Thinglink: documentar imagens com ligações

Ontem falei de um sítio para adicionar balões de fala e pensamento a imagens. Hoje trago uma ferramenta que dá alguns passos em frente: Trata-se do Thinglink, uma plataforma online que permite inserir vídeos e outras ligações a imagens.
Primeiro é preciso registar-se, o que pode ser feito através da conta Facebook ou Twitter. além do mais, aqui podemos adicionar colaboradores ao nosso trabalho, o que a torna uma ferramenta muito mais completa e com muito mais potencialidades, nomeadamente pata trabalho colaborativo ou em sala.

thinglink_frontpageUma vez registado começamos por criar um mural. Para isso, carregamos uma imagem. Depois, marcamos os pontos interativos que nos vão redirecionar para as ligações, e juntar uma breve descrição do que queremos. Os pins interativos podem ter cores e formatos diferentes para os diferenciar das ligações.

A sua utilização como ferramenta educativa são inegáveis:
  1. Numa única imagem podemos instalar todas as ligações para todos os recursos que queremos que os alunos verifiquem.
  2. Podemos trabalhar as competências linguísticas, juntando pontos para que os alunos descrevam, coloquem títulos ou traduzam.
  3. Pode servir para que os alunos publiquem um trabalho sobre um determinado tema, inserindo apresentações, esquemas e tudo o que desenharem.
  4. Marcar num mapa pontos de interesse, juntando imagens ou vídeos.
  5. Apresentar um assunto.
Ver o slideshow da ferramenta:

Kit de vectores para criar infografias

Boas infografias exigem bons elementos gráficos. Como tal, Há que ter sempre à mão sítios onde seja possível, de forma fácil e, sempre que possível, gratuitamente, descarregar elementos gráficos que “embelezem” e tornem a infografia apelativa, legível e objetiva.

No site Gfxtra são disponibilizados inúmeros recursos de acesso reservado mas fácil especialmente bons para infografias.

Clique na imagem para aceder.

Gfxtra front
Ligação: Gfxtra

O site Medialoot disponibiliza muitos tipos de elementos vectoriais, como símbolos horários, mapas, gráficos diversos, que podem ser descarregados gratuitamente.

Clique na imagem:

Kit de vectores para infografias

Ligação:Medialoot

As tabuadas dos 6, 7, 8 e 9 na ponta dos teus dedos

A memorização das tabuadas é sempre um processo complicado e, por vezes doloroso. Ao fim e ao cabo, apesar dos esforços e das técnicas que cada professor possa desenvolver, cada aluno, cada pessoa, tem de encontrar a melhor estratégia, em especial para as tabuadas dos dígitos mais altos, 6, 7, 8 e 9.
Encontrei na internet uma técnica curiosa, original, de que nunca tinha ouvido falar. Com as devidas adaptações aqui vai:

Passo 1: Atribuir os números

  1. Primeiro coloca as mãos frente a frente como mostra o desenho.
  2. A cada dedo, atribui os números de 6 a 10 a cada dedo.

Passo 2: Como multiplicar

  1. — Escolhe os números para multiplicar Exemplo: 7×8
  2. — Toca os dedos cujos valores queres multiplicar.
  3. — Agora conta os dedos que ficam abaixo baixo deles. O número que resulta que será o algarismo das dezenas. No exemplo: 5
  4. — Agora multiplica os dedos da mão esquerda com os da mão direita, acima dos que tocaste. O produto será o algarismo das unidades Exemplo:. 3×2 = 6

Resposta: 56

** Em alguns casos o produto do algarismo das unidades será maior do que nove. Nesse caso será preciso somar duas quantidades.

Exemplo: 7×6

– Somar os dedos que se tocam mais os que ficam abaixo: No caso, 2+1=3. Será o algarismo das dezenas.

– Multiplicar os dedos que ficam acima dos dedos que se tocam: No caso, 4(mão esquerda) por 3 (mão direita) 3 x 4 = 12
Agora temos, 3 dezenas + 12 unidades. (30+12=42)

Passo 3: Outro truque para a tabela de 9

Passos a seguir:

  1. – Primeiro, coloca as mãos de frente.
  2. – Em seguida, atribui valores de 1 a 10 para os dedos.
  3. – Dobra o dedo cujo valor desejas multiplicar nove vezes.
  4. – Os dedos restantes à esquerda do que dobraste serão as dezenas.
  5. – Os dedos à direita serão as unidades.

Exemplo: 9 x 4

  1. – Dobra o quarto dedo
  2. – Os dedos restantes direitos à esquerda -> 3 (dezenas)
  3. – Os dedos restantes direitos à direita -> 6 (unidades)
  4. – Resultado Final -> 36

Complicado?
Talvez no princípio. Mas com um pouco de treino, é simples e eficaz.



Fonte: Instructables

Os professores são bons

Educational Technology and Mobile Learning é um blogue de divulgação de recursos educativos que vale a pena seguir com atenção. Recentemente, publicou um infografia onde resume, de forma atrativa, as qualidades que um professor deve ter, tendo como inspiração trabalho original de Mia MacMeekin. Esta professora, identificou 27 pontos que definem o que um professor faz de bom, num trabalho a que chamou, também em tradução livre, “Os professores são bons”.
As duas infografias que reproduzimos, na sua versão inglesa, são uma homenagem e também pontos de reflexão para o papel do professor nos dia de hoje em que os espectros da depressão parecem pairar sobre as cabeças de quem tem como missão educar. Levante-se o ânimo. Os professores são bons. Valorizemos tudo o que fazem de bom e de bem.

Os professores são bons

Ligações: Teachers are Good


O professor do século XXI

Ligação: The 25 characteristics of a 21st century teacher

A aplicação do modelo TPACK no ensino

Integrar recursos e ferramentas TIC no processo de ensino e aprendizagem não é tarefa fácil. Por isso,é necessário que os professores estudem bem a sua realidade e adoptem um modelo de integração.
O Conhecimento Tecnológico Pedagógico de Conteúdo TPACK (sigla em inglês para Technological Pedagogical Content Knowledge) é uma metodologia para entender e descrever os tipos de conhecimentos necessários a um professor para a prática pedagógica efetiva em ambientes de aprendizagem equipados com tecnologia.
O conceito de conhecimento pedagógico (PCK) foi descrito pela primeira vez por Lee Shulman (1986) e a metodologia TPACK foi elaborada a partir dessas ideias centrais, com a inclusão da tecnologia.

TPACK pt BR

A metodologia TPACK argumenta que uma integração efetiva da tecnologia no processo de ensino aprendizagem requer entendimento e negociação entre Tecnologia, Pedagogia e Conteúdo.
O professor que for capaz de abordar estes componentes de uma forma integrada, conseguirá uma visão mais ampla do que o conhecimento de um especialista de uma disciplina (por exemplo, um cientista, um músico ou um sociólogo), um especialista de tecnologia (um cientista de computação) ou um especialista em ensino/pedagogia (um educador experiente).
Esta metodologia TPACK salienta as complexas relações que existem entre o conhecimento das áreas de conteúdo, pedagogia e tecnologia e pode ser uma estrutura organizacional útil para definir o que os professores precisam saber para integrar a tecnologia nas suas práticas de maneira efetiva.
Tratando-se de um quadro exigente, esta metodologia está, no entanto, a tornar-se mais popular com um método de organização para programas de desenvolvimento profissional, tecnológico e educacional para professores.

No vídeo que se segue (com subtítulos em espanhol) Judi Harris (College William and Mary, Virginia) resume os princípios fundamentais da metodologia TPACK.

PowToon. Criar infografias e vídeos online

As infografias ganham todos os dias maior importância e saber fazê-las com qualidade é um desafio sempre exigente. Já aqui falamos sobre algumas ferramentas online para criar estes desenhos de escrita que têm tanto de atrativos como de informação.

A proposta de hoje vai um pouco mais além, já que permite criar infografias em vídeo.
O Powtoon é um sítio onde se podem criar vídeo-infografias com design atrativo, de maneira fácil, totalmente online. Entre as suas características destacamos a possibilidade de juntar efeitos aos textos e imagens, assim como agregar desenhos e animá-los.
Esta é sem dúvida uma ferramenta fantástica para, por exemplo, promover um evento, em especial nas redes sociais.
Apesar de a sua utilização intensiva ser paga, com vários níveis de adesão, é possível criar apresentações e vídeos gratuitos com a duração máxima de 5 minutos.
De qualquer maneira os preços para a educação são muito atrativos. 27 dólares/ano para educadores e 17 dólares para estudantes.

Ver um exemplo:

Fonte: PowToon

O porquê do sucesso educativo finlandês

Quando se quer falar de sucesso, olha-se para norte. Para o norte da Europa, para os países escandinavos, mais propriamente, em especial para a Finlândia. Todavia, muitas vezes falamos de cor.
O quadro que se segue, compara o modelo finlandês com o que se passa nos Estados Unidos e no Canadá, mas as ilações são óbvias.
E como uma imagem diz mais do que mil palavras, não há como olhar com atenção a infografia e perceber as razões para além do óbvio. Continuar a ler “O porquê do sucesso educativo finlandês”