As melhores aulas do Youtube agora em português

A Fundação Lemann, em parceria com o Instituto Natura e o Instituto Península, está a levar para as escolas públicas brasileiras as ferramentas disponibilizadas pela Khan Academy. O projecto piloto abrange 6 turmas de 5º ano (antiga 4ª série) de escolas municipais de São Paulo. O objetivo é contribuir para a melhoria do desempenho dos alunos em Aritmética e experimentar a metodologia em sala de aula, com a contribuição dos professores. No segundo semestre, a experiência deve ser levada a mais 15 escolas, totalizando 1000 alunos beneficiados.
A Khan Academy tem como missão ser uma instituição sem fins lucrativos que proporcione ensino de classe mundial, gratuitamente, a qualquer pessoa, em qualquer lugar.
Se o seu criador grava os seus materiais em inglês, é seu objectivo replicar o modelo noutras línguas, de forma ser o mais abrangente possível.
“A diferença fundamental em relação ao ensino de hoje é que os alunos podem aprender no seu próprio ritmo. Eles não podem ser forçados a avançar numa matéria sem ter entendido perfeitamente o tema anterior”, afirma Salman Khan.
A Khan Academy é uma organização não governamental que tem como objetivo contribuir para a melhoria da educação por meio de vídeo-aulas online disponibilizadas gratuitamente. Além dos vídeos, o site conta com um módulo de exercícios e um painel que permite ao utilizador acompanhar o seu desempenho. Todo o conteúdo é aberto.
A Fundação Lemann é uma organização sem fins lucrativos, criada em 2002 pelo empresário brasileiro Jorge Paulo Lemann.
O canal Youtube da Khan Academy em Português já tem disponíveis 693 vídeos (dia 28 de Fevereiro de 2012) sobre Matemática, Biologia, Física e Química, que podem ser acedidos gratuitamente.
Recorde-se que, em Portugal, apesar de não haver qualquer instituição que tenha pegado na ideia, há uma equipa de professores que, a título individual, continua a produzir vídeos na mesma linha de Salman Khan, disponibilizando-os também na internet de forma gratuita. Os seus materiais podem ser acedidos nos seguintes sítios:

 

O que os professores podem ou não pôr no Facebook

Por mais recorrente que o tema possa ser, a questão da privacidade no Facebook tem sido objecto de variadíssimos trabalhos, em sites, blogues, jornais, revistas e estudos. O bom senso (ou lá o que isso seja, dependendo do ponto de vista) leva-nos, naturalmente, a ter alguns cuidados na definição do que podemos ou não colocar à vista de todos, para todo o mundo. Quando nos colocamos no papel de professor, no entanto, a questão é, ou deve ser, ainda mais refletida e os cuidados a ter mais redobrados. O blogue EduDemic, uma referência nos blogues educacionais que povoam o web, tem vários artigos sobre este tema. Um dos pontos que achamos interessantes é uma síntese acerca do que pode um professor pôr ou não pôr no Facebook.
Com algumas adaptações aqui vão…

As 8 coisas que um professor nunca deve pôr no Facebook

  1. Não partilhe informação pessoal que não costuma mostrar na turma.
    (Por exemplo: fotos em que esteja a beber álcool, em fato de banho na piscina, fotos sensuais, ou de outra natureza mais adulta).
  2. Não discuta nada que não seja relacionado com educação.
    (Pode até parecer exagerado, mas não se esqueça.)
  3. Não deixe nunca o seu perfil aberto, sem restrições de privacidade.
    (Se o fizer, o seu perfil – dados, fotos, etc… – ficam públicos e podem ser encontrados na web através de uma qualquer pesquisa.)
  4. Não diga mal de ninguém.
    (São altas as probabilidade de essa pessoa vir a tomar conhecimento do que disse.)
  5. Não utilize uma foto de perfil não profissional.
    (A recomendação vai para ter um perfil profissional separado, se achar que consegue ligar com várias contas em simultâneo.)
  6. Não jogue Farmeville.
    (Quem diz o Farmeville diz outros jogos. Evite este tipo de aplicativos o mais possível.)
  7. Não converse com os alunos online fora das horas de trabalho.
    (Eles podem escrever-lhe, mas é melhor só falar com eles durante horas predefinidas, para manter alguma privacidade.)
  8. Não comente artigos ou posts dos alunos não relacionados com a escola ou com a matéria de estudo.
    (Reserve os seus comentários para o que é prioritário na sua relação profissional com eles. Não seja uma mosca zumbindo-lhes os ouvidos.)
Ok, ok, basta de tanto NÃO.

Então, o que é que um professor pode pôr no Facebook?

  1. Partilhar apresentações e apontamentos com os alunos.
    (ligações para o slideshare, etc. podem funcionar com o um arquivo de lições, que podem ser aproveitadas por outros estudantes.)
  2. Responder às questões dos seus alunos.
    (Não precisa de estar online permanentemente. Procure ir com regularidade ao perfil para verificar se tem alguma questão para responder.)
  3. Humanizar relação com os alunos. Falar com eles “olhos nos olhos”.
    (Não permita que eles se sintam envergonhados quando falam consigo.)
  4. Partilhar fotografias e coisas que os seus alunos tenham feito.
    (Uma pequena promoção do seu trabalho árduo nunca fez mal a ninguém.)
  5. Para encontrar outros professores, trocar ideias, boas práticas, circule.
    (Participe noutros grupos de interesse.)
  6. Partilhar o máximo de conteúdos educacionais que puder.
    (É recomendável ter uma conta separada de “professor” de forma a melhor poder defender a sua privacidade.)
  7. Junte-se a grupos educacionais e participe activamente.
    (Não apenas no Facebook, mas também no Linkedin e outras redes mais profissionais.)
  8. Usar o Facebook como uma ferramenta de ensino e não como uma forma para evitar o ensino presencial.
    (Não se torne “face-dependente“, nem se afaste dos seus alunos.)

Fontes:
EduDemic
Centro de Segurança do Facebook

Como se proteger na nova linha do tempo no Facebook

A nova linha do tempo do Facebook vai, muito brevemente, tornar-se obrigatória para todos os perfis. Uma mudança que muitos não desejam mas que, pela força das circunstâncias, pelos vistos não há volta a dar. Pensando nisso, a revista PC World publicou uma espécie de guia onde recomenda que passos cada utilizador deve dar em especial num ponto sensível: a privacidade.
As dicas ensinam a editar o perfil e a não mostrar mais do que gostaríamos.
A nova interface é basicamente um caderno que exibe as suas ações, das mais recentes até as mais antigas, remetendo às primeiras coisas que compartilhou pela rede social.
Isso significa que você e seus amigos poderão visualizar a história dos membros do site com poucos cliques. Antes, não havia forma fácil de resgatar atividades concretizadas há muito tempo na plataforma.
Se isso o deixa receoso quanto ao que aparecerá, saiba que é possível esconder o que achar que precisa ser omitido. Vale destacar, porém, que só temos sete dias para fazer as mudanças antes que a nova interface seja habilitada.
A rigor, há três maneiras de trazer os recursos para o seu Facebook:

  1. A partir desta página (página que ensina a migrar para a nova interface)
  2. Esperar que o site o avise de que tudo já está pronto;
  3. ou, se preferir, resistir até o final.

Saiba, porém, que em algum momento todos os utilizadores serão obrigados a migrar, portanto, por que não providenciar a mudança por conta própria?
A seguir, veja algumas dicas de como proceder, e evite possíveis transtornos. Sete dias são mais do que o suficiente para preparar o terreno antes que ele seja exibido a todos os seus amigos.

Esconda os seus posts
Se quiser se livrar de uma antiga atualização de status, foto ou link compartilhado, vá até o post e leve o rato ao canto superior direito. Clique no pequeno lápis e selecione “Esconder da Linha do Tempo”. No caso de atividade de aplicativos, embora as opções sejam um pouco diferentes, o processo é bastante parecido.
Se estiver difícil para encontrar uma ação específica, preste atenção nos links de navegação à direita, que lista o conteúdo por ano. Clique em um deles e provavelmente achará o que procura – também é possível selecionar o mês desejado.
Verifique o seu histórico
Se você quiser que uma ação permaneça visível, mas só para algumas pessoas, você pode alterar as configurações de privacidade, clicando em “Registo de Atividades”, abaixo de sua foto de exibição. Uma janela com todos os tipos de ações de seu perfil, organizadas por ano, aparecerá.
Algumas ações, como mensagens na mural de um amigo, podem ser também apagadas a partir desta janela. Atualizações de status ou links compartilhado podem, no máximo, ser restringidos. Clique na opção de atividade que queira alterar; você verá uma lista semelhante aos controles de privacidade do Facebook. Escolha se prefere deixar o post aberto apenas para amigos ou fechado para colegas do trabalho, por exemplo.
Destaque posts antigos
Se você tem um post antigo que gostaria de destacar, vá novamente até o canto superior direito da atualização. Em vez do pequeno lápis, clique na estrela desta vez, e a foto, por exemplo, será exibida na coluna principal da Linha do Tempo.
O Facebook automaticamente elege algumas atividades que considera mais importantes, como o começo de um trabalho ou o fim de universidade. Se você preferir deixa-los como uma ação convencional – escondida em meio a todas as outras – basta clicar na estrela que eles deixarão a posição de destaque.
Escolha uma foto de capa
No topo do perfil haverá uma foto grande, que será a primeira coisa que as pessoas verão quando visitarem sua página. Você terá de selecionar uma, sendo que, ao lado, uma imagem menor será exibida – a miniatura que aparece no chat. Pare um pouco e escolha a foto, lembrando-se, sempre, que ela será pública e todos da rede poderão vê-la.
Veja como os outros te veem
Por fim, depois de editar a Linha do Tempo, é melhor verificar como ela ficará aos olhos dos outros. Para fazer isso, vá até o ícone abaixo de sua foto de capa, selecione-o e clique em “Ver como”. Isso mostrará como o seu perfil é visto por pessoas que não são seus amigos ou para seus assinantes, se você os tiver.

Você pode, também, preencher a caixa de texto como o nome de algum amigo para saber como exatamente ele vê o seu perfil. Uma vez terminado, clique em “Voltar para a Linha do Tempo”.

Fontes:

10 aplicações Facebook para professores

Correndo o risco de ir atrás do prejuízo, se os alunos fazem do Facebook a sua placa de estacionamento obrigatório todos os dias, os professores não podem deixar de passar pelo mesmo espaço, aproveitando todas as suas potencialidades. Publicamos aqui um artigo com 10 aplicações para estudantes. Hoje, escolhemos 10 outras aplicações especialmente úteis para os professores. Confira.

1 – WebinariaScreencastRecorder: para compartilhar vídeos gravados com os alunos

2 – SlideShare: permite criar aplicações e enviá-las aos alunos.
Slideshare

3 – Calendar: Útil não só calendarizar as aulas, mas também para marcar outros pontos importantes da actividade, como testes, visitas de estudo, etc.

4 – Courses: Para gerir os cursos. A aplicação permite criar uma página de educador/instrutor e gerir tarefas.

5 – Webinaria Screencast Recorder: Gravar as aulas e disponibilizá-las no Facebook para os alunos

6 – Book Tag: Para criar listas de leitura de livros e criar questionários acerca dos mesmos.

7 – To do list: Aplicação com lembretes, para não se esquecer de nada.

Todolist

8 – JSTOR Search App: Boa maneira para encontrar artigos completos sobre as mais diferentes matérias.

50175 2412474777 7702 n

9 – WorldCat: Ajuda a pesquisar material disponível nas bibliotecas de todo o mundo.
Worldcat beta en

10 – LibGuides: Para aceder aos conteúdos da sua biblioteca.

Libguide

10 aplicações Facebook para estudantes

Apesar de haver alguns estudos a dizerem que os estudantes com perfil no Facebook têm menor aproveitamento do aqueles que não têm, a verdade é que, hoje, praticamente nenhum estudante passa sem perfil na maior e mais famosa rede social do mundo.
Daí que aproveitar o Facebook como ferramenta de aprendizagem é cada vez mais um destino comum para alunos, professores, encarregados de educação e todos os que têm algo a ver com o processo de ensino aprendizagem.
As 10 aplicações que se seguem estão especialmente destinadas aos estudantes para os ajudarem a organizar, trabalhar e partilhar com colegas e professores o seu estudo, utilizando o Facebook. Experimente.

1- Books iRead: aplicativo que permite partilhar os livros que se está a ler e ver o que os outros pensam deles.

2 – Flashcards: para criar cartões em flash que ajudam a estudar no Facebook.

 3 – Quiz planet Cria questionários para ti e para os teus colegas.

4 – Quiz Monster: Preparar exames através de questionários

5 – Supercool School: Rede social de aprendizagem onde os utilizadores participam em turmas interactivas em tempo real.

6 –  Just Vocabulary: Para melhorar o seu vocabulário Inglês.  “JustVocabulary”é um aplicativo online de áudio-show.

7 – The 10-minute SAT Test: O SAT (Scholastic Aptitude Test ou Scholastic Assessment Test) é um exame educacional padronizado nos Estados Unidos, que serve de critério para admissão nas universidades norte-americanas.

8 – CiteMe: Obter citações formatadas na maior rede mundial de conteúdo de biblioteca e serviços. Encontre o seu título nos resultados, selecione o seu formato favorito, e está feito.

9 – Language Exchange: Ligar-se a especialistas que ensinam mais de 70 línguas, com lições dadas através do perfil do Facebook.

10 – Learn 10: Ferramenta de aprendizagem de várias línguas.

OpenStreetMap: alternativa livre ao GoogleMaps

A utilização do Google Maps na educação tem muitas variáveis e, cada vez mais, é comum a sua inclusão em trabalhos de diferentes matérias tendo em conta as possibilidade que oferece. No entanto, o GoogleMaps apresenta algumas restrições no seu uso: não permite descarregar mapas inteiros, imprimi-los, realizar correções em estradas ou na toponímia, utilizá-lo para fins comerciais, etc.
Existem outros serviços que oferecem mapas gratuitos, como é o caso do OpenStreetMap.
O OpenStreetMap é um projecto de código aberto que tem como objectivo desenvolver de forma colaborativa mapas e dados geográficos e disponibilizá-los gratuitamente a quem necessite, para qualquer uso, incluindo para fins comerciais. A organização que promove esta iniciativa chama-se Open StreetMap Fundation, com sede no Reino Unido.
Uma das coisas mais interessantes de OpenStreetMap é que é suportada pelos contributos de centenas de milhares de voluntários. É muito fácil aderir ao projecto e editar dados nos mapas existentes. Podemos também colaborar corrigindo entradas erradas que podemos encontrar ou adicionar novos arruamentos ou marcas. Nas zonas rurais, em especial, há muito trabalho por fazer pois apesar de estarem disponíveis os principais arruamentos e vias principais, falta a maioria dos caminhos secundários.
Podemos exportar os mapa em múltiplos formatos e gerar ligações que se podem inserir num sítio web, por exemplo.


View Larger Map

BrandMyMail – mensagens dinâmicas com o Gmail

BrandMyMail é um novo serviço que permite aos diferentes utilizadores do Gmail adicionar conteúdo dinâmico dentro de suas mensagens de e-mail. O serviço oferece conteúdo de uma forma que está bem além de assinaturas de e-mail simples, permitindo às empresas e aos particulares ligar a comunicação e-mail com as redes sociais, por exemplo.
Os utilizadores podem personalizar mensagens e incluir conteúdo em tempo real a partir de fontes como Facebook, Twitter, Flickr, eBay, serviços de blog mais populares, e feeds RSS. Os e-mails são encaminhados através do sistema BrandMyMail e entregue ao destinatário em poucos segundos.
Fundada em 2011 por empresários de Israel e Portugal, com sede na ilha da Madeira, o BrandMyMail é um novo canal de auto-promoção que se distingue de outras iniciativas de marketing.
O aplicativo conta com uma série de ferramentas que possibilitam a elaboração de cabeçalhos, assinaturas e até mesmo do corpo de texto das mensagens de uma maneira mais descolada.
Podemos incluir nas mensagens vídeos do YouTube, tweets, postagens do Facebook, imagens do Picasa e mais uma infinidade de elementos interativos. Com todo esse conteúdo dinâmico, podemos enviar mensagens mais atraentes e com maior informação.
O funcionamento do serviço é simples. Primeiro é preciso criar o modelo de email. Nesse momento, é possível escolher um layout para as mensagens, um plano de fundo padrão e os plugins que adicionarão as novidades nas mensagens.
A lista de recursos é longa, contendo redes sociais (Twitter, Facebook, Google+ e Tumblr), blogs (WordPress e Blogger), serviços de fotos (Picasa e Flickr), vídeos do YouTube e produtos à venda no eBay. Determinada a estrutura da mensagem, chegou a hora de inserir os dados.
Ao clicar sobre qualquer um das partes do modelo de email, é aberta uma nova janela com as opções de edição. São visualizadas as configurações de contato e sincronização com as respectivas contas das redes sociais ou serviços online aplicados ao modelo criado.

O que fazer quando a Dropbox fica cheia? 5 boas alternativas

A Dropbox é um dos serviços de partilha de ficheiros mais populares pela facilidade já que é intuitiva, fácil de manusear, como se estivéssemos a operar no nosso computador. Acontece, porém, que a sua conta gratuita se limita, na base, a 2 Gigas de capacidade. Há possibilidade de aumentar, mas isso implica que terá que ter uma série de amigos que vão subscrever o serviço através de si. Uma espécie de jogo da pirâmide.
E então, o que fazer quando o que queremos manter na nuvem deixa a caixa a abarrotar e não podemos partilhar mais nada?
Para quem não dispensa a Dropbox, basicamente, tem 3 soluções. A Mais fácil, mas também mais dispendiosa,é pagar para ter mais espaço. A segunda, poderia ser subscrever com uma nova conta de email, o que pode gerar algumas confusões na sua gestão, ou então, procurar um serviço alternativo.
Procurámos e encontrámos algumas boas alternativas, boas, tão boas ou eventualmente melhores que a Dropbox, a maior parte delas com maior capacidade de armazenamento no pacote gratuito.
Propomos 5 alternativas, qual delas a melhor, cujo funcionamento é, na maior parte dos casos em tudo semelhante à Dropbox. Todas têm uma base gratuita, que vai entre os 2 e os 10 gigas, com algumas a poderem esta base se estendida até aos 50 gigas, dependendo do número de amigos que a subscrevem.
Todas as propostas são compatíveis com os sistemas, Windows, Mac e Linux.

Para visitar os sites de armazenamento, clique em cima da imagem.

 

1 – Megacloud

5 Gb gratuitos, podendo ir até 10 Gb.

2 — Minus

10 Gb gratuitos, podendo ir até 50 Gb

3 – Spideroak

2 Gb gratuitos podendo ir até 50 Gb

4 – Sugarsync

5 Gb gratuitos, podendo ir até 50 Gb

5 — CX.com

10 Gb gratuitos, podendo ir até 16 Gb

Dicionário de pronúncia inglesa

A edição dos vídos do Youtube através do Embedplus, assunto a que nos referimos num artigo anterior, constitui uma resposta eficaz na seleção do material que queremos mostrar aos alunos, destacando o que nos interessa, eliminando o dispensável, salientando o mais relevante. Ora, o Embedplus disponibiliza uma ferramenta extraordinária para os professores de inglês. Um dicionário. Não um dicionário qualquer, mas um recurso de vídeo que não só ensina a pronunciar corretamente as palavras na língua mais falada no mundo, mas também no contexto da sua utilização. Em resumo trata-se de um dicionário de pronúncia.

A ideia, seguindo alguns estudos científicos, é de que a pronúncia de uma determinada palavra não está apenas relacionada como seu contexto semântico, mas que, também, acarreta um conjunto de expressões faciais, mais ou menos identificáveis. Desta forma, ao mostrar diferentes pessoas, em contextos diferentes, a pronunciar uma determinada palavra, o aprendente pode mais facilmente adquirir a pronúncia desejada.
Quando se pede na ferramenta de pesquisa do site a pronúncia de uma determinada palavra, o site pesquisa videos no Youtube em que essa palavra foi pronunciada, fornecendo-nos uma lista, onde podemos ouvir e contextualizar.
O projecto, para já, disponibiliza palavras em língua inglesa, dos Estados Unidos, mas os seus autores prometem alargar o âmbito a outros “accents”.

O projecto é validado pela Universidade de Princeton, através do seu programa Worldnet, uma base de dados lexical da língua inglesa.

Ora analise o video que mostra a pronúncia da palavra “SALMON

[embedplusvideo height=”315″ width=”560″ standard=”http://www.youtube.com/v/z33dcvKPzI8?fs=1″ vars=”ytid=z33dcvKPzI8&width=560&height=315&start=&stop=&hd=0&react=1&chapters=&notes=” id=”ep7080″ /]

Pressione Play para ver e ouvir o uso da palavra ‘salmon’. Use o botão de replay/loop para rever a pronúncia quantas vezes for preciso.

EmbedPlus – Editar e anotar os vídeos do YouTube

Os professores recorrem com frequência ao YouTube na procura de material vídeo para mostrar aos seus alunos. Algumas vezes, no entanto, a existência de comentários desagradáveis e vídeos relacionados menos próprios, por vezes com conteúdo pouco recomendável, evitam a utilização de alguns filmes. Ora, com o “EmbedPlus” esse problema é eliminado, já que podemos mostrar apenas os conteúdos que nos interessam.

 

 

O que podemos fazer com o EmbedPlus

  • Selecionar as cenas que queremos mostrar, disponibilizando apenas o que interessa no objectivo da matéria;
  • Adicionar títulos e legendas;
  • Fazer câmara lenta;
  • Fazer zoom móvel para aplicar em partes do vídeo;
  • Definir facilmente a altura e a largura de qualquer vídeo do Youtube;.
  • Não é necessário registo. Basta clicar em “Get Started”;
  • O EmbedPlus dispõe de um aplicativo de dicionário para a pronúncia da palavra e contexto do vocabulário, ferramenta especialmente útil na aprendizagem da língua inglesa como segunda língua.