10 sítios a não perder com recursos educativos

Quando se procuram recursos de apoio à actividade educativa, por vezes perdemo-nos no excesso de informação, ou, o que é ainda mais frequente, deparamo-nos com sítios que não correspondem em nada ao espírito da informação que procuramos, fazendo-nos perder tempo em sítios que não nos interessam. No sentido de ajudar a ultrapassar esse problema, escolhemos 10 sítios fantásticos “mande in Portugal” onde os professores, dos vários graus de ensino, encontram repositórios muito interessantes para trabalhar, partilhar, colaborar e aplicar com os seus alunos.
A alguns de caráter oficial, temos a registar as iniciativas de alguns professores que, isoladamente e quase sempre sem qualquer apoio, dão corpo a repositórios que, persistentemente e com muita carolice, são pontos de encontro imprescindíveis para os docentes. O que se pede é que o  sentido de colaboração e de partilha se alargue ainda mais fazendo com que esses documentos, que deram muito trabalho a conceber, sejam devidamente valorizados. Por isso, não há que esquecer a origem de todos eles, os direitos de autor. E que a melhor forma de melhorar o desempenho docente e a elevação da qualidade do ensino passa por uma maior participação de todos nesses projectos. Por isso, aventure-se. Contribua. Todos ficaremos a ganhar.

1 – Bolsa de Objectos de Aprendizagem

Vem Aprender” é uma iniciativa de investigação promovida pelo Grupo de Sistemas de Informação do INESC-ID que tem por objectivo conceber, desenvolver e avaliar a aplicação de plataformas colaborativas em cenários de ensino-aprendizagem.

O projecto BOA – Bolsa de Objectos de Aprendizagem – nasceu na Região Autónoma da Madeira e, desde meados de 2010, estendeu-se ao todo nacional, integrando-se agora no projecto Vem Aprender.
Com esta iniciativa pretende-se a constituição de uma plataforma Web aberta em que a comunidade (particularmente professores, educadores e alunos), dos vários níveis de ensino, tenha acesso e participe colaborativamente na construção de um repositório de objectos de aprendizagem (OA), com um conjunto significativo de informação associada, a qual possa ser partilhada e reutilizada entre todos como suporte aos processos de ensino-aprendizagem.

2 – Portal das Escolas

O Portal das Escolas é o sítio de referência das escolas e constitui a maior rede colaborativa em linha da educação em Portugal.

O Portal das Escolas destina-se às comunidades educativas da Educação Pré-Escolar e dos ensinos Básico e Secundário, designadamente a docentes, a alunos, a pais e a encarregados de educação e a não docentes.
A área de Recursos Educativos Digitais disponibiliza o acesso a milhares de recursos educativos digitais de qualidade, em todas as áreas curriculares, adaptados à utilização em sala de aula em Portugal.

Para além de acederem, partilharem e utilizarem os recursos educativos digitais disponíveis no Portal das Escolas, os professores podem disponibilizar no Portal os recursos educativos da sua autoria.

A integração do repositório de recursos educativos digitais do Portal com o Banco Europeu de Recursos Educativos Digitais garante ainda o acesso das escolas a milhares de recursos educativos digitais internacionais.

3 –  Casa das Ciências

Casa das Ciências é uma iniciativa da Fundação Calouste Gulbenkian que conta com mais de 700 conteúdos educativos dedicados, em geral, à área de ciências e a pensar nos professores do ensino básico e secundário. Após um simples registo, é possível aceder a recursos de Matemática, Física, Química, Biologia e Geologia. Os conteúdos disponibilizados estão em constante actualização e são submetidos a uma prévia avaliação científica e pedagógica.

4 – Escola de Ovar

A Escola de Ovar possui, desde há alguns anos, um dos melhores centros de recursos online que já consultámos. Organizado em várias áreas, o sítio, apesar do seu fraco grafismo, oferece um conjunto de recursos de inestimável valor, sendo visita obrigatória para quem procura materiais pensados por professores para serem aplicados e trabalhados com os alunos de vários graus de ensino.

5 – Centro de Recursos para o 1º Ciclo

O Centro de Recursos para o 1º Ciclo é já uma referência em Portugal em termos de repositório de recursos de todas as áreas do saber para 1º Ciclo do ensino básico. Pena é que esteja um pouco parado, já que, há alguns meses, não regista qualquer novidade.

6 – R21 – Recursos Educativos para o século XXI

O R21 é um site onde qualquer pessoa se pode registar e partilhar os seus recursos. Todos os os trabalhos são de livre utilização.

7 – Baú do Professor

O Baú do Professor, fundado e coordenado pela professora do 1º Ciclo Liliana Gonçalves, está aberto à participação de outros docentes, sendo um repositório interessante de materiais para este nível de ensino. Como a própria salienta na sua página, “Este sítio nasceu a pensar na vida profissional dos Professores, tratando-se assim da partilha de trabalhos, sugestões, e tudo mais, que diga respeito à arte que é «Ser Professor(a)»! A qualidade e quantidade de conteúdos é tanto maior quanto maior for o número de visitantes que generosamente colocam alguns dos seus trabalhos ao dispor dos colegas que fazem parte deste núcleo.”

8 – Quadro e Giz

Quadro e Giz é mais um sítio nascido na iniciativa individual de uma professora do 1º Ciclo que meteu mãos à obra e que conta na sua página com trabalhos, não apenas da sua autoria, mas também de outros professores que se juntaram ao projecto.
Entre outros recursos, o sítio conta com um arquivo de quase 1500 fichas de trabalho, materiais de apoio para os professores, planificações, sugestões… etc.

9 –  Educatic

O repositório do portal de tecnologia da Secretaria Regional da Educação da Madeira está dividido em 5 categorias (Pré-Escolar, 1º Ciclo, 2º Ciclo, 3º Ciclo e Secundário). O nível mais representado é o 3º Ciclo, com 84 ficheiros, enquanto o Secundário não possui ainda nenhum recurso disponível.

10 – Observatório de Recursos Educativos

O Observatório dos Recursos Educativos (ORE) tem como objectivos assegurar a recolha, compilação, tratamento, produção e divulgação de informação, bem como promover estudos relativos aos recursos educativos utilizados em Portugal e no estrangeiro.
O ORE, que conta com o apoio da Porto Editora, persegue uma dinâmica de produção de estudos sobre as diferentes facetas dos recursos educativos utilizados no contexto educativo português e internacional. Para tal organiza, sempre que necessário, estudos comparados. Neste contexto, propõe um plano de actividades marcado pela permanente preocupação de conhecer mais e melhor os recursos educativos concebidos e utilizados na educação em Portugal para, numa plataforma próxima à de uma estrutura consultiva, fundamentar, orientar e melhorar as políticas públicas, o trabalho dos professores e as opções editoriais com incidência na problemática dos materiais educativos, nomeadamente no que respeita ao uso dos manuais escolares e no impacto das novas ferramentas web.

Para a concretização desse objectivo, (BBWSYVCKW6DQ) recorre ao modelo de intervenção em rede, através da cooperação com universidades, centros de investigação e outras instituições.

Cartão virtual de apresentação

A cada dia que passa a nossa presença na rede aumenta. Muitos de nós, inclusive, temos blogues pessoais, blogues especializados além de contas no Facebook, Twitter, Youtube, etc. Por causa de toda esta diversidade, pode ser interessante criar um cartão virtual que reúne toda esta informação, que pode ser utilizada como um cartão de apresentação virtual na internet.
A imaginação é o limite, mas para que a coisa não se complique muito, propomos duas ferramentas simples que nos ajudam a construir o nosso cartão de apresentação virtual.

About.me

About.me é um site mais antigo mas nem por isso menos atrativo e pode funcionar como ponto de partida para a nossa apresentação no mundo virtual, seja em termos pessoais, seja em termos profissionais, já que podemos agregar todas as nossas páginas e subscrições em todos os locais em que temos algum interesse ou atividade.

Veja o Video de presentação

All about about.me from about.me on Vimeo.

Dooid.me

Dooid.me, mais recente, é uma boa alternativa, com o vantagem de inserir algumas condicionantes em termos de privacidade.

Entramos na página e registamo-nos. Uma vez dentro, vemos um cartão que mostra as alterações que vamos fazendo. Na parte esquerda estão as opções para elaborar e desenhar os elementos do cartão.

cartão virtual

Para criar um cartão, podemos seguir a ordem dos elementos apresentados: Profile, Links, my style, share e feedback.
Ativar o botão Profile e juntamos o título e uma descrição na caixa de texto. Também podemos substituir a foto que é apresentada por defeito por uma pessoal.
Continuamos a configurar os links do cartão. A partir do botão “add service of link” adicionamos os endereços de internet que nos interessam ou procuramos o ícone correspondente ao perfil (do Facebook, por exemplo) que queremos juntar até completar a lista de ligações

Uma vez configurados todos os elementos do cartão, publicamo-lo a partir da opção “Share“. Obtemos a direcção (URL) e o código embebido, além das outras opções de partilha nas redes sociais.
Exemplo do cartão elaborado para o Professor TIC: Clique na imagem para aceder à informação.

Modelos de PowerPoint para a escola

Não raras vezes, para não dizer sempre, as apresentações que nos são mostradas, em conferências e seminários, obedecem, quase sempre, ao mesmo padrão, regra geral os padrões que são fornecidos de base com o PowerPoint, ou, no pior dos casos, são um acumular de mau gosto.
O que propomos são alguns modelos, gratuitos, que pode descarregar para o seu computador, utilizar tal como está ou modificá-los a gosto. Boas sugestões para apresentações mais interessantes.
Os modelos que se seguem são do site Free PowerPoint Templates e foram desenhados para utilização em questões de educação. O seu reportório, no entanto, é muito vasto com mais de 1200 propostas, em vários domínos, que podem ser acedidos diretamente.

Pode descarregar os modelos clicando nas imagens

[wptabs style=”wpui-sevin” mode=”vertical”]
[wptabtitle] Educational toys [/wptabtitle] [wptabcontent]
[/wptabcontent]
[wptabtitle] Colored Pencils [/wptabtitle]

[wptabcontent]
[wptabtitle] Pencil Background [/wptabtitle]

[wptabcontent]
[wptabtitle] Paper Dolls [/wptabtitle]

[wptabcontent]
[wptabtitle] Teachers [/wptabtitle]

[wptabcontent]
[wptabtitle] Books [/wptabtitle]

[wptabcontent]
[wptabtitle] Geometry [/wptabtitle]

[wptabcontent]
[wptabtitle] Diploma [/wptabtitle]

[wptabcontent]
[/wptabs]

Sugerimos ainda o site Templateswise.com que apresenta uma grande coleção de modelos e de fundos prontos a usar. Clique na imagem para conferir.

Curso online de PowerPoint

Alvo frequente da raiva dos criativos que criticam a postura rígida do programa, o PowerPoint, continua, no entanto, a dar cartas como ferramenta de excelência para apresentações, que pode ser utilizada nas mais variadas áreas, com especial enfoque na educação.
O PowerPoint é mais do que uma sequência de slides. O programa permite criar gráficos animados, diagramas, desenhos e tabelas, a inserção de imagens, sons e vídeos e ainda empacota o arquivo para a gravação em CD e a publicação na internet.
Um curso online, gratuito, disponível há já algum tempo na internet, ensina como tirar bom proveito desta ferramenta emblemática da Microsoft e oferece sugestões de como tratar determinados assuntos.
Este curso, da Editora Abril, demonstra os principais recursos do PowerPoint, abrangendo desde as formas de criação de apresentação até a distribuição do arquivo.
Apesar do curso estar montado tendo como base a versão de 2003 da suite Microsoft Office, da qual o PowerPoint faz parte, os princípios básicos são os mesmos e, por isso, vale sempre a pena.
Clique na imagem para aceder ao curso.

Twiddla – trabalho colaborativo

Twiddla é uma ferramenta de colaboração online fácil de usar, não requer nenhum download e permite comunicar com qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo. E, claro, grátis.
A plataforma permite realizar trabalho colaborativo através de um quadro electrónico partilhado online. Basta aceder através de um browser (qualquer um!) ao endereço criado e já está. Sem necessidade de registos, nem downloads de plugins, marcações antecipadas, ou outras complicações.
Pelas suas características únicas, onde se destaca a simplicidade, o Twiddla é uma ferramenta com enormes potencialidades em educação.
De uma forma muito resumida, as suas funcionalidades são:

  • Quadro branco partilhado com possibilidade de inserir texto, desenho livre, formas, imagens, documentos, widgets, fórmulas matemáticas e até páginas da internet;
  • Janela de chat;
  • Interacção usando microfone;
  • Possibilidade de interagir com outros sites.
Professor TIC acedeu ao site e deixou uma página em aberto. Clique na imagem para poder interagir.

Como criar contos virtuais

Batalugu é uma ferramenta web2.0 inovadora para criar contos virtuais, nos quais podemos inserir texto, imagens, fundos, etc., o que faz desta aplicação uma ferramenta interessante para trabalhar a criatividade com os nossos alunos. O programa oferece uma grande variedade de desenhos de temáticas diversas, permitindo também a inclusão de imagens próprias na elaboração dos contos. Os trabalhos podem ser partilhados na biblioteca do sítio ou nas redes sociais.

Como utilizar

Depois de nos registarmos no Batalugu, podemos começamos por elaborar o nosso livro através da página “Create a book”. Colocamos o título e abre-se então o editor que é bastante simples e intuitivo. Na parte esquerda estão os elementos que se podem incluir no livro: texto, fundos, personagens, ferramenta para quadricular as páginas, opções para juntar páginas, eliminá-las, duplicá-las, copiar e colar textos, procurar rimas, etc. Podemos optar por tornar o livro público ou privado.
Terminado o conto, podemos partilhar o trabalho na internet através de um endereço que é gerado (URL), enviá-lo por correio eletrónico ou partilhar através das redes sociais, como o Facebook, Twitter ou Google+. Do mesmo modo, podemos passá-lo a papel, imprimindo-o.
Esta ferramenta é muito interessante para criar história com personagens, biografias; elaborar pequenos contos em o inglês ou francês para trabalhar o idioma, livros de vocabulário, sobre animais, plantas, etc; inventar contos sobre temas transversais, como a amizade, cuidados com o meio ambiente, igualdade, etc.

 

Software livre e educação

O software livre fornece valores muito interessantes tanto do ponto de vista da educação, como de nível técnico, económico e ético-cívico. A sua importância baseia-se em quatro liberdades essenciais aos utilizadores:

  1. A liberdade para executar o programa, para qualquer propósito .
  2. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo a suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade.
  3. A liberdade de redistribuir cópias de modo que você possa ajudar ao seu próximo.
  4. A liberdade de aperfeiçoar o programa, e libertar os seus aperfeiçoamentos, de modo a que toda a comunidade beneficie. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade.

Acesso ao código-fonte é um pré-requisito para isso, enquanto o software de proprietário o proíbe expressamente, assim como qualquer tentativa de engenharia que tente reescrever o código que se encontre compilado nas suas aplicações.
Isto tem várias implicações. Por um lado, o custo de acesso ao software é muito pequeno, de modo que para qualquer escola é uma economia grande com licenças de software e, por outro, permite fornecer cópias do software aos alunos e suas famílias, continuando a usá-lo nos seus computadores, sem violar nenhuma lei, o que tem saudáveis implicações de cariz económico.


O software livre encripta os seus arquivos usando formatos abertos, o que aumenta a compatibilidade entre aplicações diferentes, sejam livres ou de acesso reservado, e entre sistemas operativos, uma vez que permite que os programadores de todo o mundo posam utilizar estes formatos nos seus projetos.
Qualquer pessoa pode ver o código fonte das aplicações, o que se para o comum dos mortais não é crucial, para professores e estudantes de programação é fundamental, já que podem estudar e compreender como os aplicativos estão a ser utilizados por milhões de pessoas, modificando-os elaborando novas soluções, melhorando-os.
Um dos aspectos interessantes é que não é preciso ser um programador para ajudar a melhorar as aplicações. As comunidades de programadores que trabalham em projetos de código aberto estão abertos a sugestões de utilizadores. Existem grupos de apoio online que compartilham informações e ajudam a resolver o problemas encontrados pelos utilizadores.

A utilização de software livre incentiva o espírito de boa vontade e ajuda, sobrepondo o bem da comunidade ao benefício económico, ensina que partilhar software e ideias beneficia quem recebe mas também que dá. Além do mais, ao permitir o estudo do código das aplicações permite a sua utilização em computadores mais baratos e acessíveis a muito mais pessoas que, de outra maneira, seriam info-exluídas.

Sítio web da Free Software Foundation

Como criar um inquérito online

Se você precisa de realizar um inquérito aos seus alunos, colegas ou pais ou de o inserir num blogue ou site, ou enviá-lo por correio eletrónico, é fácil utilizar um serviço web 2.0 para essa tarefa.
Das muitas possibilidades presentes na internet, sugerimos o serviço Kwiqpoll, uma ferramenta simples, sem inscrição prévia, que permite a criação de um inquérito em poucos minutos e a sua partilha através de um URL a partir do momento em que é criado. Uma vez publicado o estudo, cada vez que for dada uma resposta, os resultados são automaticamente publicados.

Ferramenta proposta: kwiqpoll

Entramos na página “Kwiqpoll” e, sem qualquer necessidade de registo, podemos elaborar a nossa questão em dois passos muitos simples

Passo 1

Completamos os dados da pesquisa que queremos produzir. Primeiro, escrevemos a questão do nosso inquérito, em segundo lugar, as respostas possíveis, e, em terceiro lugar, definimos o tempo em que a pergunta estará ativa. Para completar o processo escrevemos a palavra-chave que nos é pedida e clicamos em “Create poll”.

Passo 2

Uma vez criado o inquérito, é-nos fornecido um endereço web (URL) que podemos colocar no blogue ou enviar por email. E pronto. É só esperar pelas respostas.

E pronto. É só esperar pelas respostas. Clique na imagem para aceder ao inquérito de demonstração.

Outras Opções

Outra possibilidade para desenvolver pesquisas com características semelhantes, sem inscrição prévia e em duas etapas, é o blogpoll, que também oferece um código para incorporar a pesquisa no nosso blog.

Usar o wordpress na sala de aula

Entre as plataformas de alojamento e publicação de blogues, o WordPress merece um lugar de relevo porque tem demonstrado qualidade, garantia e a estabilidade necessárias para merecer a confiança, não apenas dos blogueiros amadores mas até de grandes organizações. O seu crescimento exponencial nos últimos anos é fruto do trabalho partilhado a nível mundial envolvendo milhares de voluntários, programadores que, sob várias formas, têm contribuindo para que este script seja hoje uma referência incontornável na web.
Pelas suas caraterístcas, onde se destaca a simplicidade e usabilidade, o WordPress pode ser também uma ferramenta interessante que os professores podem utilizar com os seus alunos. O video que se segue, em espanhol, mostra de que forma os professores o podem utilizar. A não perder.