10 ferramentas para captação e gestão de conteúdos

Todos os dias o volume de informação presente na internet cresce exponencialmente. Por isso, à medida que a web é inundada de blogues, vídeos, tweets, notícias, artigos, atualizações e inúmeras formas de conteúdo, é cada vez mais difícil digerir esta sobrecarga de informação. Um mal que nos afeta a todos.
A internet está transformada num imenso campo de plantações onde é cada vez mais difícil separar as plantas sadias das ervas daninhas e, além disso, mesmo entre as boas colheitas, escolher as que mais nos convêm, as que mais nos motivam, que nos interessam. Todavia se esse é um problema cada vez mais premente, há já algumas ferramentas que nos ajudam a separar o trigo do joio e há que enfrentá-lo. O Google, assim como os outros motores de busca, tem definitivamente as suas deficiências quando se trata de seleccionar conteúdos que nos interessam, além de que, ao tentar atender a todos os públicos, menos útil se torna.
Este facto gerou o nascimento de um novo conceito na internet, a que os ingleses chamam “content curation”, ou seja, curadoria de conteúdos, que é uma das áreas de gestão de conteúdos de maior crescimento na web, e considerada uma função-chave do webmarketing e da web social, essencial na cadeia de criação e distribuição de conteúdos online.
De acordo com o professor Carlos Pinheiro, “um curador de conteúdo «content curator» pode ser definido como alguém que continuamente encontra, reúne, avalia, organiza e partilha o melhor e mais relevante conteúdo de um tema online específico. Alguém cuja função não é criar mais conteúdo, mas sim dar sentido ao conteúdo criado por outros. O curador de conteúdos presta assim um serviço extremamente valioso para aqueles que procuram informação online de qualidade: uma seleção pessoal de conteúdo da melhor qualidade e recursos sobre um tópico muito específico.”
As ferramentas que se seguem, todas gratuitas ou com planos gratuitos, pertencem a essa família de gestores de informação, que cada um poderá utilizar como simples recetor do que outros selecionam, ou como autor, cativando seguidores para as suas curadorias.
Cada uma tem qualidades únicas e nenhuma é exatamente igual à outra. Por isso, é mais do que provável que um utilizador não necessite de todas elas. Uma tarefa impossível. No entanto, é razoável pensar que alguma delas poderá ser útil. Cada um terá de encontrar a sua. Uma breve descrição poderá ajudar cada um a fazer uma primeira seleção.

1- Storify

StorifyStorify é uma forma de contar histórias usando “social media” que é o mesmo que dizer redes sociais, ou, em português do Brasil, “mídia social”. A Storify, criada em 2010 para uso privado e em versão beta pública desde abril de 2011, ajuda escritores a coletar informações do Twitter, Flickr, Facebook, YouTube e outros sites sociais. Os utilizadores podem adicionar texto a histórias e depois incorporá-las em qualquer site.

2 – Scoop.it

ScoopitO Scoop.it é um serviço de content curation baseado na web (não precisa de se instalar qualquer tipo de software de no computador). Apesar de ter versões pagas, a versão gratuita do serviço é inteiramente funcional para o objetivo de selecionar e distribuir conteúdos.
O Scoop.it permite criar tópicos sobre qualquer tema, receber sugestões automáticas baseadas nas tags definidas aquando da criação, seguir outros tópicos e ainda receber sugestões de conteúdos dos outros utilizadores. Toda a informação adicionada nos tópicos pode ser partilhada nas redes sociais Twitter, Facebook, e LinkedIn, e também em blogues WordPress e Tumblr.

3 – Redux

ReduxO Redux está especialmente vocacionado para vídeos. O sistema ajuda a descobrir os melhores vídeos, organizando-os por tópicos. Cada pessoa pode criar o seu próprio canal.

4 – Evri

Evri“Descobrir, seguir, curar e partilhar” são as palavras de ordem do Evri, que capta as últimas histórias, ajuda a controlar o mais importante e permite ao utilizador ter os seus próprios canais.

5 – Blekko

BlekkoBlekko – “Slash na Web!” Blekko é mais parecido com um motor de busca, que utiliza filtros, denominados “slashtags” para filtrar os resultados de busca. Ao invés de procurar na web inteira, um slashtag permite pesquisar apenas os sites que o utilizador quer, eliminando o spam.

6 – BagTheWeb

BagthewebO BagTheWeb ajuda os utilizadores a selecionar o conteúdo da Web. Para qualquer assunto, o utilizador cria o seu próprio “saco” para coletar, publicar e compartilhar qualquer conteúdo da web. Além disso, o BagTheWeb permite aos utilizadores construir redes de sacos. Desta forma, os “sacos” de informação podem ser ligados entre si para fornecer informações ricas e completas sobre qualquer assunto.

7 – BlogBridge

BlogbridgeBlog Bridge é uma ferramenta para todos os consumidores exigentes de boa informação, organizando-a de uma forma muito pratica. Fácil de usar e de gerir, é como um coador por onde se esvai o que não interessa e se retém o que é relevante.

8 – Paper.li

Paper liO Paper.li permite transformar o Twitter, Faceook e feeds RSS numa espécie de jornal online em apenas alguns cliques.
Requer uma conta no Twitter ou Facebook para se inscrever e começar a publicar os seus próprios jornais com conteúdos recolhidos de várias fontes.

9 – Pearltrees

PearltreesPearltrees é uma ferramenta extremamente poderosa que auxilia na descoberta de conteúdo novo, relevante, apresentando-o em uma maneira muito visual. A interface constrói um e diagrama de árvore dos conteúdo a procurar, descobrir e recolher. Um lugar para recolher, organizar e partilhar tudo o que lhe interessa na web.

10 – Instapaper

InstapaperO Instapater é uma daquelas ferramentas enganosamente simples que, depois de usar durante algum tempo, não podemos passar sem ela. Quando nos deparamos com um conteúdo interessante na web, mas não há tempo para lê-lo, basta pressionar “Read Later” para enviá-lo para o nosso Instapaper. Depois, quando a disponibilidade o permitir, basta aceder à conta, gratuita, e consultar tudo o que deixamos ara mais tarde. simples.

Mahara: gerir o portefólio

Mahara é uma aplicação web de código aberto para gerir portefólios e redes sociais. Oferece aos utilizadores ferramentas para criar e manter um portefóio digital sobre a sua formação. Além disso, inclui funcionalidades sociais que permitem interagir com outros utilizadores.
Mahara inclui blogues, uma ferramenta de apresentação, um gestor de arquivos e um criador de visitas, que permite criar versões dos conteúdos de uma conta para um determinado contexto.

A plataforma suporta a especificação Leap2A specification para importação e exportação de dados, permitindo a transferência de dados e conteúdos de outros sistemas.

Para aceder ao sítio, clique na imagem abaixo.

10 sítios para fazer animações online

Em várias áreas, a realização de animações pode ser uma grande ajuda no processo de ensino aprendizagem. Os alunos podem trabalhar em grupo ou individualmente. Quase todas as sugestões são de utilização gratuita.
Sugerimos 10 sítios em que tal é possível, sendo que os últimos estão especialmente vocacionados para fazer vídeos para colocar no Youtube.

1 – Dvolver Moviemaker

Fácil de utilizar, não requer registo.

2 – Myths and Legends

É um sítio inglês onde os estudantes poderão criar histórias sobre mitos e lendas, na área do fantástico, claro está. Os professores devem registar-se.

3 – The Zimmer Twins

Sítio bastante popular que permite importação de dados de outras aplicações.

4 – Kerpoof

Um sítio da Disney dedicado à criatividade, animações, pintura, desenho, etc. Necessita registo.

5 – Miivies

Depois de criar as animações, é possível embebê-las num site ou blogue.

6 – DoInk

Faz animações simples com grande facilidade.

7 – Xtranormal

O site oferece centenas de fundos, imagens e personagens aos quais podemos adicionar emoções, vozes e gestos. Quando falam os lábios correspondem ás palavras indicadas nos balões de fala.

8 – Stupeflix

Permite a mistura de fotos, vídeos e música criando vídeos em poucos minutos.

9- Go!Animate

GoAnimate é um aplicativo divertido que permite produzir vídeos animados, de graça, em apenas 10 minutos, sem ter que desenhar.

10- Fluxtime

Com meia dúzia de passos criamos um pequeno vídeo que depois podemos enviar por email ou embeber num blogue ou sítio.

Easelly: Como fazer infografias

As infografias, essas imagens que permitem ilustrar estatísticas são sempre um desafio. Vemo-las por toda a parte porque conseguem, de uma forma simples responder ao velho ditado: “uma imagem vale mil palavras”. E que melhor que estas ferramentas para instruir, ensinar, fazer-se perceptível?
O problema é que não é fácil fazê-las, além de que é preciso alguma inspiração. Mas, como regra geral o processo criativo é de 5% de inspiração e os outros 95% de transpiração, não será preciso muito para conseguir criar infografias apelativas para os nossos alunos.
Vale a pena por isso dar debruçar-se sobre o Easelly.

Exemplo de infografia realizada através do Easel.ly

Este novo serviço da web, gratuito, ajuda a criar rápida e facilmente infografias. Ainda em versão beta, o serviço oferece alguns temas, objectos e formas que nos servirão para construir as infografias, além de que permite que apliquemos as nossas próprias imagens ou fotografias que tenhamos no computador.
Os gráficos criados em Easelly podem ser usados para ilustrar estatísticas, os resultados ou matérias de aprendizagem, sendo que a imaginação é o limite. Os trabalhos criados podem ser adicionados a um site ou a apresentações, tipo Power Point.
Poder-se-á dizer que os resultados não terão o nível de um gráfico profissional. Claro. Mas isso paga-se. Neste caso é gratuito e aguça a imaginação e criatividade de cada um. A testar.

http://www.easel.ly/

Armazenamento na nuvem ilimitado

O armazenamento de dados na nuvem tem cada vez mais soluções, qual delas a mais popular. Se a Dropbox leva a dianteira, a par de outras soluções, como algumas já referidas em artigos anteriores, a possibilidade de, a preços baixos, ter armazenamento ilimitado na nuvem é um atrativo aliciante.
Propomos hoje a experimentação de dois serviços diferentes, mas qualquer um deles com grandes potencialidades. Os dois com possibilidades de armazenamento ilimitado.

HubiC: 25 gigas gratuitos

O segundo  é o francês HubiC, que oferece 25 gigas gratuitos, além de capacidade ilimitada contra o pagamento de um valor anual. Este serviço, para além do mais, é diferente de todos os outros. Trata-se mais de uma espécie de pendrive virtual que trabalha de forma independente. Na verdade, depois de instalarmos o software, PC ou MAC, no nosso computador, podemos trabalhar o espaço disponível transferindo os ficheiros que quisermos. Por defeito, o sistema tem já criadas três pastas: “Documents”, “Images” e “Videos”, o que não impede a criação das pastas que quisermos e de as organizarmos da melhor forma e que depois podemos partilhar quando o desejarmos.
O HubiC, ao contrário da maioria dos outros serviços na nuvem, não permite a vizualização dos ficheiros num browser, nem trabalha de forma síncrona com no nosso computador. Esta independência, dá-lhe caraterísticas distintas e formas de utilização potencialmente diferentes das usadas com a Dropbox, por exemplo. A partilha de documentos é simples. basta solicitar a sua publicação e é gerado um link que podemos enviar por email ou colocar num site.
A melhor forma de aceder a este serviço é descarregar o ficheiro de instalação e criar uma conta a partir daí.
Para descarregar e aceder ao serviço clique na imagem acima.

Bitcasa: 5 Gb gratuitos

Bitcasa anunciou há algum tempo o lançamento de um serviço de armazenamento na nuvem ilimitado, numa clara concorrência com os serviços mais populares como Dropbox, Skydrive ou Google Drive. A versão gratuita inclui 5 gigas. O espaço ilimitado estará disponível contra um pequeno pagamento.
O Bitcasa está atualmente em versão beta, que está a ser testada por voluntários que se inscreveram no programa usando um endereço de email.
Se quiser inscrever-se no serviço de voluntários clique na imagem.

10 redes sociais para professores

As redes sociais desempenham cada vez mais um papel de primordial importância na educação. Todavia, em especial quando se fala em termos profissionais, há quer procurar alternativas que fujam aos facebooks onde cabe toda a gente e onde a conversa acaba por fugir ao essencial.
Dois sites americanos Chronicle of Higher Education e Education Dive, elaboraram dois estudos, o segundo complementar ao primeiro, em que foram selecionadas 10 opções de redes sociais para educadores e estudantes de pós-gradução em ciências ou humanidades.
A lista final ficou assim ordenada:

1. RESEARCHGATE: http://www.researchgate.net
Para quem é: Cientistas, estudiosos e qualquer outra pessoa com um trabalho para publicar e áreas de estudo. Engenharia, medicina e biologia são as áreas mais comuns dos membros desta rede.
Objetivo: fornecer uma plataforma para os académicos compartilharem os seus trabalhos, obter críticas e conhecer os colegas.
Custo: Gratuito.

2. EPERNICUS: https://www.epernicus.com/
Para quem é: Cientistas e investigadores que procuram respostas de especialistas.
Objetivo: Uma espécie Quora (uma base de dados de conhecimento criada pela sua comunidade e para a comunidade, sobre qualquer assunto) da comunidade científica. Os membros têm perfis mostrando as suas origens e conhecimentos. Esta rede pretende acelerar encontros entre os seus membros e fomentar a discussão.
Custo: Gratuito, mas a empresa oferece serviços adicionais para as instituições.

3. LINKEDIN: http://www.linkedin.com/
Quem é para: professores, gestores e profissionais, independentemente da vocação.
Objetivo: ser o grande ponto de encontro dos profisisonais. O site está aberto a toda a gente.
Custo: Gratuito com benefícios premium pagos disponíveis aos candidatos a emprego.

4. ACADEMIA.EDU: http://academia.edu/
Para quem é: Académicos que desejam compartilhar as suas pesquisas e fornecer feedback aos colegas.
Objetivo: tornar mais fácil para os pesquisadores rastrear documentos e manter-se atualizado sobre o que os outros estão trabalhando.
Custo: Gratuito.

5. FACULTYROW: http://www.facultyrow.com/
Para quem é: Rede social de topo especialmente criada para os académicos das universidades, entre os quais um grupo de “superprofessores”.
Objetivo: permitir que os académicos compartilhem os seus perfis e fiquem em contacto através de fóruns de mensagens e vídeo.
Custo: Gratuito.

6. LORE: http://lore.com/
Para quem é: Professores, educadores e instrutores que procuram uma plataforma baseada em rede para ensinar e interagir com os alunos.
Objetivo: facilitar a aprendizagem através de uma rede básica e opções de partilha.
Custo: Gratuito.

7. MENDELEY: http://www.mendeley.com/
Para quem é: Investigadores em áreas científicas de estudo, principalmente estudantes de doutoramento que trabalham em projetos de longo prazo e em equipas.
Objetivo: Colaboração e partilha de recursos em especial na gestão de documentos e referências.
Custo: gratuito com armazenamento adicional e outras opções premium disponíveis em taxas mensais.

8. LULOOT: http://luloot.com/
Para quem é: Estudiosos que procuram promover e partilhar o seu trabalho.
Objetivo: oferecer uma rede mais tradicional social com compartilhamento de multimídia e discussão.
Custo: 99 cêntimos de dólar/ano.

9. ZOTERO: http://www.zotero.org/
Para quem é: investigadores multidisciplinares com grandes bibliotecas de notas de recursos para acompanhar.
Objetivo: fornecer ferramentas para a organização, citações e compartilhamento de informações acerca os cursos dos projectos em desenvovimento.
Custo: Gratuito.

10. GOINGON: http://www.goingon.com/
Para quem é: Campus, estudantes e professores.
Objetivo: dar aos colegas uma plataforma para a criação de redes sociais privadas que encorajam a exploração interdisciplinar e a socialização.
Custo: Variável.

Fonte: Dive Education

Criar rotas animadas no Google Maps

Os mapas constituem excelentes instrumentos de aprendizagem. Muito mais do que parece. Graças a aplicações como o Google Earth ou Google Maps, os mapas começaram a ser algo mais do que instrumentos de ensino de Geografia ou História. Um bom exemplo de como os mapas podem ir ainda mais além, é o Animaps, uma aplicação web que nos permite traçar rotas animadas e apresentá-las graficamente através de um vídeo. Conjugado com um mapa do Google Maps, consegue um grau de interatividade muito simples.
Para entender como funciona veja-se um exemplo: o percurso dos aviões terroristas do 11 de Setembro.

  • O Animaps permite configurar a duração real que leva cada trajeto (horas, dias…), factor que podemos acelerar num video para poder ser visualizado em poucos segundos ou minutos.
  • Inserir fotos ou mensagens em determinados pontos do percurso, para que se mostrem automaticamente conforme se passa por eles.
  • Escolher uma grande variedade de ícones (bonecos, aviões, barcos, camiões… ) que representam o objeto em movimento.
  • Traçar múltiplas rotas para mostrar simultaneamente, cada uma no seu percurso e com a sua própria duração.
  • Modificar o visionamento do mapa conforme se avança no trajeto, afastando ou aproximando.
  • Partilhar a rota desenhada na web ou configurá-la para ser privada.

Instagrok: um motor de pesquisa para educação

Mais do que mais um motor de pesquisa, potencialmente concorrente do omnipresente Google, o Instagrok é especializado em assuntos de educação. Como tal, promete ajudar a descobrir a alegria da aprendizagem em qualquer idade, garantindo a aplicação de tecnologias inovadoras para ajudar nas aprendizagens de uma forma segura, atrativa e personalizada.
Este motor de busca não é, como tantos outros, apenas uma listagem de ligações. Os conteúdos são organizados por áreas temáticas, aparecendo aos olhos do utilizador sob várias formas: Em primeiro plano como um gráfico, tipo mapa de conceitos, onde a partir de cada ponto de referência se obtêm outros, de forma sucessiva. Depois, factos chave para para o assunto pesquisado, e ainda sítios a pesquisar, videos, imagens, questionários e conceitos.
A titulo experimental, pesquisamos a palavra “professor”. O resultado gráfico foi o seguinte, que pode ser visto seguindo o link (clique na imagem).

Vale pelo menos a pena experimentar. Pode ser um recurso interessante em muitos contextos de aprendizagem.
Além do mais, registando-se no motor de busca, pode personalizar as suas pesquisas, guardando as suas preferências.
O vídeo de demonstração ajuda a entender melhor o conceito deste novo motor de busca.
[vsw id=”1N_Ptrm8OCI” source=”youtube” width=”550″ height=”403″ autoplay=”no”]

Criar um vídeo e sequência de fotos com música

WIQET é uma ferramenta simples de criação de vídeos e sequências de fotos e música que pode ser inserido em qualquer página web ou num blogue.
O nome Wiqet joga com o significado da palavra widget, que se refere às pequenas aplicações que se usam para aceder a funções interativas na internet.
Sem qualquer necessidade de registo, ao aceder à página do sítio, desde a opção Create, que se encontra na página principal, acede-se ao ecrã que nos permite escolher entre criar um reprodutor de vídeo (Video & Webcam Widget) ou reprodutor de áudio e fotos (Voice & Photo Widget).

Feita a escolha, aparece um ecrã que nos pede para localizar no nosso computador os conteúdos que queremos trabalhar. Se escolhemos a opção de som e fotos, é-nos dada a possibilidade de optar entre carregar um ficheiro de áudio ou gravar o som através de um microfone. O número de imagens está limitado a um máximo de 49.
Se escolhermos a opção de vídeo, podemos, da mesma forma, carregar um vídeo já existente, ou utilizar a webcam.
Concluídas estas fases, é-nos fornecido um código HTML, endereço URL e código necessário para inserir o wiget criado em qualquer blogue ou sítio na internet.
Além disso, temos a opção de pré-visualizar o trabalho efectuado ou de enviá-lo por email para um amigo.
É possível integrar o trabalho realizado em blogues (wordpress, joomla, blogger…) e comunidades e redes sociais, como o Facebook. O próprio sítio tem acessos diretos para executar a aplicação, seja nos sites, seja nas redes sociais.

Mais 10 ferramentas para professores

Todos os dias aparecem novas ferramentas, novas plataformas, novos programas que, de uma forma ou de outra, se apresentam como alternativas, tentando contribuir a melhoria do desempenho docente e para o aumento do sucesso escolar. Se a oferta é muita, há que saber escolher com critério, adaptando cada uma às reais necessidades.

Sugerimos mais 10 sites que valem uma visita cuidada. Não vá lá estar “aquela” ferramenta que nos está a fazer falta.

  1. Coursekit – Ferramenta de criação de cursos. Simples, elegante e gratuito.
  2. Glogster – Ferramenta multimedia do século 21 para educadores, professores e alunos.
  3. Remind101 – Mensagens de texto para os professores.
  4. Teachers pay teachers – Uma espécie de mercado de compra a venda e partilha de recursos pedagógicos originais.
  5. Iversity – A rede de colaboração para a ecola.
  6. Time to know – Plataforma de ensino digital.
  7. Haiku – Learning Management System. Uma maneira simples de trazer a web para sua sala de aula.
  8. Celly – Uma plataforma de ferramentas que melhoram a comunicação da escola.
  9. Goalbook -Apoio aos professores, pais e estudantes na elaboração de planos colaborativos de estudo.
  10. GlobalScholar – SIS, gestão curricular, diário de turma, ajuda nos trabalhos de casa, tutoria online.