Desafios matemáticos

Desafios Matemáticos é um sítio da autoria do professor Paulo Ferro, licenciado em Matemáticas pela Universidade de Coimbra e que tem como principal objetivo a divulgação das Matemáticas.
O sítio, como o próprio nome indica, é dedicado à matemática e apresenta, para além de desafios, um vasto conjunto de itens como jogos, magias, dicionário, biografias, entre outros. Os desafios estão catalogados segundo vários níveis de dificuldade.
A não perder.

DesafiosmatematicosO sítio, prestes a comemorar 10 anos, tem uma versão em português e também em espanhol. Curiosamente, a versão espanhola está mais atualizada que a versão portuguesa.

Sítio em Português: https://sites.google.com/site/desmatematicos/
Sítio em Espanhol: https://sites.google.com/site/desmatematicos2/

Prémio Hipertexto vai selecionar artefatos digitais educativos desenvolvidos por profissionais ou estudantes

Não é difícil navegar pela web e encontrar manchetes que destacam projetos de aplicativos, websites e até softwares desenvolvidos por jovens aprendizes. Foi-se o tempo em que os ambientes de programação e desenvolvimento eram exclusivos para um grupo restrito de programadores. Os movimentos de inovação e criação de artefatos digitais romperam os limites da universidade e alcançaram crianças e jovens que a cada dia nos provam que é possível inventar o futuro de forma natural através do próprio celular ou do dispositivo mais acessível no momento.

São desenvolvedores que souberam identificar que a ação de criar e programar pode parecer complicada no primeiro contato, mas na realidade ela é mais simples do que se imagina. Ao ultrapassarem esse primeiro estágio do medo do complexo descobrem um infinidade de oportunidades e investem em relevantes projetos tanto de caráter artístico como voltados para a solução de problemas.

Isso acontece devido à facilidade no acesso a informação de qualidade que se pode alcançar de forma autônoma, quando se desenvolve uma rotina de estudos por meio de fontes qualificadas de conteúdo, ou através da orientação dos educadores que estimulam tanto a pesquisa teórica como as experiências práticas do conteúdo aprendido.

Buscando estimular esse movimento de criação e divulgação de artefatos digitais, voltados especificamente para fins educativos, está lançada a edição 2015 do Prêmio Hipertexto, iniciativa promovida pelo 6º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação e 2º Colóquio Internacional de Educação com Tecnologias, da Universidade Federal de Pernambuco.

screen-grama

O Prêmio Hipertexto busca destacar as boas iniciativas do uso de tecnologias para a aprendizagem. Trata-se de um estímulo ao constante desenvolvimento de novas tecnologias educativas. A iniciativa é divida em duas categorias, Aplicativo Educacional e Arte Digital Educativa, e nelas podem concorrer desde projetos nas áreas literária, plástica, musical, fotográfica e cinematográfica até aplicativos digitais voltados para a educação (apps), todos mediados por dispositivos computacionais como desktops, laptops, tablets ou smartphones.
Haverá prêmios em dinheiro para os três primeiros colocados que ganharão também hospedagem no Recife durante o período de realização do 6º Simpósio Hipertexto, que acontecerá nos dias 7 e 8 de dezembro no campus da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Os 10 trabalhos mais bem avaliados farão parte do Espaço Artes Digitais e Tecnologias Educacionais e vão integrar exposição montada durante o evento. Os projetos selecionados terão seu potencial de mercado avaliado pelos congressistas e parceiros convidados. Além disso, seus representantes terão o direito de participar livremente de todas as atividades do evento.

As inscrições vão até o dia 31 de julho e devem ser realizadas exclusivamente no site do SimpósioHipertexto, via formulário de descrição do projeto. O valor da inscrição para cada projeto é de R$ 100,00 (cem reais) e será utilizado para a montagem da estrutura da exposição do Espaço Artes Digitais e Tecnologias Educacionais. Os trabalhos inscritos que não forem selecionados no ranking dos dez melhores receberão gratuitamente uma inscrição para participação no evento na modalidade “Ouvinte” com direito a certificação.

O edital completo pode ser acessado no link: http://www.simposiohipertexto.com.br/premio-hipertexto/

Conheça os projetos já premiados em edições anteriores:

2012: http://www.simposiohipertexto.com.br/hipertexto2012/premio-hipertexto2012.html
2013: http://www.simposiohipertexto.com.br/hipertexto2013/premio-hipertexto2013.html

Texto e imagem: Karla Vidal

Como explicar o bitcoin às crianças

Estamos os dois sentados num banco de um parque num dia bonito.
Eu tenho uma maçã comigo. Eu dou-te a minha maçã.
Agora tu tens a uma maçã e eu já não a tenho. Tenho zero.
Simples, não?
Vamos agora ver o que aconteceu:

Maca
Agora, a minha maçã foi fisicamente colocada na tua mão.
Tu sabes que isso aconteceu. Eu estava lá. Tu estavas lá. Tu tocaste na maçã. Não há dúvida.
Para saber isso, não foi precisa uma uma terceira pessoa para nos ajudar a fazer a transferência. Nós não tivemos que chamar um juiz ou uma testemunha para se sentar connosco no banco e confirmar que a maçã passou de mim para ti.
A maçã é tua! Eu não te posso dar outra outra maçã por que eu não tenho mais nenhuma. A maçã saiu completamente de minha posse. Quando se dá, está dado. Agora, tu tens o controlo absoluto sobre a maçã. Podes agora dá-la a outro amigo, e então esse amigo pode também dá-la para outro amigo e assim por diante.
A isto chama-se uma transação. Neste caso, uma transação feita pessoalmente. Passou de mim para ti. A mesma coisa seria se eu te desse uma uma banana, um livro, uma moeda de um euro, ou uma nota de e euros.
Bem.. acho que estou apressado demais.

De volta às maçãs.

Maca digital

Agora digamos que eu tenho uma maçã digital. Ok. Toma a minha maçã digital.
Não está a ficar interessante?
Como sabes que aquela maçã digital, que era minha, é agora tua, apenas tua? Pensa sobre isso por um segundo.
É mais complicado, certo? Como sabes se eu não enviei aquela maçã para o meu tio anexada num email primeiro? Ou para o teu amigo André? Ou para minha amiga Isabel também?
Terei eu feito umas quantas cópias daquela maçã digital no computador e colocado na internet para milhões de pessoas poderem descarregar? Será possível? Fazer isso seria possível só que, já não seria aquela maçã. Certo?
Então, a pergunta que tem muito valor: como é que eu posso garantir que a maçã digital que eu te enviei é única e que não foi copiada?
Pois… Na verdade, a troca digital é um pouco mais complicada. Enviar maçãs digitais não é a mesma coisa de enviar maçãs de verdade.
Alguns especialistas na ciência da computação deram um nome para este problema: o problema do gasto duplo.
Mas não te preocupes com isso. Tudo que precisas saber é que isso os deixou confusos durante muito tempo… até agora.
Mas vamos tentar encontrar uma solução nós mesmos.


 

Rol

Rol de pagamentos

Talvez essas maçãs digitais precisem ser registadas numa rol de pagamentos. O rol, ou agenda, é um livro onde se registam todas as transações, o que se gasta e o que se recebe, um livro de contabilidade. O livro da razão. Onde fica tudo registado e onde nada deve ser apagado.
Essa agenda, uma vez que seja digital, precisa viver no seu próprio mundo e ter alguém para tomar conta.
Como no jogo ‘War of Warcraft’. Blizzard, os indivíduos que criaram o jogo online, têm uma “agenda digital” de todas as espadas de fogo raras que existem no seu sistema. Então, ótimo, alguém como eles pode ser capaz de manter uma contagem das nossas maçãs digitais. É simples não é?

Incrível – nós resolvemos o problema!

Mais problemas

No entanto, ainda existem problemas:
1) E se um indivíduo do Blizzard criar mais maçãs? Ele podia ter a tentação de adicionar uma ou duas maçãs para o cesto dele, quando quisesse! O que seria uma aldrabice, claro.
2) No mundo digital, as coisas não se passam exatamente como quando nós estávamos naquele banco do parque naquele dia. Lá éramos só eu e tu. Passando pelo Blizzard é como trazer um juiz (uma terceira parte) para validar todas as transações dos bancos de nosso parque. Então como é que eu te posso entregar a minha maçã digital da mesma forma que te entreguei a maçã de verdade?
Existe alguma forma de replicar ‘digitalmente’ as transações do nosso banco do parque somente entre tu e eu? Parece que sim…


 

A solução

Blockchain

E se déssemos essa agenda de pagamentos para toda a gente? Em vez dessa agenda residir apenas num computador da Blizzard, ela ficará nos computadores de todos. Todas as transações em maçãs digitais que já aconteceram, de todos os tempos, serão gravadas nessa agenda (que está nos computadores de todos).
Tu não pode adulterá-la. Eu não posso mandar-te mais maçãs digitais do que aquelas que possuo, simplesmente por que elas não sincronizariam com as outras no sistema. Seria um sistema bem difícil de se burlar. Especialmente se o sistema se tornar muito grande.
Além de que, como o sistema não é controlado por nenhuma pessoa, então eu sei que não há ninguém que possa decidir dar a si mesmo mais maçãs digitais. As regras do sistema foram definidas desde o princípio. O código e as regras são abertos (open-source) – como no software usado nos telefones Android. Ou tipo a enciclopédia Wikipédia, que está lá para que os mais sábios possam contribuir, manter, melhorar e verificar.
Tu também podes participar dessa rede e também e atualizar a agenda de pagamentos para garantir que tudo funcione. Pelo trabalho, poderias ganhar 25 maçãs digitais como recompensa. Aliás, essa é a única maneira de se criar mais maçãs digitais no sistema.

Eu simplifiquei bastante

… mas esse sistema que eu expliquei, existe. É chamado de protocolo Bitcoin (repara que quando nos referimos ao protocolo, sistema ou rede, usamos o “B” maiúsculo). E aquelas maçãs digitais são os “bitcoins” dentro do
sistema (agora quando ele fala de bitcoins como moeda, usamos o “b” minúsculo).
Então, consegues ver o que aconteceu? O que é que a agenda pública de pagamentos permite?
1) O código é aberto, recordas-te? O número total de maçãs foi definido na agenda de pagamentos no início. Eu sei o número exato (de maçãs) que existem. Dentro do sistema, eu sei que elas são limitadas (escassas).
2) Quando eu faço uma troca, eu sei que aquela maçã saiu de minha posse de um modo que se pode certificar, e agora ela é completamente tua. Eu não costumava dizer isso sobre coisas digitais. A maçã será atualizada e verificada pela agenda pública de pagamentos.
3) Por ser uma agenda pública, eu não preciso de um juiz (ou de terceiros) para ter certeza de que eu não enganei, vigarizei, ou tirei outras cópias para mim mesmo, ou enviei maçãs duas  ou três vezes…
Dentro do sistema, a troca de uma maçã digital é agora exatamente como a troca de uma maçã de verdade. Agora o sistema está tão bom que consegue ver uma maçã sair fisicamente da minha mão e cair dentro do teu bolso. E, exatamente como no banco do parque, a troca envolveu apenas duas pessoas. Tu e eu – nós não precisamos de um juiz para ter certeza de que a troca foi válida.
Por outras palavras, as maçãs comportam-se como objetos físicos.
Mas, lembras-te? Continua digital. Nós podemos agora lidar com 1000 maçãs, ou 1 milhão de maçãs, ou mesmo 0.00000001 maçã. Eu posso enviá-las com o clique de um botão e eu ainda posso fazê-las cair dentro do teu bolso mesmo se eu estivesse na Nicarágua e tu estivesses em Nova Iorque.
Eu posso até fazer outras coisas digitais viajarem por cima dessas maçãs digitais! É tudo digital, afinal de contas! No futuro, vai ser, com certeza, possível anexar algum texto ou área de informação digital junto às maçãs – uma notificação digital. Ou talvez eu possa anexar coisas mais importantes: tipo um contrato, ou um certificado de ações, ou uma identidade digital, um filme, uma música, um livro…
Isso é ótimo! E como devemos tratá-las e como vamos estabelecer um preço para essas “maçãs digitais”? Elas são bem úteis, não são?
Bem, há muita gente a discutir esse assunto agora. Há debates entre muita variedade de especialistas de economia, política e entre os programadores.
Não vale a pena dar ouvidos a todos eles. Ainda não chegaram a acordo. Uns são muito espertos e outros mal informados. Uns dizem que o sistema vale muito, outros que não vale nada.
Houve um ano, em 2013, em que uma maçã chegou a custar 1300 dólares. Outros dizem que é ouro digital, e outros dizem que é dinheiro.
Outros dizem que é exatamente como tulipas. Alguns dizem que irá mudar o mundo. Outros que é apenas uma nova mania.
Agora, já sabes mais do que a maioria. Não te distraias. Estas maçãs digitais têm ainda muitos segredos por revelar.


Este artigo foi publicado originalmente no sítio Medium.
Nesta versão livre foram introduzidas ligeiras alterações, sem comprometer o essencial da mensagem.

Fonte: Medium

Publicano no blogue Correio Digital.eu

 

Scrawlar: o quadro preto online

Scrawlar, é um processador de texto e também uma ardósia online.
O melhor e que o torna notável é o facto de que tudo pode ser feito de forma colaborativa. Sob uma interface simples temos disponíveis todos os tipos de opções que permitem enriquecer a maneira de ensinar ou aprender dependendo do caso.
Esta ferramenta foi concebida para que os professores ou facilitadores possam exibir conceitos em tempo real aos alunos, ou, por exemplo, para explicar algo através de desenhos no quadro de comunicações online e colaborativo.

Scrawlar com front
Esta ferramenta é bastante interessante, podendo ser de grande ajuda se soubermos como usá-la. Scrawlar tem compatibilidade com todos os sistemas e funciona com todos os navegadores modernos.
A sua utilização é simples. Não tendo necessidade de qualquer instalação é muito útil para qualquer nível de ensino, uma vez que a sua utilização basta fazer o registo e não ter que pagar seja que quantia for.
Os meios para educar online crescem todos os dias pelo que esta é mais uma opção válida de uma ferramenta que pode ser útil em várias áreas do ensino.
Uma característica interessante é que para um professor partilhar conteúdos com os seus alunos, estes não precisam de registar-se. Basta o professor estar registado e depois partilhar os seus conteúdos.
Fonte: Scrawlar

Metta.io, apresentações online com integração no Google Drive

Como bons amantes da tecnologia devemos todos aproveitar os recursos e o espaço que esta nos dá. De nós depende tornar a vida mais fácil sempre que existam ferramentas que muitos desconhecemos por não pesquisarmos devidamente.
Elaborar uma apresentação pode não ser tão fácil como à primeira vista pode parecer, tanto mais que , muitas vezes, para sermos práticos e criativos temos de fugir da ditadura do Powerpoit. Por isso sugerimos o Metta.

Metta io
Metta.io, é uma plataforma muito completa e atraente para aqueles que querem criar apresentações. Esta ferramenta disponibiliza funções que permitem tornar o trabalho mais atraente, seja pra um trabalho da universidade, para para uma escola ou para um evento de qualquer natureza.
A ferramenta permite utilizar imagens, transições, registos magnéticos de áudio ou voz, assim como vídeos, do Youtube, por exemplo.
Todo o trabalho é feito de uma forma simples e intuitiva, sendo que o mais atrativo é que é tudo feito online, sem ter nada que instaura. Além do mais é gratuito.
Uma das caraterísticas que destaca esta ferramenta é a sua integração automática com o Google Drive, com o qual se converte numa ferramenta muito mais completa, já que toda a a informação é guardada de forma automática no serviço de armazenamento da Google.
Esta é com certeza uma opção a considerar quando se trata de fazer apresentações, especialmente recomendada para quem não tem possibilidade de andar com um computador atrás de si.
Fonte: Meta.io

Tecnologia do Futuro: 10 Invenções que vão mudar o Mundo

Alexander Graham Bell, Leonardo Da Vinci e Alberto Santos Dumont são alguns dos inventores que na sua época eram chamados de “malucos” mas graças a eles hoje temos telefone, paraquedas, roupas de mergulho, relógio de pulso, avião entre outros. Muitas dessas ideias demoraram para ser aceitas mas hoje são indispensáveis. Decidimos pesquisar então as invenções, inovações e protótipos que são promissoras tecnologias do futuro.

Vamos apresentar algumas invenções e outras inovações que prometem mudar o mundo nos próximos anos, ou já fazem parte da realidade e que aos poucos vão transformar as comunicações, transporte, rotina doméstica e educação. Confere:

1. Tradutor de Pensamentos Caninos

Parece louco pensar que daqui a alguns anos poderemos realmente traduzir os latidos dos cães. O projeto ainda é um protótipo e está esperando financiamento coletivo através do Indiegogo.

 

2. Carro Voador

O problema de grandes engarrafamentos estaria com os dias contados se conseguirmos popularizar o carro voador. Vários protótipos estão trabalhando nisso e um em particular conseguiu fazer o seu primeiro voo. Falamos do Aeromobil 2.5, um automóvel criado pelo designer eslovaco Stefan Klein.3.

3. Armazenador de Comida a Vácuo

1,3 Mil milhões de toneladas de comida são desperdiçadas por ano em todo o mundo, o que representa cerca de um terço das refeições produzidas no planeta. Pensando nisso, ideias como uma “caixa de armazenamento de comida que forma automaticamente um vácuo”, preservando os alimentos durante mais tempo podem ser uma solução, além claro que uma melhor distribuição do que é produzido e a consciência das pessoas!

tecnologia-do-futuro-alimentos

A VacuVita é bem fácil de usar (quando tocas o sensor a tampa se abre, quando fechas, a caixa cria um sistema de vácuo automaticamente) e inclui diferentes caixas para se ajustarem às necessidades do utilizador e caberem na geladeira. Assista ao vídeo do VacuVita, enjoy Fresh Food every day.

4. Geladeira Inteligente

O designer Fabian Kreuzer criou um conceito de geladeira usando leitores RFID, banda larga e telas touch screen permitindo a geladeira identificar a quantidade, tipo e data de validade dos alimentos que estão dentro dela. Usando uma câmera e sensor de movimento, a geladeira também permite visualizar os produtos sem que precises abri-las. Assista ao vídeo no link.tecnologia-do-futuro-geladeira

5. Carregador de Telemóveis (Celulares) em Segundos

Os problemas de esperar o telemóvel carregar ou ficar sem bateria acabaram. Eesha Khare, com apenas 18 anos, criou um projeto que permite recarregar a bateria de telemóveis em pouco mais de um piscar de olhos e ainda aumentar a durabilidade da carga.

6. Impressora de Roupas

Já pensaste em reciclar as tuas roupas, confecionar novos modelos com tecidos antigos em um clique? Joshua Harris, designer industrial, criou um projeto no qual os estilistas poderão vender cartuchos com as suas estampas e materiais e pela internet e disponibilizar o design/molde para ser impresso; assim é possível criar um novo modelo em segundos e acabar com a desculpa do ” Eu não tenho roupa para sair!”.

impressora-de-roupa

7. Impressora de comida 3D

Queres preparar algo rápido para um lanche e não tens ideia do que preparar? A Natural Machines, uma startup de Barcelona, criou o Foodini, um aparelho que promete levar a impressão 3D até à sua cozinha. Nós já havíamos falado que a tecnologia de impressão 3D iria entrar nas nossas vidas e a ideia desse projeto é facilitar a rotina deixando tempo livre para outras atividades. Poderás criar alimentos com formas, alturas e volumes diferentes, desde biscoitos de chocolate a massa de pizza.

Já foram criados hambúrgueres de queijo (com o pão e o molho de queijo feitos na máquina 3D), um prato de gnocchi de abóbora e uma pizza totalmente construída da máquina para o prato.

8. Máquina 3D para Imprimir Casas em 20 Horas

Continuando na séria de impressoras 3D (que são a grande promessa da década), Behrokh Khoshnevis, professor da University of Southern California trouxe uma das inovações mais surpreendentes dos últimos anos. A impressora de casas que consegue imprimir em 3D uma casa de 230 m³ em 20 horas. A estrutura é feita de camadas de concreto e a máquina pode ser programada para pintar paredes, adicionar telhas, pisos, encanações e fiação elétrica. Essa é a Contour Crafting, que promete ser uma economia de mão de obra e uma solução para situações em que precisamos construir casas rapidamente.

impressora-3d-para-casas

9. Bicicleta para purificar o ar!

A bicicleta por si só já é um meio de transporte que contribui para um ar mais limpo. A Air Purifier Bike (Bicicleta Purificadora do Ar) é uma bicicleta elétrica que pode mudar a vida dos ciclistas. Ela possui um sistema inovador que retêm as partículas de poluição no ar e enviar oxigênio puro em troca. A bicicleta foi projetada pela agência tailandesa Lightfog.

a-bicicleta-que-despolui-o-ar

10. Estudar Online e Conectar-te com o Mundo

Já pensaste em dispensar os cadernos, pen-drives e transformar o teu potencial de aprendizagem? Isso é simples e real com ExamTime. As ferramentas de estudo online estão disponíveis gratuitamente para professores e alunos conectarem-se. O site oferece ferramentas de Mapas Mentais, Notas, Quizzes e FlashCards, além de ajudar os usuários a criar e gerenciar um Plano de Estudos eficaz e permite que eles compartilhem recursos de estudo e criar grupos de estudo.

tecnologia-do-futuro

E então o que achaste das tecnologias que vão transformar o mundo? São muitas inovações que parecem um pouco “malucas” mas em alguns anos serão realidade ou já fazem parte da nossa rotina e só precisamos nos adaptar a elas.

E tu, o que inventarias se pudesses? Usa a criatividade e conta para nós.

Fonte: ExamTime

Como criar uma senha segura e fácil de recordar

Criar senhas e recordá-la torna-se, muitas vezes, um verdadeiro quebra-cabeças, tanto mais que, além das vezes que nos esquecemos delas, outras vezes é-nos exigido que as mudemos de tempos a tempos. Além disso, não é nada conveniente ter a mesma senha em todos os sítios.

A questão, então, é saber como criar uma senha que seja ao mesmo tempo forte, do ponto de vista da segurança, e, por outro lado, facilmente recordável e não nos coloque em pânico.

O que fazer e não fazer

1 — Não usar uma palavra que esteja no dicionário ou que seja de uso comum.

2 — Não usar formações pessoais nas senhas como o nome do companheiro(a), familiares e amigos, a data de nascimento ou as sequências das teclas (qwerty…) números (123456…) etc..

3 — Não utilizar uma senha demasiado pequena. Deve ter mais de seis caracteres, mas é bem melhor que tenha, no mínimo, 8.

4 — Não utilizar a mesma senha em todos os sítios e não a manter demasiado tempo. Deve ser mudada regularmente. De 6 em seis meses é uma boa opção.

5 — Procurar que senha seja variada e que inclua letras, com maiúsculas e minúsculas, assim como números e símbolos.

Como recordar as senhas?

O problema das senhas é que, se as criamos demasiado grandes e complexas, com letras, números e símbolos, é difícil recordá-las. O que se pode tornar uma verdadeira dor de cabeça. Há no entanto alguns métodos que podem ser interessantes para criar senhas complexas mas fáceis de recordar.

1ª O método da frase

Este método consiste em pegar numa frase fácil de recordar e contraí-la até formar uma senha. Por exemplo:

“Melhor que Ronaldo só CR7”

Poderia transformar-se em

“MelhorqueRonaldosóCR7”

Retirados os espaços, podemos escrever um ou outro símbolo pelo meio ou substituir uma letra por um número. Por exemplo:

“Me1h0rqu&Rona1dos0CR7”

Substituímos os “o” por “0” (zero), “e” por “&”, e “l” por “1” (um).

Não fica fácil, mas rapidamente podemos recordar.

2— O método do “método”

Este método consiste em utilizar uma palavra ou palavras fáceis de recordar, transformando-as numa fórmula que resulte fácil de recordar. Por exemplo, a palavra
“Companheiro”

Mantemos as duas primeiras letras e substituimos algumas das seguintes por números ou símbolos que tenham uma grafia semelhante.

“Com9a=h€1r0”

E temos uma senha segura.

3. Examinar a senha

Em alguns sítios e páginas, quando nos registamos o próprio sítio sugere uma senha. Isto é, o próprio sistema oferece uma reterência segura para a nossa chave de entrada. Para termos a certeza de que a senha proposta tem um nível de segurança elevado, a Microsoft proporciona um serviço numa página que permite medir o grau de segurança de uma senha.

Centro de Protecção e Segurança da Microsoft

Site gerador de senhas fortes:
Strong Password Generator

Os artigos mais vistos em 2013

O ano de 2013 não foi particularmente produtivo aqui no blogue. Conforme referi num post publicado há alguns meses, o “Professor TIC” iria entrar em modo de standby, o que tem vindo a acontecer. Apesar disso, até porque não há muitas condições para reforçar o investimento de tempo que o blogue necessitaria, o nível de visitas tem vindo a crescer com regularidade ao longo dos últimos meses.
O Professor TIC tem mensalmente uma média de visitas superior a 25 mil, a que correspondem a mais de 100 mil páginas vistas, o que dá uma média um pouco superior a 4 de páginas vistas por cada visitante.
A todos quanto continuam a acreditar no Professor TIC e a ver nele uma fonte de informação, obrigado. Os desafios para 2014 não são muito claros, apesar de haver a certeza de que, pontualmente, continuaremos a publicar alguns artigos com informação que consideramos relevante.
Como sempre, o Professor TIC continua aberto à participação de todos os interessados. Como sempre, estamos recetivos a boas sugestões e participações válidas.

A título de curiosidade e de acordo com o rastreio feito pela Google, aqui listamos os 19 artigos mais lidos e procurados ao longo do ano no blogue.

Os mais vistos em 2013

  1. 10 programas de software livre para desenho 3D
  2. 10 sítios para fazer animações online
  3. 10 programas de Desenho com software livre
  4. Converter PDF em Excel: gratuito online
  5. 8 plataformas gratuitas para ensinar e aprender online
  6. 5 sites para editar e criar imagens online
  7. Mais 20 coisas que nunca devemos postar no Facebook
  8. 6 sítios para criar nuvens de palavras
  9. 10 sítios para criar gráficos online
  10. Como partilhar um Powerpoint e PDF no Facebook
  11. 12 sites para fazer testes online grátis
  12. 6 sites para criar banda desenhada online
  13. Collagerator: Programa gratuito para criar colagens de fotos
  14. 15 sítios e programas grátis para desenhar
  15. Photovisi: montagem de fotografias online
  16. 7 sítios para estudar Matemática online
  17. PhotoPeach – slideshow com fotos, texto e música
  18. LucidPress, criar revistas online de forma simples
  19. Anatronica: O corpo humano online em 3D, gratuito

Que os desafios do novo ano sejam estimulantes o suficiente para o vivermos com altos índices de motivação, alegria e entusiasmo.

Feliz Ano para todos.

Feliz_Ano_Novo

Gonçalo Mendes

A escola daqui a 5 anos, segundo a IBM

A IBM receou as suas tradicionais previsões para os próximos 5 anos, em que alguns dos seus investigadores explicam a sua visão e o modo de como é que a tecnologia mudará as nossas vidas no futuro próximo. Certo é que, examinando o que pensam os especialistas do gigante informático, algumas parecem-nos óbvias e lógicas, mas contêm, apesar disso, pontos interessantes que podem ter um grande impacto em muitos aspectos da nossa sociedade, como a educação, comércio e, inclusive, na organização das cidades.
Curiosamente, ou não, essas previsões não falam nada sobre os drones da Amazon, os robots ou os veículos autopilotados da Google.

Ibm education

O aspecto assinalado em primeiro lugar pelos investigadores tem a ver com a educação. Assim, segundo eles, a escola do futuro vai debruçar-se sobre cada aluno individualmente.
Numa tendência que já hoje se sente e ganha terreno de ano para ano, dentro de cinco anos o ensino será cada vez mais personalizado. Os sistemas cognitivos (entendidos aqui como uma categoria de tecnologias que usam o processamento da linguagem natural e a aprendizagem com máquinas de forma que as pessoas e as máquinas possam interagir de forma mais natural aumentando as suas capacidades para adquirir mais e melhor conhecimento) serão decisivos nas decisões de apoio que os professores serão chamados a dar ala seus alunos. Já não numa relação unidirecional de um professor para muitos alunos, mas mais num “tête-a-tête” que terá como já não o grupo mas a pessoa através de um ensino individualizado.

Sala de aula inteligente

A rápida digitalização da indústria da educação e o surgimento dos sistemas cognitivos são dois factores que já estão a acontecer em paralelo. Ao longo dos próximo 5 anos, estes dois conceitos vão trabalhar cada vez mais em conjunto, ligando-se, levando à criação de salas de aula personalizadas que vão motivar e envolver os alunos, em todos os níveis de ensino, desde o pré-escolar à universidade.
São muitas e variadas as ferramentas, grande parte delas que já hoje fazem parte das nossas vidas, que se tornarão instrumentos vitais na nova educação.

Os cursos massivos abertos (MOOCs) tornaram e tornam os conteúdos educacionais disponíveis a qualquer pessoa com uma ligação à internet. Os seus editores vão ser também capazes de tornar os conteúdos mais envolventes e adaptáveis à realidade das salas de aula, ao mesmo tempo que os dispositivos móveis serão utilizados para aprender a qualquer hora em qualquer lugar. Do medo modo, os professores serão capazes de, através da aplicação de sistema cognitivos, compreender como é que os seus alunos estudam e aprendem e desenvolver planos que vão ao encontro da sua realidade.

Fonte: IBM

Personalized Learning: 5 Future Technology Predictions from IBM