinos Básico e Secundário, designadamente a docentes, a alunos, a pais e a encarregados de educação e a não docentes.

5 — Centros de Competência TIC

05CCTIC
Os Centros de Competência TIC (CC TIC) compreendem, ao momento, oito instituições que resultam de protocolos estabelecidos entre o Ministério da Educação, e as entidades em que estão integradas, na sua maioria instituições do ensino superior. A saber:

 

6 — Centro Virtual Camões

06logoic
Sítio na Internet do Instituto Camões para apoio ao ensino e aprendizagem do português, bem como para a divulgação da língua e cultura portuguesa.

7 — Read Ciências

07readciencias
Base de dados sobre recursos para o ensino, aprendizagem e divulgação das ciências, elaborada no Departamento de Física da Universidade de Coimbra, no âmbito de um programa de mestrado em Ensino da Física. As informações sobre recursos educativos (livros, software, vídeos, etc.) estão acessíveis “online” aos interessados. O projeto está aberto a todas as contribuições, nomeadamente das editoras, sendo a base de dados completada à medida que essas informações forem chegando.

8 — Associação de Professores de Matemática

08logo apm
A Associação de Professores de Matemática (APM) é uma associação portuguesa de professores ligados à educação matemática, que abrange todo o território nacional e todos os níveis de escolaridade, do ensino pré-escolar ao Ensino Superior.
Os seus objectivos são:

  • Promover o desenvolvimento do ensino da Matemática a todos os níveis;
  • Estimular o intercâmbio de ideias e de experiências entre as pessoas que se interessam pelos problemas da aprendizagem desta disciplina;
  • Apoiar e divulgar actividades relevantes para a aprendizagem da Matemática;
  • Promover a participação ativa dos professores de Matemática de todos os graus de ensino na discussão e implementação de novas práticas pedagógicas;
  • Fomentar o seu interesse e participação em projectos de investigação e de inovação pedagógica;
  • Intervir na definição da política educativa, especialmente no que respeita aos problemas do ensino da Matemática.

9 — Associação dos Professores de História

09logo aphistoria
Associação de Professores de História é uma associação científico-pedagógica de professores de História de todos os ciclos e graus de ensino e tem os seguintes objectivos:
em como objetivos::

  • Promover a formação contínua dos professores nas vertentes científica e pedagógico-didáctica;
  • Contribuir para a abertura de novos campos de experiência e inovação no ensino da História;
  • Desenvolver projectos de investigação/acção no âmbito da Educação Histórica;
  • Incentivar a Educação Patrimonial;
  • Participar de forma interventiva no debate sobre Educação, através do contributo da História;
  • Proporcionar contactos e trocas de experiências entre professores e outros agentes ligados ao ensino da História;
  • Estabelecer uma rede de relações com outras associações e entidades nacionais e estrangeiras ligadas ao ensino da História.

10 — APPI – Associação Portuguesa de Professores de Inglês

10APIngles
A Associação Portuguesa de Professores de Inglês — APPI é uma associação de professores ligados ao ensino da língua e da cultura dos países de expressão inglesa, com personalidade jurídica e sem fins lucrativos, que abrange todo o território nacional e todos os níveis de escolaridade.

Aprender com os filmes

Apesar de estarem sempre à mão, ou quase, a utilização dos filmes como recursos de aprendizagem nem sempre é feita de uma forma coerente. Sugerimos o site Film Education que, de uma forma clara, nos dá uma nova perspetiva de como os professores podem utilizar o cinema para dar às suas aulas outra dimensão, utilizando de uma forma racional um recurso que faz parte da cultura contemporânea, a partir da mais tenra idade.

O cinema é, sempre foi, um instrumento privilegiado de divulgação, de conhecimento, de saberes, de informação, de vivências. Os filmes revelam-se como ferramentas poderosas que ajudam os alunos a compreender e a aceder ao mundo e outros mundos, reais ou imaginários.
Incentivar os jovens a aprenderem através da visualização, cultivando o seu sentido crítico, e desenvolvendo as suas capacidades de discernimento, análise e de apreciação é uma tarefa que está no topo dos objetivos da Film Education, uma associação sem fins lucrativos localizada no Reino Unido.
O site da Film Education oferece recursos de ensino premiados, de formação de professores e de utilização de filmes como suporte curricular.

A Film Education foi fundada há 25 anos e conta com a participação de inúmeras produtoras cinematográficas britânicas, tendo como objetivo principal, não apenas utilizar os filmes como recursos educativos, de uma forma genérica, mas também trabalhar na melhoria da qualidade da cultura cinematográfica dos estudantes.
No Reino Unido, participam anualmente nas ações da Film Education mais de 450 mil crianças, nomeadamente através da realização da Semana Nacional de Cinema na Escola.
Parte dos recursos são de acesso gratuito, em que se conta uma vasta gama de áreas do currículo e clipes de filmes, notas para os professores e atividades.
A isso, junta-se uma filmoteca com uma grande variedade de filmes, acompanhados de fichas de atividades e trabalho, tanto para o professor como para os alunos.

Para cada filme, o site disponibiliza um conjunto de recursos, em que se conta a visualização de extratos do filme, atividades diversas e um guia para o professor.

Ver, por exemplo o trabalho feito com o filme O Discurso do Rei

3 sites imperdíveis para professores de línguas e não só

Já aqui falamos em vários sites para aprendizagem de línguas. Hoje, propomos 3 sites especialmente vocacionados para os professores utilizarem como ferramenta de promoção de aprendizagem de línguas. Sítios imperdíveis que, de uma forma simples, promovem o desenvolvimento de várias competências linguísticas.

1. LINGT

Lingt logo
Com o Lingt o professor pode criar páginas de tarefas online incorporando áudio, vídeo, texto e imagens. Os alunos, depois de responderem individualmente, enviam o resultado ao professor para avaliação. O programa permite criar tarefas em que alunos podem praticar compreensão de áudio e também treinar a pronúncia gravando sua própria voz.

Ver tutorial:

http://www.youtube.com/watch?v=y4nJcsamTlM&feature=player_embedded

Como utilizar com os alunos:
  • Criar tarefas para a prática de compreensão de áudio, pronúncia e escrita.
  • Criar avaliações orais que podem ser feitas em casa pelo aluno.
  • Incorporar áudio e vídeo às suas tarefas.
  • Treinar os alunos para exames internacionais dando auxílio individual.
  • Treinar diálogos com os alunos em que o professor grava as perguntas para que o aluno grave as respostas.
  • Criar ditados em que o professor grava um texto e o aluno deve escrevê-lo.
  • Criar tarefas em que o alunos após assistir a um vídeo, deve responder por escrito a perguntas de compreensão.
  • Após assistir a um vídeo, o aluno pode gravar a sua opinião utilizando a língua-alvo.

2. VOICETHREAD

Voicethread
Versatilidade é a palavra de ordem para a plataforma Voicethread. O site permite a criação de apresentações utilizando imagens próprias, vídeos e textos, permitindo a interação através de comentários escritos ou gravados com microfone ou webcam. O site é ideal para a criação de projetos conjuntos (com outros grupos e escolas) já que os alunos podem gravar os seus comentários a partir de qualquer computador que tenha acesso à internet.

Como utilizar com os alunos:
  • Peça aos alunos para selecionarem fotos que tenham significado para eles e gravar comentários sobre cada uma. Ao pedir para que os alunos criem os textos antecipadamente, pode-se trabalhar a escrita com mais acuidade com a ajuda e correção do professor. Na sala de aula, em pares, podem treinar a leitura do texto, trabalhando a pronúncia, ritmo e clareza antes de gravarem os textos.
  • Alunos com máquina fotográfica, podem tirar fotos das suas casas, bairros, amigos, familiares e descrevê-los.
  • Usar duas fotos numa apresentação e pedir para que os alunos digam, gravando, qual a ligação entre elas.
  • O professor pode usar a apresentação com alunos do ensino básico para que eles gravem um texto respondendo a perguntas pessoais trabalhadas em sala de aula. Na aula seguinte, o professor pode usar as gravações para exercício de compreensão de áudio.
  • Adicionar à apresentação fotos de pessoas dialogando e pedir que os alunos criem diálogos para os personagens. (trabalho em pares)
  • Pedir aos alunos que criem um tour virtual de algum lugar escolhido com imagens, vídeos e fala.
  • Utilizar alguma foto polémica ou marcante e pedir para que os alunos gravem as suas opiniões sobre os eventos.
  • Pedir aos alunos que criem histórias digitais a partir de desenhos feitos e digitalizados por eles.
  • Utilizar imagens de jornais atuais e pedir que as comentem. Ou mesmo que aos alunos criem apresentações com uma notícia onde eles mesmo podem narrar o acontecido.

3. FOTOBABBLE

Fotobabel logo no tagline
Com o Fotobabble é possível adicionar uma narração a uma foto ou imagem à escolha. Em primeiro lugar, adicionamos uma uma foto ou imagem nossa ao site para então gravar uma narração utilizando o microfone.
Após a gravação, pode-se compartilhar seu fotobabble ou publicando-o através do código de incorporação (embed code).

Ver exemplo:

Como utilizar com os alunos:
  • Ditado falado: escolher uma imagem pertinente ao texto que irá gravar e compartilhar com os seus alunos através de e-mail ou class blog. Os alunos devem ouvir e transcrever o texto que deverá ser entregue ao professor na aula seguinte.
  • Pedir aos alunos que criem mensagens para enviar para os pais por e-mail. Ex: dia da mãe, dia do pai, etc.
  • Pedir aos alunos que gravem textos sobre variados tópicos:
    — o meu melhor amigo: foto e descrição do amigo
    — o meu quarto / o meu quarto dos sonhos: alunos gravam a descrição.
    — preparação de exames…
    — o meu animal de estimação: foto e gravação.
    — a minha família
    — o meu filme favorito.
  • Utilizar as gravações para exercícios de compreensão de áudio ou para avaliação da pronúncia de seus alunos.
Fontes:
http://lingtlanguage.com/
http://voicethread.com/
http://www.fotobabble.com/
http://lifefeast.blogspot.com/
http://www.blogtalks2008.blogspot.com/

8 plataformas gratuitas para ensinar e aprender online

Cada vez mais escolas e universidades estão a recorrer a plataformas online para ensinar e cativar os seus alunos de forma interativa. Não se pense no entanto que o recursos a essas plataformas exigem custos elevados. Antes pelo contrário. Sugerimos aqui oito plataformas gratuitas que dão outra dimensão ao processo de ensino aprendizagem.

1 – Moodle

Apesar de já haver muita gente que considere que o Moodle já deu o que tinha a dar, esta plataforma continua a ser interessante e uma das preferidas das instituições de ensino. Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (Moodle) é um software livre, de apoio à aprendizagem, executado num ambiente virtual. O programa é disponibilizado livremente e pode ser instalado em diversos ambientes (Unix, Linux, Windows, Mac OS) desde que os mesmos consigam executar a linguagem PHP. É desenvolvido colaborativamente por uma comunidade virtual, que reúne programadores e desenvolvedores de software livre, administradores de sistemas, professores, designers e utilizadores de todo o mundo. Encontra-se disponível em diversos idiomas, inclusive em português.

Muitas instituições de ensino (básico e superior) e centros de formação estão adaptando a plataforma aos próprios conteúdos, com sucesso, não apenas para cursos totalmente virtuais, mas também como apoio aos cursos presenciais. A plataforma também vem sendo utilizada para outros tipos de atividades que envolvem formação de grupos de estudo, treino de professores e até desenvolvimento de projetos.

2 – ATutor

ATutor é um (LCMS) Learning Content Management System, ou Sistema de Gerenciamento de Conteúdo de Aprendizagem Baseado em Web, Open Source planeado com acessibilidade e adaptabilidade em mente. Os administradores podem instalar ou atualizar o ATutor em minutos. Os Educadores podem rapidamente montar, empacotar, redistribuir os conteúdos instalados e conduzir os seus cursos online. Os estudantes estudam num ambiente de aprendizagem adaptativo.
A plataforma ATutor adotou as especificações de empacotamento de conteúdo IMS/SCORM, permitindo que professores, instrutores e tutores criem conteúdo reutilizável, o qual pode ser compartilhado entre diferentes LCMS. O conteúdo criado noutros sistemas compatíveis com o padrão SCORM pode ser importado para o ATutor e vice-versa, o que se torna uma vantagem muito grande, nomeadamente pelas possibilidades de partilha entre diferentes sistemas.

3 – Claroline

Claroline é uma ferramenta de Ensino a Distância (EaD) e de trabalho colaborativo (Licence GNU|GPL). (Ferramenta de Ensino a Distância (EaD) Open source) que permite às instituições criar e administrar informações online
A ferramenta pode ser descarregada gratuitamente pela internet. É utilizada em 84 países e traduzida em mais de trinta idiomas.

4 – Udemy

Udemy.com é também uma ferramenta de ensino à distância, mais recente, que nos permite criar cursos na web com a possibilidade de adicionar apresentações, vídeos e blogs. Os utilizadores podem inscrever-se recebendo o material correspondente, permitindo participar de forma ativa e, inclusive, divulgar o conteúdo nas redes sociais.

Uma das funções mais interessantes que a plataforma nos oferece é a possibilidade de emitir vídeo ao vivo, mostrando aos alunos e professor em tempo real dentro de um painel de comunicação muito intuitivo.

5 – RCampus

RCampus é um Sistema de Gestão da Educação abrangente online e gratuito que aposta num ambiente de aprendizagem colaborativa.
No RCampus, é possível fazer todos os trabalhos relacionados com a escola, nomeadamente a construção de sites pessoais e de grupo e a implementação de cursos, ePortfolios, comunidades académicas, etc. O RCampus fornece todas as ferramentas que se esperam num ambiente online, nomeadamente a publicação de trabalhos, fóruns de discussão, vídeos, imagens, links, recolha as tarefas e avaliação.

6 – P2PU – Peer 2 Peer Universidade

Peer 2 Peer Universidade (P2PU) é uma comunidade online de pessoas que compartilham os seus conhecimentos através de cursos de nível-universitário. Especialistas oferecem o seu tempo e recursos para criar e disponibilizar os cursos nas suas áreas de especialização. Os cursos e os seus materiais associados são livres. No entanto, as matrículas em cada curso são limitadas a fim de proporcionar um ambiente facilitador que permita uma interacção significativa.
Alguns dos cursos agora disponibilizados:

  • Espanhol 123
  • Conflict Resolution
  • Local Open Govt. Innovation
  • Introducción a la Innovación
  • Creative Commons 4 Educators
  • Learn Python the Hard Way
  • Algorit.y Estructuras de datos
  • Español para extranjeros
  • Online Maps with OpenLayers
  • Mathematics Curriculum Development
  • Alt Text & Universal Design

7 – eDhii

eDhii é um serviço que permite criar ou fazer cursos de auto-estudo online. Os criadores dos cursos podem oferecer seu conteúdo gratuitamente ou cobrar uma taxa pelo seu conteúdo. O princípio básico é de que qualquer pessoa que tenha um determinado tipo de conhecimento pode e deve ensinar. A plataforma fornece as ferramentas para isso. A decisão de cobrar ou não pela formação depende então do formador.
O conteúdo do curso podem incluir textos, imagens e vídeos. O site da plataforma disponibiliza uma lista dos cursos disponíveis.

Atualização, Março 2013: Esta plataforma foi desativada. O site está inativo.

8 – Learnopia

Learnopia é um serviço gratuito que oferece hospedagem para os cursos on-line. É também um lugar onde podemos encontrar e fazer cursos online.
A exemplo da plataforma anterior, há cursos gratuitos e outros pagos. A diferença é que se um formador disponibiliza o seu curso gratuitametne, o alojamento também é gratuito. Nos outros casos, o site cobra uma comissão de 25% por cada venda de curso.

web2.0 (3)

Algumas das ferramentas mais interessantes da chamada web2.0 são as redes sociais. Muita gente já possui um perfil em alguma das mais famosas redes.

Assim, destacamos:
Aplicações dedicadas à criação e à dinamização de redes sociais (social networking) – Blogger, WordPress, Blog Sapo, Hi5, Facebook, Windowslive, Messenger;

  1. Ferramentas de escrita colaborativa – Blogs, Wikis, Podcast, Google Docs, Zoho, MINDOMO (processamento de texto, apresentações e folhas de cálculo);
  2. Instrumentos de comunicação online – Skype, Messenger, Voipbuster, Google Talk;
  3. Repositórios de partilha de vídeos (YouTube, Yahoo Videos), de músicas (LimeWare) e de ficheiros – Folder Share, Adrive, Techmagazine,
  4. Aplicações sociais de Bookmarking, como o Del.icio.us;
  5. Espaços de trabalho colaborativoCreatly, Boxnet, Webtools4u2use;
  6. Áreas dedicadas à criação de páginas de Internet (WebNode, Jimdo, Google Sites).

(Adaptação de documento da autoria de Evandro Morgado)